Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Saudação da Presidenta da República, Dilma Rousseff, aos trabalhadores por ocasião da visita às obras do Projeto de Integração do Rio São Francisco - PISF - Barragem de Jati/CE

Saudação da Presidenta da República, Dilma Rousseff, aos trabalhadores por ocasião da visita às obras do Projeto de Integração do Rio São Francisco - PISF - Barragem de Jati/CE

por Portal Planalto publicado 13/05/2014 20h00, última modificação 04/07/2014 20h22

Barragem de Jati - CE, 13 de maio de 2014

 

Eu queria, mesmo a gente não tendo almoçado, desejar a vocês boa tarde.

Queria cumprimentar primeiro os trabalhadores e as trabalhadoras dessa obra.

Cumprimentar a cada um de você aí que participam desse esforço de garantir segurança hídrica, garantir água para cada uma das pessoas aqui do Nordeste, do Ceará, da Paraíba, de Pernambuco, do Rio Grande do Norte e dizer a vocês que hoje eu me sinto muito orgulhosa de estar aqui. Muito orgulhosa do trabalho de vocês.

Queria cumprimentar também esses moradores aqui de Jati tão simpáticos e acolhedores. Então, as minhas palavras é de uma grande saudação a cada um e a cada uma.

Quero cumprimentar esse grande parceiro, esse amigo que é o governador Cid Gomes.

Cumprimentar o vice-governador, Domingos Filho.

Dar um abraço e agradecer pela recepção a prefeita Neta, Maria de Jesus Nogueira. E por meio da Neta eu cumprimento cada um dos prefeitos aqui da região e das prefeitas também.

Cumprimento os ministros de estado que hoje me acompanham: o ministro da Integração, Francisco Teixeira, e o ministro Thomas Traumann, da Secretaria de Comunicação Social.

Um cumprimento especial a dois senadores, um do Ceará e outro da Paraíba, senador Inácio Arruda, aqui do Ceará; e o senador Vital do Rego, da Paraíba.

Cumprimentar também os deputados federais: o Aguinaldo Ribeiro, ex-ministro das Cidades; o Arnon Bezerra e o Wilson Filho.

Cumprimentar o ex-ministro da Integração e hoje Secretário da Saúde, Ciro Gomes. Que foi quem começou essa obra durante o governo do presidente Lula.

Cumprimentar também os deputados estaduais: doutor Wellington e Camilo Santana.

Agradecer a cada uma das empresas e os seus representantes que são responsáveis por essa obra.

Cumprimentar o Raimundo Peixoto que é o representante da Comissão Sindical dos Trabalhadores.

Cumprimentar os jornalistas, os fotógrafos e os cinegrafistas.

 

Bom, eu comecei falando que eu tinha muito orgulho de estar aqui, e eu tenho muito orgulho de estar aqui porque, vocês lembram - como disse a prefeita e como disse o governador -, que no passado, ninguém falava em investir em uma obra que ia mudar toda a situação aqui no Nordeste. Essa é uma obra que vai fazer isso. Eu hoje desci lá em Juazeiro, voei de helicóptero até São José das Piranhas, e depois de passar pelos dois túneis, aliás, por um túnel e ver o outro túnel, eu cheguei aqui em Jati. E quero dizer para vocês uma coisa: Primeiro, é uma mudança física, nós vamos ver, essa parte toda que eu sobrevoei, nós vamos vê-la cheia de água. Nós vamos vê-la de uma forma que vai nos orgulhar de ter participado disso. E, primeiro, tem essa mudança física, mas essa mudança da natureza, da geografia, do perfil, das cidades e da região, ela é mais importante ainda por outra razão. É porque vai mudar para nós, para os nossos filhos e para os nossos netos, a visão que nós vamos ter da vida aqui. Aqui nós vamos ter um local em que a água não faltará.

Eu estava vindo para cá e estava dizendo quais eram as vantagens do que nós estávamos fazendo. Falando em números, são dois canais, um que nós estamos, que é o Eixo Norte; e o outro, que é Eixo Leste. Mas, cada um deles tem um significado para a região. Agora, os dois significam a garantia de água para mais de 12 milhões de pessoas. Acredito que é bem mais de 12 milhões. Mas isso significa o quê? Significa primeiro, que o Nordeste está mudando, porque antes as pessoas passavam por aqui, passavam por essa região e eram retirantes que iriam para o Sudeste, o Sul do Brasil, em busca de melhores oportunidades, porque durante a seca aqui não tinha água.

Agora, com o trabalho que está sendo feito aqui, com o esforço de vocês, com o apoio de todos os moradores aqui da região, nós estamos fazendo uma obra; ela não só leva água, ela traz os nordestinos que saíram daqui de volta para suas terras. Quando a gente leva água para essa região, o que nós estamos garantindo é que seja possível conviver com a seca. Porque a seca vai acontecer, sempre acontece. O que nós temos de fazer? Nós temos de criar as condições para que quando ela chegar, nós estejamos mais fortes e possamos perfeitamente conviver com ela. Isso significa água permanentemente. Significa que os rios aqui da região, que são rios que uma parte do ano secam, que não são perenes, vão ser perenizados. Significa que as pessoas que não têm onde buscar água para beber, vão ter isso sistematicamente. Significa que nós vamos garantir que a criação, o gado, os bodes, enfim, todos os animais sobrevivam, mesmo em período de seca de forma sistemática.

E aí vamos pensar uma coisa: Por que isso não é possível? Lá no Norte do planeta não tem um inverno duríssimo? Tem. Todo ano aparece um inverno duríssimo que mata todas as plantações, acaba com todas as árvores. E eles sobrevivem perfeitamente. Muito mais nós que temos condições de fazer isso. Então, eu agradeço, por exemplo, ao governador Cid Gomes pelo Cinturão das Águas e pelo Eixão das Águas. O exemplo que os governadores e essa parceria que nós temos aqui com todos eles, em especial em cada um dos estados, mas no caso aqui dessa integração das bacias no São Francisco. O que elas vão permitir? O que tudo isso vai permitir? Vai permitir que nós consigamos passar por qualquer período de seca. Hoje, até como disse a prefeita, nós conseguimos. Se tem uma coisa que nós conseguimos, foi isso. De 2012 até agora, nós vivemos um dos piores períodos de seca da história aqui dessa região. E em muitos outros lugares do Brasil também.

Depois eu vou falar sobre isso, mas primeiro vamos só lembrar: Por que não teve saque? Por que não teve nenhum tipo de obra, aquelas de frentes de trabalho, que não levavam a nenhum ganho para população? Porque nós mudamos. Nós mudamos. E mudar é isso, mudar é mexer lá na raiz da coisa. Primeiro, mexemos em que raiz? Garantindo que as pessoas que estavam enfrentando a seca tivesse acesso, os agricultores tivessem acesso ao Bolsa Estiagem e ao Seguro Garantia Safra que permitiu que eles passassem pela seca sem passar a necessidade, aquela que era uma verdadeira, eu diria, tragédia para as pessoas e para as famílias, que era não ter recursos para comer, ou para superar o fato da seca ter comprometido a sua produção. Também o Bolsa Família nas cidades. Então, foi garantindo isso. Depois, nós - e acho isso muito importante -, fizemos a política em parceria aqui com o governo do Ceará, no caso do Ceará, que foi a construção das cisternas. As Cisternas, 750 mil cisternas, que nós vamos entregar até o final do ano, e as 580 mil que nós já entregamos vão se somar também com aquelas do governo do presidente Lula, que foram 300 mil. No final da história nós vamos ter 1,1 milhão de cisternas. E a cisterna é muito importante porque é uma forma de distribuir água, de democratizar o acesso da água para cada uma das famílias que moram na zona rural e nas cidades, na periferia de algumas cidades.

Aí eu quero dizer para vocês, também, que demos condições para o milho chegar aqui subsidiado, garantindo um preço especial para o Nordeste. Mas, sobretudo, eu acho importante que ao par disso, ao lado disso, junto com isso, nós estejamos fazendo essa obra. Porque essa obra... teve aqui essa discussão se é até 2045 ou 46 -, eu acho que é até 2046, viu Cid. Porque o seu irmão mais velho disse que até 2046, então vou ficar com 2046. Olha, vocês vejam o que é uma obra que vai garantir que o Nordeste tenha água até 2046. Mas a gente vai dar uma forcinha, vamos construir vários outros canais: o Canal das Vertentes Litorâneas, lá na Paraíba; o Canal do Sertão alagoano, em Alagoas; a Barragem do Feijão, aliás, Adutora do Feijão e a Adutora do Algodão, na Bahia. Enfim, nós vamos dar essa forcinha.

Mas eu acho que a gente tem de falar uma coisa aqui para dar orgulho para vocês aqui moradores da região e para todos os trabalhadores e trabalhadoras, muito orgulho. Vocês estão fazendo uma obra que mostra que houve aqui planejamento, que houve aqui uma coisa importantíssima: previsão. Que houve aqui um esforço da sociedade, porque aqui todo mundo está consciente que a água é fundamental. Ninguém aqui vai ser surpreendido pela seca. Algum líder aqui foi surpreendido pela seca? Não foi. Porque sabemos que aqui a seca ocorre. Vejam vocês que o Brasil está passando por um período de estiagem, e hoje, no Sudeste, nos estados mais ricos da Federação, especialmente em São Paulo, estamos enfrentando uma seca de todas as proporções.  Mas lá não tem uma obra dessa proporção para garantir a segurança hídrica.

Por isso, trabalhadores e trabalhadoras, queixo erguido, muito orgulho, porque vocês estão participando de um projeto revolucionário, inovador que vai mudar algo fundamental no Nordeste: é as condições para cada vez mais ele se desenvolver. Nós sabemos que muitos investimentos foram atraídos para cá. Nós sabemos que houve uma mudança, houve uma mudança nos últimos 12 anos, a partir do governo do presidente Lula aqui no Nordeste.

Não foi só os investimentos, mas as políticas sociais, o Minha Casa, Minha Vida, o fato de aumentar o número de universidades, o número de campus no interior, o fato da gente fazer escola técnica. E aí eu quero falar para os trabalhadores:  não parem de se capacitar, não parem de se qualificar. O Brasil, cada vez mais vai precisar de vocês, e hoje nós temos grátis cursos de formação profissional. Além disso, nós estamos hoje numa situação muito melhor do ponto de vista da situação do povo brasileiro há alguns anos atrás, há 10 anos trás. Hoje, uma parte importante do nosso povo se tornou de classe média. Outros tantos, que antes viviam na pobreza extrema, 36 milhões, saíram da pobreza extrema. Isso é muito importante para o país. Hoje, nós não temos arrocho salarial. O salário mínimo é sempre corrigido e valorizado. Hoje, nós temos uma política que olha não para uns poucos, para alguns, mas que olha para o todo da população. E se a gente ver, quando a gente ver que o esforço do nosso povo é capaz de construir uma obra do tamanho da Integração do São Francisco, olha gente, eu fico com muito orgulho.  Mas, mais do que o meu orgulho eu acho que cada um de vocês tem muito, tem de ter muito orgulho, porque eu tenho certeza que essa obra vai beneficiar, no seu percurso todo, em todo esse trecho que o governador mostrou aqui, pelo qual ela passa, eu acho que ela vai beneficiar também a família de alguns de vocês aqui, a família de muita gente que anda e vive nesse percurso.

Por isso, hoje é um grande dia, dia de Nossa Senhora de Fátima. Até a prefeita me presenteou com um terço. Eu agradeço o presente da prefeita. E quero dizer para vocês: é um dia abençoado de todas as formas. Abençoado pelo esforço e pelo trabalho de cada um aqui, de cada brasileiro e de cada brasileira, de cada cearense que está presente nessa cerimônia, e todos os outros brasileiros que estão aqui.

Por isso, força para todos vocês, parabéns para as pessoas aqui do Jati, parabéns para os trabalhadores, parabéns para as trabalhadoras, e o meu grande abraço para cada um e para cada uma. Agora vamos almoçar porque ninguém é de ferro. Um abraço.

 

Ouça a íntegra (19min35s) da saudação da presidenta Dilma Rousseff