Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Discursos > Discursos do Presidente da República > Discurso do senhor Presidente da República, Michel Temer, durante cerimônia de encerramento do Seminário Empresarial de Alto Nível Brasil-China - Xangai/China

Discurso do senhor Presidente da República, Michel Temer, durante cerimônia de encerramento do Seminário Empresarial de Alto Nível Brasil-China - Xangai/China

por Portal Planalto publicado 02/09/2016 10h30, última modificação 23/12/2016 21h43

 Xangai/China, 02 de setembro de 2016

 

Eu quero registrar que esta é a primeira missão internacional que conduzo desde que assumi, em caráter definitivo, a Presidência do Brasil. E fico muito feliz por isto. Porque a China é destino dos mais apropriados para o início desta nova jornada. Em minha experiência como co-presidente de nossa Comissão Sino-Brasileira, aprendi a admirar o povo chinês, seu engenho e sua cultura. Aprendi a apreciar a diversidade e a profundidade das relações entre o Brasil e a China. Sobretudo, aprendi que não há distância geográfica capaz de separar a amizade genuína. Assim me sinto sempre que aqui desembarco: precisamente entre amigos.

Os últimos cento e vinte dias, sabem todos, foram de transformações em nosso país. Mesmo em um de período de interinidade, pudemos avançar. As expectativas dos agentes econômicos melhoraram, a confiança foi restabelecida, os indicadores começam a se recuperar.

Confúcio, esse monumento de sabedoria que a China nos legou, escreveu que “o homem correto faz antes de falar – apenas depois, fala de acordo com aquilo que fez”. Sinto-me, senhoras e senhores, senhor prefeito, muito à vontade de lhes falar do futuro do Brasil, porque as bases desse futuro já foram lançadas. E foi isso, penso eu, que as senhoras e os senhores puderam testemunhar neste seminário.

O fundamento central do nosso governo é a responsabilidade. Responsabilidade fiscal, pois o gasto desmesurado penhora o futuro em troca de uma prosperidade efêmera e falsa. Responsabilidade, também, como puderam apreender das palavras do ministro Henrique Meirelles, na política monetária, que o controle da inflação é pressuposto do crescimento sustentado e do real progresso econômico e social.

Responsabilidade política, porque só avançaremos pelo diálogo e pela união em torno de objetivos claros, planejamento cuidadoso e metas precisas. Até é vero, ao senhor prefeito de Xangai e a todos empresários chineses, autoridades chinesas, que há pouco instantes fazíamos uma reunião com empresários brasileiros e dizíamos da necessidade inafastável de unirmos todos os esforços, ou seja, o poder público e a iniciativa privada brasileira, que aqui vem dar mostras da sua potencialidade, da sua capacidade extraordinária, bastando examinar os vários acordos que foram aqui assinados para revelar, em primeiro lugar, as potencialidades da economia brasileira. Mas, em segundo lugar, a ligação estreita que existe entre os interesses econômicos do Brasil e os interesses econômicos da China.

Portanto, nós temos feito, no Brasil, um esforço extraordinário para recuperarmos a confiança do brasileiro, recuperarmos a estabilidade política e estabelecermos uma segurança jurídica absoluta nos contratos firmados. Isto já vem se consolidando ao longo destes últimos tempos.

Na área de investimentos, o alicerce mais profundo de parcerias sólidas, sem dúvida, é a confiança. Essa mesma confiança, que deve presidir a relação de todos, é necessária na indústria. As histórias de sucesso que pudemos ouvir de investidores chineses no Brasil atestam o potencial da cooperação industrial. Ainda agora há pouco, senhor prefeito, eu recebia empresários chineses que fizeram, estão fazendo um grande investimento na área de energia do Brasil, particularmente na cidade e no estado de São Paulo, uma cidade irmã, uma cidade gêmea de Xangai.

No agronegócio, que também aqui há, muitos desfrutantes e apoiadores do agronegócio, as oportunidades entre Brasil e China são mútuas. Uma delas se destaca: expor o consumidor chinês ao padrão de excelência dos produtos agropecuários do Brasil. Padrões reconhecidos em todo o mundo, não só pela qualidade intrínseca dos nossos produtos mas, também, pelos rigorosos padrões sanitários a que são submetidos. Não à toa, até o início de agosto, as exportações mundiais do agronegócio brasileiro já superavam 50 bilhões de dólares.

No governo brasileiro, as senhoras e os senhores sempre encontrarão um aliado. Um aliado que compreende a importância do setor privado para a economia nacional. Um aliado que zela pela saúde financeira do país. Um aliado que compreende que o interesse público e o setor privado dependem de regras adequadas e previsíveis.

Bem sei, senhoras e senhores, que a crise econômica que começamos a superar não é menor. Ao contrário, foi nada menos do que a maior recessão econômica dos últimos tempos. Porém, também aqui a sabedoria confuciana nos oferece a melhor lição: “a glória não está em nunca cair, mas em sempre levantar”.

E eu quero dizer que o Brasil, nestes últimos tempos, levantou-se e superou toda e qualquer crise que se esboçava no horizonte. Portanto, foi isso que começamos a fazer: reerguer o Brasil, num processo pleno de oportunidades.

Por isso, que eu convido todos os investidores chineses a se unirem a nós na construção desse novo Brasil.

E senhor prefeito, senhoras e senhores, o ato de hoje é de fundamental importância para revelar a interação, integração, entre o Brasil e China de um lado; de outro lado, a confiança do empresariado chinês na economia brasileira; e, em terceiro lugar, o desejo extraordinário de todo empresariado brasileiro de fazer uma aliança muito sólida com a China e com os empresários chineses.

Esperamos que todos tenhamos, como tem a China, muito sucesso.

Muito obrigado aos senhores.

 Ouça a íntegra (08min04s) do discurso do presidente.