Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Segunda intervenção da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante o fórum de mulheres líderes sobre igualdade de gênero e empoderamento das mulheres no desenvolvimento sustentável

Segunda intervenção da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante o fórum de mulheres líderes sobre igualdade de gênero e empoderamento das mulheres no desenvolvimento sustentável

por Portal do Planalto publicado 21/06/2012 14h26, última modificação 04/07/2014 20h11
Presidenta afirma que exercer o multilateralismo implica necessariamente em levar em consideração posições diversas

 

Rio de Janeiro-RJ, 21 de junho de 2012


Posso falar daqui?

Eu acho muito importante acentuar uma característica do encontro da Rio+20. O encontro da Rio+20 é um exercício do multilateralismo. O multilateralismo é algo que nós devemos dar muita ênfase, principalmente, quando nós sabemos o que havia no passado – um bilateralismo muito...

Não está sendo traduzido?

Alô. Eu estava aqui tentando expressar algumas ideias. E a primeira é sobre a importância do multilaterialismo. Nós... Continua não traduzindo? Continua?

Então, eu estou expressando a importância do multilateralismo como uma forma de relação entre os povos, as nações e os governos. Até porque, até recentemente, há duas décadas atrás, havia a prática do bilateralismo e havia a prática de posições hegemônicas. Exercer o multilateralismo implica necessariamente em levar em consideração posições diversas. Diversas de quais? Das minhas, ou da de cada um de nós.

Então, eu acho que nós merecemos dar os parabéns para a Michelle Bachelet, que conseguiu tirar um documento entre todos os países aqui representados. E se nem todas as minhas posições ou nem todas as posições de cada um dos aqui presentes não estão é porque, quando se tem relações multilaterais, há que respeitar a diversidade. E a diversidade implica em recuar um pouco e avançar outro pouco.

Então, eu cumprimento a Michelle Bachelet pela conquista que é ter um documento único, porque, muitas vezes no passado, eu estive em reuniões – e as lamento – em que não foi possível tirar sequer uma linha. Recentemente, por exemplo, na reunião de 2009, em Copenhague.

Não acho que isso – não tirar uma linha – significa avanço. Significa avanço quando a gente consegue ter pelo menos um padrão mínimo comum de uma posição construída por consenso.

Então, cumprimento muito a Michelle Bachelet por ter sido capaz de estabelecer um marco, a partir do qual nós iremos, certamente, avançar com a evolução histórica das posições, inclusive das nossas.

Muito obrigada.

 

Ouça a íntegra da segunda intervenção (03min25s) da Presidenta Dilma