Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Discursos > Discursos do Presidente da República > Discurso do Presidente da República, Michel Temer, durante cerimônia de inauguração da Mostra “Brasilis a Brasília: Desenvolvimento, Liberdade e Patriotismo” - Palácio do Planalto

Discurso do Presidente da República, Michel Temer, durante cerimônia de inauguração da Mostra “Brasilis a Brasília: Desenvolvimento, Liberdade e Patriotismo” - Palácio do Planalto

por Portal Planalto publicado 10/05/2017 19h07, última modificação 10/05/2017 19h11

Brasília-DF, 10 de maio de 2017

 

 

Ministros Eliseu Padilha, Osmar Serraglio, Luizlinda Valois, Moreira Franco, Antônio Imbassahy, Sérgio Etchegoyen,

          Deputado federal Misael Varella,

          Senhores oficiais-generais,

          João Batista de Andrade, secretário-executivo do Ministério da Cultura,

          Senhora Márcia Rollemberg,

          Senhoras e senhores,

 

          Eu quero relatar, na verdade, o sentimento que me acometeu quando eu passei agora para examinar e conhecer os documentos históricos. Eu penso que logo após os senhores e as senhoras todas irão percorrer essa belíssima exposição.

          E eu, ao relatar-lhes o sentimento que tomou conta de mim no momento em que eu passava por lá, eu espero que os senhores e as senhoras tenham a mesma sensação. Lá, eu verifiquei o documento, por exemplo, a Constituição de 1824, eles terem o documento referente à assinatura da Lei Áurea, à assinatura da Lei do Ventre Livre, de 1871. Agora, 13 de maio, como lembra o João Batista de Andrade, nós temos a comemoração da libertação que se deu naquele momento.

          Mas é curioso. Eu tive - viu, João Batista? - no momento em que eu examinava o documento que cria o Banco do Brasil, Varella, em 1808, portanto, com a chegada de D. João VI ao Brasil. Enquanto eu passava os olhos por cada um desses documentos, como nós todos aqui já lemos muito sobre tudo da história do Brasil, eu cinematografava na minha mente cada uma dessas passagens. É como se eu estivesse voltando ao momento da promulgação da Constituição de 1824, ou como se estivesse ao lado da Princesa Isabel no momento da assinatura da Lei Áurea. Documentos importantíssimos que nos relembram a história do Brasil.

          E aqui registro mais um fato fundamental, importante, importantíssimo: é como é importante recuperar a nossa história, como é importante rememorar os fatos da história brasileira. Porque eles, na verdade, é que nos mobilizam. Muitas e muitas vezes nós nos perdemos no cotidiano da modernidade até, mas, na verdade, são os fatos históricos anteriores que nos mobilizam para, no presente, construir o futuro.

          Quando o Osmar Serraglio se manifesta, referentemente à economia do Brasil, que deve crescer, prosperar, com o apoio de todo o povo brasileiro, nós estamos nos pautando pelo passado, que, na verdade, desde os primeiros instantes se  buscou o progresso e o desenvolvimento do país.

E, mais ainda, procurou-se sempre uma pacificação na cordialidade extraordinária entre todos os brasileiros, ou seja, sem embargo de uma ou outra divergência que se verificasse ao longo do tempo e ao longo da história, a história brasileira sempre nos revela essa tentativa de uma união, de uma aliança, de uma solidariedade, de uma fraternidade mesma entre todos os brasileiros.

Por isso que eu estou tomando a liberdade de relatar o que eu senti no momento que presenciei aqueles documentos históricos. E por isto mesmo eu quero, até quero recordar um fato, muito interessante, eu, há tempos atrás, visitando Lisboa, quando ainda vivo o ex-ministro e ex-presidente Mário Soares, eu fui visitá-lo em seu instituto, e lá, logo na entrada, verifiquei um busto de um Tiradentes, que, naturalmente, foi perseguido pelo Estado português.

E perguntei a ele sobre aquela imagem logo na entrada do seu instituto. Ele disse: “Olha, eu quero recuperar e, digamos assim, rememorar um fato histórico, que não é precioso para Portugal, mas foi precioso para o Brasil. E, portanto, para manter a unidade Brasil-Portugal que é histórica, que é antiga, eu botei lá, o busto do Tiradentes, para recuperar a sua imagem perante o povo português”.

Veja, portanto, como é importante a recuperação da história, recuperação dos fatos históricos. E esta fala do ex-ministro, ex-presidente Mário Soares, já falecido, revela bem a importância da história para mobilizar as pessoas. Veja que ele colocava ali aquele busto do Tiradentes para recuperar a história e, portanto, fraternizar o povo português com o povo brasileiro.

Portanto, eu tive exatamente essa sensação e esta ideia de fazer, de realizar, essa exposição que seja, penso eu, deva ser visitada por muitos brasileiros, não apenas brasilienses, ela vai causar esta sensação de grandeza. Quer dizer, os atos nacionais foram atos grandiosos. Quem examina aquilo tudo não vê apenas como um documento, às vezes até de difícil leitura, mas vê como um fato histórico relevantíssimo que está sendo trazido à nossa memória para produzir o nosso presente e o nosso futuro.

Por isso, eu quero cumprimentar muito todos aqueles que se dedicaram a essa tarefa, o nosso Dr. Lessa, os institutos todos que cuidaram de também ceder esses documentos históricos para que nós pudéssemos, não apenas nos deliciar historicamente mas, ao examinarmos, verificar o que ainda podemos fazer pelo nosso país.

Muito obrigado aos senhores.

 

Ouça a íntegra (06min06s) do discurso do Presidente Temer