Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 06 > Priorizar a educação primária é essencial para a igualdade de oportunidades, afirma Temer

Notícia

Priorizar a educação primária é essencial para a igualdade de oportunidades, afirma Temer

Entrevista

Em entrevista à GloboNews, Temer assegurou que proposta de limite para os gastos públicos não reduzirá investimentos em educação
por Portal Planalto publicado: 21/06/2016 23h15 última modificação: 22/06/2016 11h42
Foto: Beto Barata/PR Presidente em exercício, Michel Temer, gravou a entrevista na tarde terça-feira (21) no Palácio do Jaburu

Presidente em exercício, Michel Temer, gravou a entrevista na tarde terça-feira (21) no Palácio do Jaburu

Em entrevista ao jornalista Roberto D'Ávila, nesta terça-feira (21), o presidente em exercício Michel Temer afirmou que a educação é uma das principais prioridades do governo e que as políticas para melhorar o ensino primário receberão o mesmo tratamento que as ações voltadas para o ensino superior.

“Houve muito prestigiamento para as universidades no ensino superior, mas caiu muito o prestigiamento do ensino de primeiro grau. E nós queremos exatamente elevar esse ensino”, garantiu Temer ao mencionar a proposta do senador Cristovam Buarque para a criação de um projeto piloto de federalização de escolas de primeiro grau de algum pequeno município brasileiro.

Temer destacou ainda que o Bolsa Família será mantido “enquanto houver pobreza extrema no País”, mas que o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário fortalecerá o acompanhamento das regras do programa relativas à frequência das crianças na escolas. “Só tem sentido você dar um dinheiro para uma família se for para fazê-la progredir. E progredir é progredir por meio da educação dos filhos.”

O presidente reafirmou ainda que, assim como a saúde, os investimentos em educação não serão impactados pelo projeto que estabelece um teto para o crescimento dos gastos público, enviado pelo governo ao Congresso Nacional na semana passada. “O que haverá é que, no ano seguinte, o aumento será apenas aquele derivado da inflação. A única diferença. No mais, os percentuais são os mesmos.”

Fonte: Portal Planalto