Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Discursos > Discursos do Presidente da República > Discurso do Presidente da República, Michel Temer, durante a segunda Sessão de Trabalho - Hamburgo/Alemanha

Discurso do Presidente da República, Michel Temer, durante a segunda Sessão de Trabalho - Hamburgo/Alemanha

por Portal Planalto publicado 07/07/2017 12h06, última modificação 07/07/2017 12h14

 

Hamburgo-Alemanha, 07 de julho de 2017

 

Senhora chanceler federal,

Senhores chefes de Estado e de governo,

Senhoras e senhores,

Quero iniciar referendando as palavras do presidente Macri sobre a Venezuela.

A sustentabilidade deve nortear todas as nossas políticas públicas em nível local, assim como todos os nossos debates em nível global.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável são conquista de todos nós, conquista que devemos defender em sua plenitude. No Brasil, temos feito a nossa parte. Criamos, no ano passado, comissão para assegurar a implementação dos ODS. E, ainda este mês, apresentaremos, nas Nações Unidas, o primeiro relatório voluntário sobre os progressos que temos feito.

Fundamental para o desenvolvimento sustentável é o combate à mudança do clima. Reafirmo o compromisso inequívoco do Brasil com o Acordo de Paris. O instrumento reflete amplo consenso da comunidade internacional quanto à necessidade de ações urgentes para garantirmos o futuro de nosso planeta.

Estou pessoalmente engajado na agenda de mudança do clima. Depositei o instrumento de ratificação do Acordo de Paris junto ao Secretário-Geral da ONU em setembro último – o Congresso brasileiro havia sido rápido na sua aprovação, sensível à prioridade que os brasileiros atribuem ao tema. No mês passado, o acordo foi transformado em lei no Brasil.

O Brasil assumiu meta ambiciosa. Nosso compromisso é, em 2025, ter reduzido as emissões de gases de efeito estufa em 37%.

Compromisso que levamos a sério e que se reflete, por exemplo, na proteção de nossas florestas. Determinei o aumento de recursos para o combate ao desmatamento na Amazônia, depois de anos de retrocesso, de desprestígio, de descaso orçamentário e político.

O combate sério à mudança climática só se dará com novas fontes de energia. A transição energética é urgente – e é urgente em todos os setores da economia. Poucos setores são tão decisivos para a redução de emissões quanto o de transportes. Aí, os biocombustíveis desempenham papel essencial – e o Brasil tem aporte importante a oferecer. Os biocombustíveis devem ter presença crescente na matriz energética mundial. A Plataforma para o Biofuturo, lançada no ano passado, muito contribuirá nessa direção.

Nesta hora, em que vemos testada nossa capacidade de agir coletivamente, a união de esforços entre os países do G20 é crucial.

Muito obrigado.