Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso do Presidente da República em exercício, Michel Temer, durante cerimônia de inauguração da Fábrica Eldorado Brasil de Celulose

Discurso do Presidente da República em exercício, Michel Temer, durante cerimônia de inauguração da Fábrica Eldorado Brasil de Celulose

por Portal do Planalto publicado 12/12/2012 15h59, última modificação 04/07/2014 20h13

 

Três Lagoas-MS, 12 de dezembro de 2012


Olha, eu quero, na verdade, fazer uma breve saudação, mas, se me permitem, da maneira mais informal possível. E daí por que, embora eu tenha aqui uma relação das várias autoridades que estão no palco e no auditório, eu vou tomar a liberdade, André Puccinelli, de saudar a todos indistintamente.

E nesta informalidade, Joesley, eu quero começar dizendo que o Brasil deve muito ao Zé Mineiro e à família Batista, afinal, mais de 50 empresas no Brasil e no exterior revelam a capacidade extraordinária do nosso país e a confiança que inauguralmente o Zé Mineiro teve no nosso país. E por isso mesmo, com todas as homenagens a Minas Gerais, eu tomaria a liberdade de sugerir que a partir de hoje o Zé passe a ser o Zé Brasileiro e não apenas o Zé Mineiro.

Quero dizer também da oportunidade e da felicidade da denominação desta empresa, Zé Carlos. Ela tem o nome de Eldorado, e Eldorado, sabemos todos, é o El Dorado, aqueles que iam em procura do ouro, do dourado, não é. Esta é a lenda, as pessoas procuravam a prosperidade, prefeita, procuravam, ministra, o sucesso na busca do ouro, na busca do  progresso. Então, quando vocês dão o nome de Eldorado a esta empresa, vocês revelam, como revelou o discurso da prefeita, que este será o Eldorado brasileiro. De modo que esta oportunidade foi extraordinária, ao assim denominar a empresa.

Em terceiro lugar, também com a mesma informalidade, eu quero dizer que é interessante: muitas e muitas vezes nós lemos e ouvimos, nos últimos tempos, notícias um pouco pessimistas, em relação à economia brasileira, quando todos nós sabemos que os grandes males da economia se operam e se fazem em outros países, basta olhar alguns países da Europa, as crises mundiais que se operam em várias localidades do mundo.

E eu quero dizer que a inauguração de uma empresa deste porte, que é a maior empresa do mundo na matéria que vai cuidar, serve como contraponto ao pessimismo que de vez em quando eu vejo estampado por alguns da imprensa.

Portanto, não é sem razão que eu compareço aqui, interinamente como presidente, mas trazendo o abraço entusiasmado da presidente Dilma Rousseff, cujo governo, sabem todos vocês, tem procurado fazer o possível e o impossível para a prosperidade do nosso país. Convenhamos – permitam-me recordar, aproveitando a grandiosidade deste evento – convenhamos, há quanto e quanto tempo a iniciativa privada, o empresariado brasileiro, postulava a redução dos juros, os juros caíram e vêm caindo. Há quanto o empresariado brasileiro, a iniciativa privada, e empresários e trabalhadores, convenhamos, pleiteavam a redução dos valores da folha de trabalho, os encargos da folha de trabalho, os encargos reduzidos vieram.

Há quanto e quanto tempo se dizia, em campanhas até feitas pela Federação da Indústria do Estado de São Paulo, a redução das tarifas de energia, que para uma empresa – vocês aqui têm energia própria, são tão grandiosos que têm energia própria –, mas uma empresa de médio porte, certa e seguramente gasta 10, 15, 20 mil reais de energia por mês, se você tem uma redução de 20%, você tem 4 mil reais a menos. O pequeno habitante, de uma pequena residência, que gasta 80, 100 reais de energia, tem uma redução de 20 reais. Este somatório – eu estou apenas exemplificando – dos vários valores economizados nas residências, nas indústrias, nas empresas prestadoras de serviço, serão aplicadas em outras atividades, em outro consumo, em outras empresas que gerarão ainda mais a riqueza do nosso país.

Então, é interessante, quando eu vejo, vez ou outra, uma afirmação pessimista em relação ao Brasil, eu digo: mas que coisa estranha, nós temos é que ser otimistas, como é otimista a família Batista que, hoje, inaugura esta grande obra.

E por isso que eu tomo a liberdade de repetir que esta obra, esta inauguração é um contraponto a todo e qualquer pessimismo, afinal, ninguém investe bilhões, como aqui foram investidos, para ter prejuízo. Investe bilhões para ter muito lucro, e dá um lucro, digamos, material, mas dá um lucro também personal, pessoal, porque são milhares de empregos que são gerados, empregos diretos e indiretos, e eu vejo... Puccinelli, você que se emocionou tanto ao falar do seu Mato Grosso do Sul; a prefeita que, entusiasmadamente, verifica que Três Lagoas deu mais um passo no progresso – não é, vice-governadora Simone? –, mais um passo no seu progresso, você verifica que, na verdade, o que vocês estão fazendo é promover a prosperidade do estado e até, convenhamos, lá do meu estado –que eu verifiquei num breve relatório –, que a cidade de Andradina, que é no estado de São Paulo, fornece 30 milhões de mudas de eucalipto aqui para a empresa. Então vocês fazem prosperar, viu Puccinelli, não apenas o estado de Mato Grosso do Sul, mas uma parte do meu estado, que é o estado de São Paulo.

Por isso que é com muito entusiasmo, entusiasmo de ser brasileiro... e eu sou filho de estrangeiro, sou primeira geração, mas meus pais diziam: “Olhe, meu filho, o Brasil é o país onde se faz a América”. Fazer América, na expressão dele, era prosperar, era desenvolver-se. Isso eu ouvi desde menino e, ao longo do tempo, com todos os esforços que todos fizemos, nós... eu fui verificando que realmente o Brasil é onde se faz a América, é onde se prospera. Mas aqui, particularmente em Mato Grosso do Sul, em Três Lagoas, e perante a Eldorado, eu digo: esta é a prova concreta de que o Brasil não vai parar, de que o Brasil vai continuar a progredir.

Meus parabéns a vocês.

 

Ouça a íntegra do discurso (08min47s) do Presidente em exercício, Michel Temer