Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 09 > Em artigo, Temer afirma que as concessões vão gerar empregos e atrair investidores

Notícia

Em artigo, Temer afirma que as concessões vão gerar empregos e atrair investidores

Oportunidade de crescimento

No texto publicado no jornal O Globo, presidente comenta avanços que o País pode alcançar com o novo modelo de concessões do governo federal
por Portal Planalto publicado: 15/09/2016 10h10 última modificação: 15/09/2016 13h36

Em artigo publicado, nesta quinta-feira (15), no jornal O Globo, o presidente da República, Michel Temer, destacou que as concessões à iniciativa privada, anunciadas esta semana com o lançamento do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), vão permitir a geração de empregos no País.

“Tenho convicção de que as novas regras atrairão investidores nacionais e estrangeiros e, mais importante, permitirão a criação de novos empregos. Nada mais necessário, neste momento em que ainda estamos enfrentando os efeitos da crise, do que dar prioridade à geração de novos postos de trabalho”, afirmou.

No artigo intitulado "Parcerias para um novo tempo", Michel Temer afirma que o PPI vai “estimular a interlocução do poder público com a iniciativa privada para induzir o desenvolvimento econômico”.

O presidente da República ressalta que o novo modelo de concessões foi projetado com o “máximo rigor técnico” e garante “a segurança jurídica, a estabilidade regulatória, além de modernizar a governança para criar o ambiente propício à concretização dos investimentos privados”.

Temer lembra, ainda, que as concessões são uma oportunidade para grupos nacionais e estrangeiros investirem em diferentes setores como transportes, portos, aviação civil, energia, saneamento básico e óleo e gás.

Michel Temer comenta, também, que o governo vai financiar parte dos novos investimentos, com pelo menos R$ 30 bilhões dos bancos públicos, mas frisa que serão exigidas garantias para que “não haja prejuízos para os cofres públicos”.

O presidente finaliza o artigo afirmando que a economia precisa voltar a girar e o Estado direcionar a atuação para as principais necessidades do povo, como saúde, educação e segurança pública.

Fonte: Portal Planalto