Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 09 > Agenda econômica será prioridade do Congresso no 2º semestre, diz Rodrigo Maia

Notícia

Agenda econômica será prioridade do Congresso no 2º semestre, diz Rodrigo Maia

Articulação política

Em entrevista ao Portal Planalto, presidente da Câmara dos Deputados afirma que PEC dos gastos públicos “certamente” será aprovada ainda em 2016
por Portal Planalto publicado: 15/09/2016 11h21 última modificação: 14/10/2016 17h39
Gustavo Lima/Câmara dos Deputados Rodrigo Maia diz que a Câmara vai trabalhar para avançar “ao máximo” a reforma da Previdência até o fim de dezembro

Rodrigo Maia diz que a Câmara vai trabalhar para avançar “ao máximo” a reforma da Previdência até o fim de dezembro

As medidas de recuperação da economia propostas pelo governo federal para as contas públicas e a previdência serão a prioridade nas votações do Congresso Nacional neste segundo semestre, diz o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Para o parlamentar, a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do teto de gastos públicos e o debate em torno da reforma da previdência são essenciais para a retomada do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e para estimular a geração de empregos.

“Temos uma agenda econômica que é fundamental para o Brasil. Sem a aprovação da PEC do teto de gastos e depois do debate da reforma da previdência, vai se gerar um ambiente de muita insegurança para os investidores e para a retomada do crescimento”, disse Maia.

Segundo ele, a Câmara vai trabalhar para avançar “ao máximo” a reforma da previdência até o fim de dezembro. Já a PEC do teto de gastos “certamente” será aprovada neste ano.

Na opinião de Maia, a pauta econômica tem potencial para produzir consenso na Casa e garantir produtividade dos trabalhos.

“Não adianta ter um elenco grande de medidas e que nenhuma delas sejam aprovadas. Vamos concentrar na agenda econômica, que são aquelas pautas consensuais, que construam consenso no governo e na oposição”, afirmou.

“É o que o Brasil precisa hoje, de harmonia na relação entre os poderes e na relação entre o governo e oposição no Congresso Nacional”, concluiu.

Fonte: Portal Planalto