Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 07 > Mercado recebe com otimismo notícia sobre gestão compartilhada da BR Distribuidora

Notícia

Mercado recebe com otimismo notícia sobre gestão compartilhada da BR Distribuidora

Mercado

por Portal Planalto publicado: 27/07/2016 18h22 última modificação: 27/07/2016 18h22

A Petrobras decidiu mudar o modelo de controle da BR Distribuidora, empresa subsidiária da estatal dedicada a transporte de combustíveis. Segundo o presidente da petroleira, Pedro Parente, a gestão será compartilhada: 51% do capital com direito a voto passará para a mão de parceiros.

Essa decisão faz parte de um programa de desinvestimentos cujo objetivo é melhorar o caixa da Petrobras, diminuir os riscos relacionados a endividamento e aprimorar a governança na estatal e nas suas subsidiárias.

A venda desses ativos, no entanto, não significa que a petroleira sairá totalmente do negócio. Ela ficará com 49% das ações com direito a voto e uma volume considerável dos papéis preferenciais, que não dão direito a participação no conselho.

Com isso, entre 60% e 75% do capital total da BR Distribuidoras continua com a companhia. Todo esse processo deve ser encerrado até o primeiro trimestre de 2017. “Não é porque é melhor ou pior. Uma gestão privada traz um pouco mais de liberdade para empresa”, explicou Marcos Piellusch, professor e coordenador de cursos da Fundação Instituto de Administração (FIA).

Para ele, o mercado financeiro recebeu a notícia com otimismo. “O endividamento da Petrobras não traz riscos para o curto prazo, mas essa venda de ativos alivia a situação financeira no longo prazo e melhora o folego para que a petroleira possa cumprir as obrigações [com credores]”, observou.

Piellusch considerou, ainda, que a chegada de Parente ao comando da Petrobras e as mudanças que o executivo têm proposto impactaram positivamente o valor da companhia. “Aparentemente, o mercado fez uma boa leitura dessa mudança de gestão [com a chegada de Parente]”, ponderou.

“Tanto que as ações da Petrobras tiveram uma movimentação interessante desde o início do ano, praticamente dobraram de preço”, relatou. Parente confirmou a mudança de controle na quarta-feira (27).

Ele ainda proveitou a ocasião para destacar que a extração de petróleo no exterior pela Petrobras deve continuar. "Não temos intenção de deixar de olhar para o portfólio de ativos de exploração da empresa. Não temos definição de sair da exploração do exterior. O que pode haver é priorizar algumas regiões."

 

Fonte: Portal Planalto

registrado em: , ,
Assunto(s): Economia, Governo federal