Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 06 > País fez todos os preparativos necessários para receber os Jogos com segurança, diz Picciani

Notícia

País fez todos os preparativos necessários para receber os Jogos com segurança, diz Picciani

Rio 2016

Esquema de segurança será composto pela principais forças de segurança do país; Força Nacional de Segurança terá efetivo inédito em um estado
por publicado: 29/06/2016 18h07 última modificação: 29/06/2016 19h14
Marco Mari/PR Além do efetivo das forças de segurança, Brasil terá primeiro centro de inteligência da história das Olimpíadas

Além do efetivo das forças de segurança, Brasil terá primeiro centro de inteligência da história das Olimpíadas

O País vem tomando as medidas necessárias para garantir a realização dos Jogos Rio 2016 em segurança. Em entrevista nesta quarta-feira (29) ao Portal Planalto, o ministro do Esporte, Leonardo Picciani, detalhou o efetivo das forças de segurança e ressaltou a experiência brasileira em realizar eventos internacionais de grande porte.

“Evidentemente que esse é um tema importantíssimo, portanto não se subestima nada relativo à segurança dos Jogos Olímpicos. Todos os preparativos estão feitos, o que nos leva a ter a convicção de que teremos Jogos Olímpicos muito seguros”, afirmou.

Segundo o ministro, o esquema de segurança será composto pela Polícia Federal, Ministério da Defesa, Ministério da Justiça, Forças Armadas e 100% dos policiais do Rio de Janeiro. Além disso, será empregado o maior efetivo pela Força Nacional de Segurança em um estado da federação: 9,6 mil soldados. E, caso necessário, tropas de reserva das Forças Armadas poderão, em caso de necessidade, entrar imediatamente em operação.

O Brasil terá ainda a colaboração de 113 países que enviarão representantes para integrar o Grupo de Comando e Controle, o primeiro centro de inteligência da história das Olimpíadas.

“Além do mais, o Rio de Janeiro, o Brasil, possui uma larga experiência em sediar grandes eventos”, lembrou Picciani. Ele citou a Copa do Mundo de 2014, a Copa das Confederações de 2013, os Jogos Panamericanos de 2007, a Conferência Rio+20 (que reuniu cerca de 80 chefes de Estado), e a Jornada Mundial da Juventude. Nesta última, só a missa de encerramento teve um público de 3 milhões de pessoas. “Não tivemos nenhum problema de segurança nesses eventos e tenho a convicção de que na Olimpíada também não teremos”, apontou.

Fonte: Portal Planalto