Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Discursos > Discursos do Presidente da República > Discurso do Presidente da República, Michel Temer, durante Cerimônia de Sanção da lei que confere à Cidade de Blumenau o título de Capital Nacional da Cerveja - Brasília/DF

Discurso do Presidente da República, Michel Temer, durante Cerimônia de Sanção da lei que confere à Cidade de Blumenau o título de Capital Nacional da Cerveja - Brasília/DF

por Portal Planalto publicado 09/03/2017 00h00, última modificação 09/03/2017 16h19

Palácio do Planalto, 09 de março de 2017

 

Olhe, eu quero cumprimentar a todos, eu vou pedir licença ao governador, ao prefeito, aos deputados, senadores, à rainha e às princesas e a todos, para saudá-los coletivamente.

Não vou repetir o nome de todos. Mas devo dizer, desde já, da grande satisfação que temos em poder recebê-los aqui para um evento que vejo da maior relevância, Décio Lima, para Blumenau. Aliás, suas palavras revelaram que isso é fruto do amor. Na verdade, a ideia de amor de fraternidade, de confraternização.

É interessante como Santa Catarina tem esta coisa de apego muito grande às suas cidades. Muito recentemente aqui, também, porque eu sanciono diariamente muitas leis etc. Mas quando se trata de Santa Catarina, as pessoas vêm aqui e me dizem: “Olha, precisa trazer o pessoal da cidade tal que é a cidade símbolo dessa matéria”. Há pouco tempo, foi a cidade do golfinho, que é Laguna, assinamos aqui também.

Agora eu vejo a bancada toda, a federal, a do Senado, vem aqui para a sanção desta lei,. a lei da cerveja. E como foi dito pelo Dalírio, pelo senador Dalírio e pelo Décio, na verdade, ela é, a cerveja, um fenômeno de agregação, de congregação. Você nunca vê alguém tomando uma cerveja sozinho, você vê alguém em um bar, com uma mesa quatro, cinco, seis pessoas tomando uma cerveja e conversando animadamente. E esse animadamente é exatamente o ânimo que preside, penso eu, a cidade de Blumenau. Porque quando vocês fazem a Oktoberfest, o que se verifica lá é, e repito as palavras do Décio, o que se verifica lá é uma grande confraternização que não é apenas a cidade, eu diria que é nacional, e até internacional, que muita gente vai para lá nessas oportunidades.

Eu ainda não tive essa alegria de chegar a Oktoberfest, mas quero ver se agora, em face, prefeito Napoleão, do convite insistentemente feito pela rainha, pelas princesas e por todos, se nesta Oktoberfest eu vou tomar pelo menos umas três canecas. As canecas eu até já recebi - não trouxeram a cerveja - então eu vou tomar a cerveja lá na Oktoberfest.

Então eu quero dizer da satisfação que tenho de sancionar essa lei, que se confunde, aliás, como foi dito aqui, com a própria história da cidade.

A coisa é curiosa, e é interessante como esse fenômeno do chope, da cerveja, sempre é retratado, por fotos, em quadros, como um gesto de grande alegria. As pessoas dançam, as pessoas conversam, as pessoas sorriem. Então, digamos assim, a oportunidade que me deram, que deram ao governo federal de sancionar esta lei de uma maneira mais solene foi muito oportuna, porque, na verdade, mostra a nós todos, esse deve ser, digamos assim, o principal argumento, o principal sentido do fato de nós sancionarmos solenemente essa lei, porque, eu volto a dizer, que a Oktoberfest, como foi dito, é uma festa de pacificação, não é? Eu nunca soube que na Oktoberfest houvesse divisões, de um lado, uns, e de outro lado, outros, ao contrário, de um lado só, todos. E exata e precisamente o que tem acontecido nessas festividades. De modo que Blumenau dá um exemplo extraordinário pela pacificação das relações sociais, é um exemplo para o Brasil.

Mas de fora a parte isso, eu sei que Blumenau tem um grande parque econômico, que também produz imensamente para a economia de Santa Catarina e evidentemente para a economia brasileira. E nós precisamos muito disso, não é? Nós precisamos dessa produção industrial acentuada, nós precisamos do turismo. Nós sabemos que Blumenau também é um centro turístico extraordinário, especialmente agora quando a economia começa a respirar, não é?

Nós temos os primeiros sintomas desta respiração com a inflação caindo sensivelmente, com os juros caindo sensivelmente, com a retomada ainda que lenta da economia. Eu penso que este momento há de ser um momento de celebração. Celebração, por meio de Blumenau, do que está sendo o Brasil a partir de agora.

Então nós vamos, volto a dizer, que eu assinei com muito prazer, porque não só ganham os apreciadores de cerveja, com rótulos para todos os paladares. Eu vi que muita coisa é artesanal, o que me foi dito, e também ganham os blumeauenses com empregos, renda e reconhecimento, que em matéria de arte cervejeira, não perdem para ninguém.

Muito obrigado.

Ouça a íntegra do discurso (05min07s) do presidente.