Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, lido no lançamento da Pedra Fundamental de Ampliação da Fibria Celulose S/A – Projeto Horizonte 2*- Três Lagoas/MS

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, lido no lançamento da Pedra Fundamental de Ampliação da Fibria Celulose S/A – Projeto Horizonte 2*- Três Lagoas/MS

por Portal Planalto publicado 30/10/2015 20h00, última modificação 30/10/2015 21h15

 

Três Lagoas, 30 de outubro de 2015.

 

Em 2009, quando a Fibria inaugurou sua unidade aqui em Três Lagoas, a primeira planta industrial de celulose a ser instalada no município, começava a ser escrita uma nova história de desenvolvimento da região. Em menos de uma década, Três Lagoas se transformou na capital mundial da celulose e cresceram as oportunidades de negócio e de emprego no município. Como costumávamos dizer, o progresso chegou.

Hoje, ao lançar a pedra fundamental da obra de ampliação daquela fábrica pioneira, participamos do início de mais um capítulo desta história de sucesso. Quando o projeto Horizonte 2 for inaugurado, a capacidade de produção de celulose da Fibria mais do que dobrará. Milhares de empregos serão gerados durante a construção e outros milhares na operação da unidade. O comércio e os serviços no município serão dinamizados, a arrecadação municipal irá crescer, ampliando a capacidade de prestar serviços públicos de qualidade para toda a população.

Por tudo isso, é uma grande satisfação participar desta cerimônia e parabenizar a Fibria por este investimento. Tenho um imenso orgulho por termos no Brasil uma empresa deste porte, produzindo riqueza, crescimento econômico, gerando empregos e garantindo preservação ambiental.

Um investimento da magnitude do que será feito no Projeto Horizonte 2 somente é realizado quando as perspectivas de rentabilidade e de crescimento são muito boas. Afinal, nenhum empresário investe se não tiver confiança de que obterá retorno dos recursos aplicados. Por isso, este investimento é, antes de tudo, expressão da confiança da Fibria em Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul e no Brasil.

Confiança no crescimento sustentável do Brasil, uma vez que a expansão desta unidade está assentada em boas práticas de manejo florestal e de geração de energia. Aliás, esse é o modelo que queremos para o Brasil, um país que tem fortalecido, nos últimos anos, seu compromisso com a preservação ambiental.

Em um momento de ajuste e de transição como o que vivemos atualmente, a expansão da fábrica da Fibria torna-se ainda mais relevante. Mostra que nossos empresários não se deixam levar por análises conjunturais pessimistas e não paralisam suas ações. Mostra que nossas empresas sabem que o Brasil retomará o caminho do desenvolvimento e que vale a pena investir nele.

Senhoras e senhores,

De nossa parte, estamos trabalhando intensamente para realizar os ajustes necessários ao estabelecimento de uma situação fiscal mais robusta e à redução da inflação. Não estamos, no entanto, prisioneiros da agenda de ajustes. Ao contrário, temos uma agenda consistente de estímulo ao investimento.

Por meio do BNDES e dos fundos de desenvolvimento, temos apoiado iniciativas como esta da Fibria, que queremos que se multipliquem e sejam vitoriosas. Aliás, aproveito para lembrar que, no Brasil, o BNDES tem papel decisivo na viabilização dos grandes investimentos privados de longo prazo, como a Fibria sabe muito bem, e o debate sobre as ações e os projetos que o banco apoia deve ocorrer com transparência e sem preconceitos ideológicos.

Temos uma agenda robusta de investimentos em infraestrutura de transporte, em parceria com o setor privado. Faz parte desta agenda a nova etapa do Programa de Investimentos em Logística que lançamos em junho. Falo de um conjunto de investimentos em rodovias, ferrovias, portos e aeroportos, que alcança R$ 198 bilhões, a serem realizados em parceria com o setor privado.

Estes investimentos permitirão agregar mais eficiência à nossa infraestrutura de transporte, aumentando a competitividade de nossa produção. Ao mesmo tempo, sua execução resultará em mais demanda para os setores produtivos, ajudando a dinamizar a economia.

Ao contrário do que muitos pessimistas querem fazer crer, a segunda etapa do PIL está avançando. No caso de rodovias, já autorizamos a elaboração de propostas de manifestação de interesse para 11 trechos, entre os quais  está o trecho da BR 262 entre Campo Grande e a divisa de Mato Grosso com São Paulo, passando por Três Lagoas.

Para que vocês tenham ideia do potencial deste trecho, há 29 propostas de manifestação de interesse autorizadas para este trecho da BR 262. Os estudos deverão ser entregues em 25 de janeiro do próximo ano, o que nos dá a confiança de que conseguiremos fazer a licitação em 2016.

Dois trechos da Ferrovia Norte-Sul incluídos no PIL são de especial interesse para Três Lagoas e região: o trecho de Anápolis, em Goiás, a Estrela d´Oeste, em São Paulo, cuja construção está em curso, e o trecho de Estela d´Oeste até aqui, em Três Lagoas. Também neste caso já avançamos, pois a PMI foi entregue em 30 de setembro e ainda neste ano faremos as audiências públicas, requisito para a licitação que acontecerá em 2016.

No caso de portos, autorizamos 9 Terminais de Uso Privado em 2015, chegando a um total de 47 autorizados desde a mudança na legislação, em 2013. Vamos realizar, em 09 de dezembro próximo, o primeiro leilão de arrendamento nos portos públicos de Santos e de Vila do Conde, no Pará, sendo que duas áreas em Santos serão para terminais para celulose.

Cito estes empreendimentos, que irão beneficiar diretamente Três Lagoas, para mostrar que não estamos parados. Ao contrário, com ações concretas, estamos enfrentando o desafio de mudar a qualidade e a integração de nossa logística de transporte, tão importante para a competitividade de nossas empresas e de nossa economia.

Senhoras e senhores,

A Fibria, por sua vocação exportadora, sabe que uma política bem estruturada de comércio exterior é fundamental para o crescimento e para a competitividade de qualquer País, e não é diferente para o Brasil.

Por isso, lançamos o Plano Nacional de Exportações, construído em estreita parceria com o setor produtivo. Ele mobiliza os instrumentos para apoiar a diversificação de nossa pauta de comércio exterior, diversificar os mercados de destino de nossos produtos e a origem das exportações, tanto em termos regionais quanto por tamanho de empresas.

O Governo tem papel importante a cumprir na abertura de novos mercados e não nos eximiremos de agir com esta finalidade. Estamos ampliando a proatividade de nossa política comercial, firmando novos acordos com países e regiões.

Nestes últimos meses, já começamos a agir para ter “mais Brasil no mundo”. Citaria, por exemplo, a renovação do acordo automotivo e a assinatura de um acordo de investimento com o México; o acordo de convergência regulatória e as tratativas para facilitação de comércio com os Estados Unidos. Estamos fazendo todos os esforços para que haja a troca de ofertas de acesso a mercados entre União Europeia e Mercosul.

Persistiremos trabalhando para criar um ambiente de negócios cada vez mais favorável para reproduzir, por todo o Brasil, empreendimentos tão bem sucedidos como os que temos aqui, em Três Lagoas. É assim que vamos voltar a crescer, a gerar emprego e renda e oportunidades para nossa população.

Confiem no Brasil e, principalmente, na força de cada um de vocês para superar essa fase. Celebremos com muita alegria o nascimento de mais este investimento. Porque o Brasil merece.

Muito obrigada.

*Discurso lido pela ministra da Agricultura, Kátia Abreu