Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 06 > Brasil precisa ser encarado de forma objetiva, diz ministro da Indústria

Notícia

Brasil precisa ser encarado de forma objetiva, diz ministro da Indústria

Reunião com empresários

Para Marcos Pereira, medidas relacionadas a quatro áreas estão sendo debatidas pela equipe, afirmou o ministro: desburocratização, redução de custos, produtividade e investimentos
por Portal Planalto publicado: 08/06/2016 15h12 última modificação: 09/06/2016 13h23
Foto: Carolina Antunes/PR Presidente Michel Temer, ministros Eliseu Padilha e Marcos Pereira, e o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, durante Encontro com Líderes Empresariais

Presidente Michel Temer, ministros Eliseu Padilha e Marcos Pereira, e o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, durante Encontro com Líderes Empresariais

O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, acredita que, mesmo diante dos poucos dias do novo governo, já é possível perceber a retomada da confiança e da esperança na economia do País. Em discurso durante encontro com mais de 200 líderes empresariais, no Palácio do Planalto, nesta quarta-feira (8), ele garantiu que o pragmatismo e a objetividade da iniciativa privada já estão sendo implantados na pasta.

Medidas relacionadas a quatro áreas estão sendo debatidas pela equipe, afirmou o ministro: desburocratização, redução de custos, produtividade e investimentos. “Com menos burocracia e custos mais baixos, é possível produzir muito mais e melhor”, afirmou.

Pereira ressaltou a importância da boa vontade política para a superação rápida da crise econômica, como por meio da discussão de instruções normativas, portarias e normas relacionadas ao trabalho. Segundo ele, já foi acertado com o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, um grupo de trabalho com esse objetivo.

Acesse aqui a galeria de fotos oficiais deste evento

“Não estamos falando em perdas de direitos básicos para trabalhadores, mas ajustes infralegais”, emendou o ministro, mencionando que tais ajustes darão fôlego à atividade empresarial brasileira de forma célere e gerariam mais empregos. Ele adiantou também que iria solicitar uma audiência com a presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Maria Silvia Bastos Marques, para discutir o crédito destinado à exportação.

Para o ministro, a crise política já está sendo separada da crise econômica. Prova disso é a votação, no Congresso Nacional, de medidas cruciais para o fim da turbulência na economia brasileira, como a aprovação da revisão da meta fiscal, que prevê aumento no déficit.

Fonte: Blog do Planalto