Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 09 > Brasil é líder no esforço para conter o aquecimento global, diz ministro

Notícia

Brasil é líder no esforço para conter o aquecimento global, diz ministro

Brasil na ONU

Em Nova York, ministro do Meio Ambiente reforça importância da ratificação do Acordo de Paris e diz que Brasil é protagonista nas discussões internacionais
publicado: 22/09/2016 11h24 última modificação: 23/09/2016 09h20
Ministro Sarney Filho lembrou que Brasil é afetado diretamente pelas mudanças climáticas

Ministro Sarney Filho lembrou que Brasil é afetado diretamente pelas mudanças climáticas

Acompanhado pelo ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, o presidente Michel Temer entregou, nesta quarta-feira (21), a ratificação do Acordo de Paris sobre mudança do clima. O documento foi entregue ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, em Nova York.

Na ocasião, Sarney Filho falou sobre o papel do Brasil como líder no esforço para conter o aquecimento global. “É muito importante que a gente consiga diminuir as emissões, e o Brasil, nesse sentido, é um líder global. Não só lideramos na prática, reduzindo nossas emissões e diminuindo enormemente o desmatamento da Amazônia, mas assumimos também um protagonismo muito grande nas discussões internacionais”, ressaltou o ministro, em entrevista ao Portal Planalto.

Sarney Filho lembrou, ainda, que o País está entre os afetados pelas mudanças climáticas. Segundo ele, a ocorrência de secas prolongadas e as crises hídricas na região do rio São Francisco e no sudeste do Brasil são preocupantes. Assim, a partir de agora, o Brasil adota o Acordo de Paris como uma política de Estado, com “metas ambiciosas de redução absoluta das nossas emissões [de gases de efeito estufa] até 2030, em 43%”.

Durante a cerimônia de entrega das ratificações do Acordo de Paris sobre a mudança do clima, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, anunciou que 60 países já aderiram ao Acordo, representando 47,5% das emissões de poluentes. Mas, para que entre em vigor, é necessário chegar a 55% das emissões.

Fonte: Portal Planalto