Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Releases > Presidenta Dilma participa de cerimônia em homenagem ao ex-presidente João Goulart

Presidenta Dilma participa de cerimônia em homenagem ao ex-presidente João Goulart

por Portal Planalto publicado 14/11/2013 10h35, última modificação 17/03/2014 17h13

 

A presidenta Dilma Rousseff participa, nesta quinta-feira (14), de solenidade de recepção dos restos mortais do ex-presidente João Goulart. A cerimônia está prevista para as 12 horas, na Base Aérea de Brasília, e deve contar com a presença de familiares de Jango, como João Goulart era conhecido. Durante a solenidade, o governo federal concederá as devidas honras de Chefe de Estado a João Goulart. Essa será uma forma de homenagear o ex-presidente que, na época, não contou com esse ritual concedido aos chefes da Nação.

Os restos mortais de João Goulart foram exumados em São Borja (RS) para serem submetidos a exames e perícias para constatar a causa da morte do ex-presidente. O processo de exumação teve início em 2007, por iniciativa de familiares. Com a instalação da Comissão Nacional da Verdade (CNV), em maio de 2012, foi criado um grupo de trabalho que vem coordenando as investigações em torno da morte de João Goulart. O trabalho é coordenado, de forma conjunta, pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e pela Comissão Nacional da Verdade (CNV). A parte técnica-científica do trabalho é coordenada pelo Departamento de Polícia Federal (DPF), por meio do Instituto Nacional de Criminalística (INC), acompanhado pelos familiares, peritos e observadores nacionais e internacionais.

Biografia - João Belchior Marques Goulart nasceu em 1º de março de 1919, em São Borja (RS). Popularmente conhecido como Jango, foi deputado estadual (RS), deputado federal, Secretário de Estado de Interior e Justiça (RS) e Ministro do Trabalho. Foi eleito duas vezes vice-presidente da República (1955 e 1960). Em agosto de 1961, Jango tornou-se Presidente da República, cargo que ocupou até 31 de março de 1964, data do golpe de Estado. Após ser deposto, refugiou-se em seu estado natal, Rio Grande do Sul, e depois partiu para o exílio no Uruguai e na Argentina. Jango é o único presidente brasileiro que morreu no exílio. O seu corpo está sepultado em São Borja (RS), na fronteira do Brasil com a Argentina.

 

Mais informações:
Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República
Assessoria de Comunicação Social – (61) 2025-7942
www.direitoshumanos.gov.br

 

 

 

 

registrado em: ,