Notícia

Brasil na ONU

BRICS acatam proposta brasileira de licenciamento de remédios

publicado: 20/09/2016 19h45, última modificação: 26/02/2018 12h28
Ideia é fazer uma ação comum sobre medicamentos para barateamento da produção entre os países membros do bloco – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul
BRICS acatam proposta brasileira de licenciamento de remédios

José Serra destacou que decisão pode ter impacto enorme em todo mundo

O ministro das Relações Exteriores, José Serra, anunciou, em entrevista coletiva nesta terça-feira (20), que foi acolhida proposta brasileira de ação comum sobre medicamentos entre membros do BRICS, bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Em conversa com a imprensa, José Serra disse que ministros do bloco discutiram como os países podem trabalhar em comum pelo licenciamento de remédios, a exemplo do que foi feito na gestão de Serra quando ministro da Saúde, no governo de Fernando Henrique Cardoso.

A ideia é fazer uma ação comum, por meio de licenciamento compulsório de medicamentos e barateamento da produção. Atualmente, há mais de 1,7 bilhão de pessoas sem acesso a medicamentos, segundo o ministro.

José Serra afirmou ainda que decisão pode ter impacto enorme em todo mundo. "Nós vivemos numa época que se diz que tem excesso de medicamentos, mas isso é para alguns setores da população. Para outros, falta. E essa ideia foi acolhida, tanto que faz parte da declaração de hoje. A discussão continua em GOA, na Índia. Medicamentos de amplo acesso que sejam essenciais e cujo preço não permita que os governos deem conta. São esses os dois critérios", relatou o ministro aos jornalistas.

Conselho de Segurança da ONU

José Serra reúne-se nesta quarta-feira (21) com chanceleres do G4, grupo formado por Alemanha, Japão, Índia e Brasil, para debater o Conselho de Segurança da ONU. "Vamos discutir uma mudança de metodologia do conselho, ainda ligada à Segunda Guerra Mundial", disse. Serra confirmou que o Brasil continua a propor mudanças na estrutura do Conselho, que tem cinco membros permanentes com poder de veto.

Fonte: Portal Planalto

registrado em: