Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 08 > Empresários manifestam apoio a Temer para que governo toque reformas

Notícia

Empresários manifestam apoio a Temer para que governo toque reformas

Retomada da confiança

Representantes do Instituto Talento Brasil expressam confiança que medidas saneadoras da economia assegurem ao País condições para voltar a crescer
por publicado: 10/08/2016 19h32 última modificação: 11/08/2016 18h00

O presidente em exercício, Michel Temer, recebeu nesta quarta-feira (10), no Palácio do Planalto, representantes do Instituto Talento Brasil, grupo que reúne empresários, executivos e profissionais liberais. Durante o encontro, os representantes do setor privado expressaram apoio ao governo para levar adiante projetos como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita o crescimento dos gastos públicos à variação da inflação, cujo texto-base foi aprovada na Câmara dos Deputados na madrugada de terça-feira (9), e a reforma da Previdência, cujas bases ainda estão sendo elaboradas pela equipe econômica de Temer.

“Não se trata de tirar direitos. Não se trata de afrontar conquistas sociais. Ao contrário, trata-se de garanti-las“, disse o presidente do instituto, Antônio Machado de Barros, mencionando que as reformas em curso pelo governo são importantes para colocar a economia novamente nos trilhos do crescimento, além de garantir recursos à União para honrar pagamentos de benefícios da Previdência Social. “A continuidade de um processo em que o gasto público vinha crescendo a seis pontos percentuais acima da inflação desde 1994, é inviável. Não há carga tributária que sustente isso”, reforçou Machado de Barros.

O presidente do instituto Talento Brasil disse, ainda, que conversou com o presidente Temer sobre temas que, mesmo sem ter a mesma prioridade, podem contribuir para a retomada do crescimento econômico, como a simplificação tributária e trabalhista, a desburocratização de normas e o aperfeiçoamento dos programas de concessão.

“Não encontramos sinal de indecisão [do governo] quanto ao que se faz necessário”, disse.