Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Notícias > 2016 > 05 > Temer cita JK, reafirma apelo à pacificação e pede responsabilidade na votação de medidas

Notícia

Temer cita JK, reafirma apelo à pacificação e pede responsabilidade na votação de medidas

Estabilização da Economia

Presidente interino pediu, na manhã desta terça-feira (24), em reunião no Palácio do Planalto, que o Congresso Nacional vote ainda hoje as medidas propostas para tirar a economia do País da crise
por Portal do Planalto publicado: 24/05/2016 10h00 última modificação: 15/06/2016 18h44
Foto: Beto Barata/PR O presidente interino explicou as medidas aos parlamentares antes da coletiva

O presidente interino explicou as medidas aos parlamentares antes da coletiva

O presidente interino Michel Temer pediu, na manhã desta terça-feira (24), em reunião no Palácio do Planalto, que o Congresso Nacional vote ainda hoje as medidas propostas para tirar a economia do País da crise. Temer fez um apelo à pacificação da Nação, reafirmou a não ingerência do governo sobre operações como a Lava Jato e listou as medidas que considera fundamentais para que o País retome o desenvolvimento e o pleno emprego.

“No dia de hoje, especialmente, temos uma votação de uma matéria importante para o governo, que é a questão da ampliação da meta. Este será o primeiro teste; de um lado o governo, de outro o Legislativo, para revelar aos brasileiros que nós estamos trabalhando. Estamos exercendo regularmente as nossas funções”, afirmou o presidente interino. “Não podemos permitir a guerra entre brasileiros, a disputa quase física. Isso é inadmissível.”

Acesse aqui a galeria de fotos oficiais deste evento

A reforma da Previdência, o pagamento de R$ 100 bilhões do BNDES ao Tesouro, o uso do Fundo Soberano para cobrir o rombo e novas regras na nomeação de presidentes de estatais e agências reguladores foram algumas das medidas anunciadas pelo presidente aos parlamentares que sentaram à sua mesa. Uma Proposta de Emenda à Constituição, que limitará o crescimento da despesas públicas à inflação passada, também está na proposta.

Temer reafirmou o propósito de seu governo em pacificar o País e pediu responsabilidade à oposição, que até bem pouco tempo defendia a revisão da meta do déficit público.

“Lamento dizer que muitos dos que até propuseram a modificação da meta hoje anunciam que vão tentar tumultuar os trabalhos para impedir a votação. Isso revela aos olhos de quem vê o País como uma finalidade, e não o governo ou um partido politico, a absoluta discordância com a tranquilidade institucional de nosso País.”

O presidente interino refutou críticas sobre eventuais recuos em seu governo e disse que não tem qualquer dificuldade em rever suas posições, caso acredite que elas devam ser revistas. Citando o ex-presidente Juscelino Kubitschek, reafirmou sua vocação para o diálogo.

“As pessoas se acostumaram que não se pode voltar atrás. Somos como JK; não temos compromisso com equívoco. Quando houver algum, reveremos esse fato. Posso estar errado, mas se o fizer, consertá-lo-ei.”

O presidente interino reafirmou também que seu governo não interferirá em qualquer operação judicial e defendeu a independência entre os três Poderes.

“Não posso invadir o competência de outro Poder. Então, para preservar a teoria e a coerência é que estou expondo, e não por conta própria. Eu digo: nós não vamos impedir a apuração com vistas à moralidade pública e administrativa; ao contrário, vamos sempre incentivá-la.”

Fonte: Blog do Planalto