Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Discursos > Discursos do Presidente da República > Discurso do Presidente da República, Michel Temer, durante cerimônia de entrega da Ordem do Mérito Cultural 2016 – Dona Ivone Lara - Brasília/DF

Discurso do Presidente da República, Michel Temer, durante cerimônia de entrega da Ordem do Mérito Cultural 2016 – Dona Ivone Lara - Brasília/DF

por Portal Planalto publicado 07/11/2016 20h00, última modificação 23/12/2016 21h43

Palácio do Planalto, 07 de novembro de 2016

 

  

Meus amigos e minhas amigas,

            Eu confesso a vocês que o primeiro ato que eu devo praticar, precisamente em face da felicidade, da alegria que o Marcelo Calero trouxe hoje a Brasília e a este Palácio do Planalto, o primeiro ato que eu quero fazer é pedir aos senhores e às senhoras um aplauso ao nosso ministro da Cultura Marcelo Calero.

            Vocês viram, vocês viram que eu comecei bem, não é verdade? E até eu tenho aqui um discurso escrito, mas naturalmente não vou ler nada daquilo que está aqui. Porque é interessante como a energia que nasceu deste encontro, com essas músicas maravilhosas, com o samba extraordinário, com as homenagens, eu pude conhecer até pessoalmente algumas figuras a quem eu admirava há muito tempo, mas não tinha tido a oportunidade de apertar-lhes a mão, e hoje eu tive. Disse a vários deles exatamente isso. E especialmente conhecer e poder homenagear ou estar presente em uma homenagem a Dona Ivone Lara, que merece sempre mais um aplauso.

            E dizer aos senhores e às senhoras que este não é um momento para um discurso formal. Por isso não estou cumprimentando os nossos ministros, que estão todos aqui, a grande maioria. Eles vieram na verdade para o espetáculo, viu Marcelo, vieram assistir ao espetáculo, como veio a Marcela, minha mulher. Vieram assistir essas canções maravilhosas, esses gestos extraordinários.

        Portanto, eu me sinto assim, digamos assim, engrandecido pela circunstância de estar presente nesse momento. E se eu puder, digamos assim, anunciar, agora, já, um pouco mais formalmente alguma notícia boa, eu quero dizer, viu Calero, que nós todos estamos determinados, com você à frente, a construir uma política cultural muito sólida. É que aplauso deveria esperar um pouquinho, deveria aguardar essa frase. E a frase é a seguinte: para tanto, aumentamos em mais de 40% o orçamento destinado ao Ministério da Cultura em 2017.

           Esse Marcelo Calero tem uma força. Ele foi a todos os setores do governo e obteve - viu, Fafá de Belém? -, obteve exatamente essas verbas extraordinárias, num momento de arrocho, num momento de aperto, não é? Mas a cultura foi privilegiada neste momento.

            E quando nós pensamos naquilo que, sem dúvida, a cultura é o mais importante bem do povo brasileiro. É por meio dela que nós nos comunicamos. Veja a comunicação extraordinária que se deu aqui, entre todos nós. A alegria que, como acabei de mencionar, tomou conta deste plenário, deste auditório.

            E, para dar mais uma boa notícia - espero aplauso também -, porque nós vamos celebrar também o dia do cinema brasileiro, e eu gostaria de anunciar que, a pedido do Ministério da Cultura, mais uma vez, iremos renovar por mais cinco anos, até 2022, os benefícios da Lei do Audiovisual, garantindo que nossa produção siga seu caminho de sucesso.

            Portanto, senhores e senhoras homenageados, eu acho que é interessante, no Brasil nós temos um pouco a mania de esquecer as nossas tradições e não  recordar as nossas tradições e, especialmente, não homenagear aqueles que, nos vários setores, fazem a história do Brasil.

            Quando o Marcelo Calero veio me falar dessa medalha eu disse: “Olha, Marcelo” - você se lembra - “Olhe, Marcelo, nós vamos homenagear aqueles que fazem a história do samba brasileiro". E, até com muita alegria eu, no sábado que findou agora, no sábado passado, eu acabei de ler “A noite do meu bem”, do Ruy Castro, que traça uma história do samba brasileiro, não é? Então, foi uma coincidência muito feliz, uma coincidência quase cósmica, na medida em que eu vim aqui para ouvir essas canções maravilhosas, a começar pela Fafá e seguida por todos os cantores e também poder cumprimentar... No momento, vocês sabem, aqui, no Palácio, em Brasília, são sempre momentos de tensão. Hoje, Marcelo, você vai me proporcionar um sono tranquilo, porque eu estou inteiramente distensionado.

            Meus cumprimentos aos senhores.

 

Ouça a íntegra do discurso (05min16s) do presidente Michel Temer