Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 06 > O objetivo do governo é alterar o curso da economia brasileira, diz Meirelles

Notícia

O objetivo do governo é alterar o curso da economia brasileira, diz Meirelles

Reunião com empresários

O objetivo da nova equipe econômica do governo é dar ao Brasil maior produtividade, emprego e renda, afirma ministro da Fazenda
por Portal Planalto publicado: 08/06/2016 15h15 última modificação: 15/06/2016 18h28
Foto: Carolina Antunes/PR “Não iremos só combater os efeitos, estamos atrás da raiz do problema”, disse o ministro da fazenda durante Encontro com Líderes Empresariais

“Não iremos só combater os efeitos, estamos atrás da raiz do problema”, disse o ministro da fazenda durante Encontro com Líderes Empresariais

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou, nesta quarta-feira (8), que o objetivo da nova equipe econômica do governo é dar ao Brasil maior produtividade, emprego e renda. Durante reunião com líderes empresariais, ele argumentou que essa é uma direção que “pretende de fato alterar o curso da economia brasileira”.

“São finalidades declaradas por todos os governos e que está tomando medidas concretas e fazendo o que é necessário não só para entender mas para criar uma linha de desenvolvimento sustentável para as próximas décadas”, explicou.

Segundo ele, o País vive uma crise que pode ser maior até que a grande depressão dos anos 1930. “É uma crise que gerou 11 milhões de desempregados, equivalente à população de Cuba. Nós temos de reverter esse processo e, para isso, temos de ver o diagnóstico”, afirmou.

Acesse aqui a galeria de fotos oficiais deste evento

Raiz do problema
“Por isso, não iremos só combater os efeitos, estamos atrás da raiz do problema”, ponderou. Meirelles fez um retrospecto da gestão das contas públicas de 1997 a 2015 e explicou que, no período, as despesas cresceram em ritmo superior às receitas – uma trajetória classificada por ele como insustentável.

Meirelles explicou que em um primeiro momento isso foi financiado por aumento de impostos e que a estabilidade da economia que se observou após a criação do Plano Real permitiu passar por esse período sem turbulências mais graves.

“O problema é que, no período seguinte, tivemos uma queda da atividade por consequência de tudo que descrevemos, mas o resumo de tudo isso é que ocorreu uma desorganização da economia e a queda da confiança”, argumentou.

Exemplos
Para exemplificar, Meirelles observou que se uma empresa manter esse quadro de despesas crescendo mais que receitas vai perder crédito, confiança e investidores. Segundo ele, os proprietários vão ficar preocupados em investir em um negócio que não vai bem. “Por isso, é fundamental que se restaure as finanças públicas”, afirmou.

Nesse sentido, o governo tem promovido uma série de medidas, como a fixação de um teto constitucional para os gastos públicos, a desvinculação das receitas da união e outras ações que ainda estão em fase de preparação.

Fonte: Blog do Planalto