Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Discursos > Discursos do Presidente da República > Discurso do Presidente da República, Michel Temer, durante cerimônia de Lançamento do Programa Criança Feliz - Brasília/DF

Discurso do Presidente da República, Michel Temer, durante cerimônia de Lançamento do Programa Criança Feliz - Brasília/DF

por Portal Planalto publicado 05/10/2016 12h30, última modificação 23/12/2016 21h43

 

Palácio do Planalto, 05 de outubro de 2016

 

Bom meus amigos, minhas amigas, eu quero começar realmente saudando, as autoridades que aqui se encontram.

Rigorosamente, poderia deixar de fazê-lo, já que o ministro Osmar Terra, relacionou a todos eles. Mas eu acho interessante repetir, porque desde logo , tanto eu, como os senhores e as senhoras, devem estar imprecionadíssimos, com a qualidades das pessoas que aqui compareceram.

Qualidade não só no plano nacional, mas também no plano internacional. Basta, secundar as palavras do Osmar Terra, quando ele mencionou o número de embaixadores que aqui se encontram.

Especialmente, também, com os membros da sociedade civil. Que, como bem disse o Osmar Terra, este não é um trabalho apenas para o poder público, mas é um trabalho que deve conectar-se, deve conjugar-se, com aqueles que já exercem essa atividade no setor privado e que encontraram no poder público também um apoio, um incentivo, um entusiasmo. Aliás, devo dizer que, a presença da Marcela, como embaixadora, assim rotulada pela Osmar Terra, visa exatamente a incentivar as senhoras, mulheres do país, autoridades. Certa e seguramente, a Marcela um dia vai convidar as senhoras primeiras-damas e as senhoras prefeitas municipais, para estarem todas aqui em Brasília, para que não fique apenas como um programa da União, mas que seja como um programa da Federação. Portanto da União, e igualmente dos estados brasileiros.

Portanto, ao relacionar, novamente as autoridades, eu vou pedir apenas aos deputados, eu não vou mencionar porque são tantos os deputados aqui e sempre se corre o risco de esquecer um ou dois, que ficam legitimamente aborrecidos com esse esquecimento. Mas eu quero registrar o fato expressivo, significativo, do grande número de parlamentares aqui presentes.

Ou melhor, eu até posso mencioná-los, se alguém não for mencionado levanta o braço que eu menciono.

Mas quero cumprimentar naturalmente a Marcela, o Eliseu Padilha, o Osmar Terra, o Alexandre Moraes, Mendonça Filho, a Mariana Ribas, interina da Cultura, o Ronaldo Nogueira, o Ricardo Barros, o Marcos Pereira, o Hélder Barbalho, Torquato Jardim, Geddel Vieira Lima, o general Sérgio Etchegoyen, a Greice Mendonça, da Advocacia Geral da União.

Naturalmente as senhoras e senhores embaixadores,

As primeiras damas, a senhora Márcia Rollemberg, a senhora Maria Helena Satori, a senhora Renata Calheiros.

O senador José Medeiros. O José Medeiros fez um belíssimo discurso. Aliás, é interessante, os discursos que o José Medeiros ganham, o senador José Medeiros ganham significado quando você traz uma experiência pessoal, e você relatou aqui experiências pessoais.

Então, por isso a sua participação nessa atividade como coordenador pelo parlamento brasileiro dessa atividade, vai também trazer para esta… para este meio, exatamente o poder Legislativo. Numa coisa que nós temos feito com muita frequência. Nós sabemos que o Executivo não age sozinho, mas age e governa com o Legislativo. E, portanto, a sua palavra, a sua manifestação, o seu discurso, revelou exatamente essa integração que esperamos que seja cada vez mais produtiva na integração que você fará com o ministro Osmar Terra.

Quero saudar, também, a Cidinha Santos, a nossa querida senadora Marta Suplicy, que já tem trabalhos nessa área há muito tempo e que, portanto, poderá trazer uma experiência extraordinária para somar àquelas experiências já editadas e as outras que agora se verificarão.

O Romero Jucá, o Waldemir Moka, penso que mencionei todos os senadores.

Os deputados federais Alceu Moreira, Antonio Brito, Baleia Rossi, Bruna Furlan, Carmen Zanotto, Danilo Forte, Dulce Miranda, Eduardo Barbosa, Eros Biondini, Geovania de Sá, Hildo Rocha, Leandre, Lucio Vieira Lima, Manoel Junior, Márcio Marinho, Marinha Raupp, Mauro Pereira, Miguel Lombardi, Nelson Marquezelli, Soraya Santos, Valdir Colatto,

Assim como Marun, deputado Marun, sempre melhora, a Bruna Furlan já mencionei.

Sempre é bom ser esquecido porque quando lembrado, ganha realce. O Raul Henry, vice-governador de Pernambuco,

Cezar, do Espírito Santo,

Cida Borghetti, do Paraná,

A senhora Teresa Surita, prefeita de Boa Vista,

Enfim, secretários estaduais e municipais, gestores, profissionais de assistência social.

E aqui eu quero, muito rapidamente, dizer aos senhores e às senhoras, que o nosso país passa por importantes transformações. Há permanentemente, não é de hoje, muitas vezes se pensa que a palavra que se diz se refere apenas ao dia de hoje, mas o Brasil passa por extraordinárias modificações desde a criação do novo Estado brasileiro em 5 de outubro de 1988.

Aliás, muito a propósito, hoje fazemos 28 anos da nova Constituição brasileira. E, por ser democrática, merece o aplauso que espontaneamente se deu. E, portanto, essa Constituição faz com que o Estado, fez com que o Estado se modernizasse.

Convenhamos, nós avançamos muitíssimos, estou vendo aqui o senador Edison Lobão, a quem cumprimento, e portanto, reitero que a Constituição brasileira, e quero cumprimentar a senhor Osmar Terra. Porque vejo que, na verdade, o Osmar já trabalha nesse tópico há muito tempo. Mas, seguramente, Osmar, eu posso garantir que força motriz da sua belíssima atividade está na senhora Osmar Terra, que merece o aplauso.

Os senhores sabem todos, que nós temos, fazemos o possível ao longo do tempo e estamos fazendo agora para zelar pelo bem estar da nossa sociedade, especialmente pelos segmentos mais frágeis. Porque, convenhamos, os segmentos que já estão fortalecidos no Estado brasileiro demandam muito menos a presença do Estado do que os segmentos mais frágeis.

E, entre os segmentos mais frágeis inscrevem-se, sem dúvida aqueles, que estão na extrema pobreza e que são hoje, desfrutantes do Bolsa Família. Portanto, nós temos, ao longo do tempo, verificado que se trata de um Programa exitoso e que, exitoso como é, deve continuar a sê-lo.

Não vou usar nenhuma próclise, porque há pouco tempo escreveram que falo bem o português e criticaram. Então, eu não vou usar nenhuma próclise.

Mas esse Programa de muito êxito tem que ser preservado e incentivado. É interessante que, não apenas os adultos, é claro, que a destinação dos valores vai, até vai para a mãe, vai para a mulher. E, muito recentemente nós, tomamos a cautela, aliás, o gesto governamental muito adequado, que me foi trazido pelo Osmar Terra, de revalorizar o Bolsa Família, que não era revalorizado há mais de dois anos. Fizemos uma revalorização que produz, naturalmente, bons resultados. Mas vamos mais além.

O Criança Feliz visa, como puderam perceber, exatamente o amparo à criança e naquele período, não quero ser repetitivo, naquele período de formação da criança. Interessante, nos últimos tempos isto, penso eu, embora (...) na matéria, eu penso que de uns oito, dez anos para cá, que a ciência começou a perceber que é do zero aos três anos que se forma a personalidade do ser humano. Então, este cuidado é indispensável e por isto que o Criança Feliz, não é, visa exatamente a reforçar essa rede de proteção social, não com vistas apenas ao presente - ao presente eu diria estar presente o Bolsa Família - mas para o futuro, àqueles que vão dirigir o país no futuro, está  presente o Criança Feliz.

Então, por isto, nós estamos aplaudindo esse Programa, cumprimentando o Osmar Terra pela oportunidade de lançá-lo e ao lançá-lo revelar, e eu sei disso,  esse trabalho já foi  feito lá no Rio Grande do Sul, o Programa era secretário, e já em vários estados brasileiros, como se adiantou, está se verificando o Programa.

O que quer a União Federal, e esta é a nossa pretensão, é de alguma maneira sistematizar, coordenar todos esses trabalhos de modo que o Brasil unido, sociedade, governos estaduais, governos municipais e governo federal, possam trabalhar muito ativamente para o futuro do Brasil, pensando nas crianças que hoje tem de zero a três anos.

Mas nós sabemos que 20, 30 anos na vida de um país não é nada, de modo que nós começamos hoje, para engrandecer mais uma vez  o nosso país. Por isso que cuidar da criança de hoje, é cuidar dos homens e das mulheres de amanhã.

Aliás, como puderam perceber, a infância nos acompanha ao longo da vida. Quantas e quantas vezes convenhamos, os senhores e as senhoras tem um gesto na vida adulta que os reconduz a momentos da sua infância, não é?

Às vezes um perfume, um odor qualquer lembra sua infância, um gesto qualquer, um pensamento qualquer lembra a sua infância. A significar, portanto, que a infância é a marca mais evidente da formação da personalidade do homem e da mulher, que marca o nosso destino.

Esta, meus senhores e minhas senhoras, é a certeza que nos anima a levar adiante o Criança Feliz. Sejamos todos felizes.

 

Ouça a íntegra do discurso (11min27s) do senhor presidente