Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Discursos > Discursos do Presidente da República > Discurso do Presidente da República, Michel Temer, durante encontro com a Senadora Valentina Matvienko, Presidente do Conselho da Federação da Rússia - Moscou/Rússia

Discurso do Presidente da República, Michel Temer, durante encontro com a Senadora Valentina Matvienko, Presidente do Conselho da Federação da Rússia - Moscou/Rússia

por Portal Planalto publicado 21/06/2017 11h25, última modificação 21/06/2017 16h18

Moscou-Rússia, 21 de junho de 2017

 

Agradeço enormemente a gentileza de nos receber, aliás, pela segunda vez e sempre com muita delicadeza e muita atenção. Guardei a mais grata recordação daquele encontro que mantivemos há cerca de dois, três anos atrás, e levei aquela sensação que trago sempre comigo da importância do Legislativo em qualquer Estado, no Estado Russo e no Estado brasileiro.

Quando viemos para cá eu disse à senhora, que eu passei 24 anos no Parlamento brasileiro, e tive a honra de presidir a Câmara dos Deputados, em três ocasiões, de modo que quando venho aqui a esta Casa eu sempre tenho a sensação de estar na minha casa. Foi onde eu passei a maior parte da minha vida política.

 Esta é a quarta vez que eu visito a Rússia, em caráter oficial. Primeiro, como presidente da Câmara dos Deputados, depois, duas vezes como vice-presidente da República e também Coordenador da Comissão Alto Nível Brasil-Rússia, e, agora, como presidente da República. Sempre com o objetivo de reforçar os laços de amizade em parceria estratégica entre o Brasil e a Rússia.

Eu sei naturalmente da importância da cooperação Parlamentar, para o aprofundamento das relações entre países amigos. Portanto, eu vejo, com muita satisfação, o aumento desse diálogo parlamentar que eu chamo sempre de Diplomacia Parlamentar. E até aproveito suas palavras para dizer que, fora a parte, as relações de amizade, nos grupos parlamentares, acho que devemos implementar também uma posição de busca de intensidade econômica, de tratamento econômico, por meio dos parlamentos do Brasil e da Rússia.

Aliás, o governo do Brasil tem um grande apoio do Parlamento brasileiro. A senhora sabe que boa parte do meu ministério é composto por parlamentares da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, em primeiro lugar. Em segundo lugar, este acúmulo de parlamentos é que tem permitido levar adiante as questões internas e externas do nosso País.

Ontem, ainda falávamos desse encontro parlamentar que se dará em São Petersburgo (incompreensível), sua terra natal, onde, digamos, irão ampliar-se as relações não só de amizade, mas as relações - que eu comentava ontem com o embaixador da Rússia, no Brasil, que, aliás, devo registrar, faz um belíssimo trabalho de cooperação entre os dois países - mas nós comentávamos que nós vamos incrementar relações também econômicas via  parlamentar.

 Eu devo dizer que embora o nosso regime seja Presidencialista, mas eu pratico, na verdade, um quase Semiparlamentarismo. Porque, volto a dizer, em primeiro lugar, o grande número de ministros que tem no meu governo saiu do Parlamento. Em segundo lugar, reitero, só conseguimos levar adiante a tarefa de governar o País com a participação intensa do Legislativo brasileiro.

Aliás, recordo no Parlamento que nós estamos intensificando as relações entre o Brasil e a Rússia.  Basta ressaltar à senhora e a todos a aprovação recente de um acordo de cooperação em defesa e da convenção para evitar a dupla tributação. Eu me recordo que na reunião anterior nós comentávamos a respeito dessa convenção da dupla tributação, exatamente quando cheguei ao governo, nós pudemos levar isso adiante, volto a dizer, com o apoio do Parlamento brasileiro.

 Esse relacionamento com o Parlamento brasileiro é que tem me permitido praticar no governo amplas reformas. Reformas desejadas praticamente há mais de 20 anos e jamais levadas adiante.

Senhora, nós estamos empenhados não só na fixação do teto para os gastos públicos, onde nós tivemos o apoio do Parlamento, como também na modernização da legislação trabalhista e também na legislação previdenciária.

Tivemos problemas há pouco tempo, tão logo assumi o governo, era uma recessão profunda. Uma inflação também preocupante, com juros igualmente altos. Pois muito bem, foi nesse período de um ano e pouco de governo, nós conseguimos reduzir sensivelmente a inflação (incompreensível) Nós apanhamos o governo com mais de 10% de inflação, e hoje, precisamente hoje, estamos com 3.6% de inflação brasileira. Então, houve uma redução substanciosa. E de igual maneira, reduzimos sensivelmente os juros, que é para incentivar o crescimento do País e os investimentos.  Estamos também combatendo o desemprego. A senhora sabe que nesses últimos três meses, paulatinamente, nós estamos abrindo novas vagas no País, naturalmente, gerando uma esperança muito grande para os brasileiros.

(inaudível) Hoje estava em 14.25, hoje está em 10.25, mas volto (incompreensível).

Mas tudo isso faz parte de um processo que ao longo tempo o nosso objetivo é reduzir sensivelmente as margens de juros, de maneira que em um dado momento chegue até a impactar, digamos assim, com o nível de inflação. E nosso objetivo, naturalmente, é fazermos essa interação entre o Brasil e a Rússia. É nosso objetivo, naturalmente.

 

Ouça a íntegra do discurso (05min55s) do presidente Michel Temer

 

registrado em: ,