Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, na cerimônia de lançamento da pedra fundamental do Estaleiro Rio Tietê

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, na cerimônia de lançamento da pedra fundamental do Estaleiro Rio Tietê

por Portal do Planalto publicado 13/09/2011 14h51, última modificação 04/07/2014 20h07
Presidenta Dilma fala sobre a importância da utilização dos rios para o desenvolvimento do país e destaca que com a construção de hidrovias, ferrovias e rodovias, o governo federal pretende reconstruir a matriz de transporte brasileira

Araçatuba-SP, 13 de setembro de 2011


Eu queira dar boa tarde, aqui, aos queridos companheiros, companheiras, amigos e amigas, mulheres e homens aqui de Araçatuba. Para mim, é uma honra estar aqui hoje e acho que é simbólico porque o Brasil não tem visto, muitas vezes, a valorização dos seus rios como estradas que levam ao desenvolvimento econômico e ao desenvolvimento social.

Por isso, eu queria cumprimentar também o governador de São Paulo, que é parceiro neste empreendimento, governador Geraldo Alckmin,

Queria cumprimentar o ministro Paulo Sérgio Passos, dos Transportes, e toda sua equipe; em especial o general Fraxe, presidente do DNIT, que nos acompanha neste evento,

A ministra Helena Chagas, da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República,

Queria cumprimentar também o deputado federal Mendes Thame,

O nosso querido prefeito de Araçatuba, o Cido Sério,

E ao abraçar o querido prefeito Cido Sério, eu cumprimento todos os prefeitos aqui da região,

Queria cumprimentar também um amigo, um companheiro de governo, ex-ministro da Previdência e atual secretário executivo do Ministério da Previdência Social, o nosso querido – e todo mundo sabe quão querido ele é –, nosso querido Gabas,

Queria cumprimentar também os deputados estaduais aqui presentes, o deputado Edinho Silva, Itamar Borges, Reinaldo Alguz e Sebastião Santos,

Queria cumprimentar também o vice-presidente da Caixa Econômica Estadual [Federal], o José Urbano Duarte,

Queria cumprimentar o Paulo Roberto Costa, que neste ato representa o presidente José Sergio Gabrielli, da Petrobras,

O presidente da Transpetro, Sérgio Machado,

O secretário estadual de Logística e Transportes do estado de São Paulo, Saulo Castro de Abreu. Em nome dele cumprimento toda a equipe do governador Alckmin na área de Transportes,

Queria cumprimentar também o diretor-presidente do Departamento Hidroviário do estado de São Paulo, Casemiro Tércio de Carvalho,

O acionista majoritário do Estaleiro Rio Tietê, Rodrigo Andrade,

O diretor Wilson Quintella, do Estaleiro Rio Tietê,

O presidente da Logum, Alberto Guimarães,

O presidente do Sindicato Nacional da Indústria da Construção Naval, Ariovaldo Rocha,

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Fluvial e Lacustre, Osmar da Silva,

O presidente da Associação Brasileira das Empresas do Setor Naval, Augusto Mendonça,

Dirigir um cumprimento especial aos senhores e às senhoras da imprensa aqui presentes, cinegrafistas e fotógrafos,

E, mais uma vez, cumprimentar cada um e cada uma que comparecem a este evento.

Eu considero que esta minha vinda aqui a Araçatuba é um momento especial. Eu vim aqui uma vez, no ano de 2010, para lançar este Estaleiro. Eu já vim duas, mas eu vim uma vez em 2010 para lançar o Estaleiro. E aí, naquela época, nós vínhamos em um grande esforço para que o Brasil recuperasse a sua capacidade de investir na indústria naval. Nós já tínhamos sido o segundo país em importância internacional, quando se tratava da indústria naval. Lá pelos anos 80, nós fomos o segundo país do mundo. E todas as decisões que explicam aquele momento difícil da vida brasileira, os anos 80 e os anos 90, fizeram com que o Brasil perdesse essa importância.

Por isso, quando eu estive aqui em 2010, nós estávamos dando um passo além. A gente não estava mais só preocupado com a indústria naval que iria fornecer equipamentos para a exploração do petróleo nos nossos mares, mas nós estávamos vendo uma outra questão estratégica importante, que era usar as nossas hidrovias e apostar que as riquezas que o Brasil produzia, como o etanol, por exemplo, podiam escoar pelos nossos rios.

Então, quando nós estivemos aqui e definimos que iríamos fazer um estaleiro, íamos produzir embarcações, nós iniciamos esse projeto que hoje culmina com este Estaleiro e as cem embarcações. Ele é muito importante, porque nós estamos abrindo um caminho novo. E quando a gente abre um caminho novo, a gente abre esse caminho aqui para a população do entorno de Araçatuba, para a população desses 2,4 mil quilômetros da hidrovia Tietê-Paraná. Mas a gente abre também um caminho para o Brasil, a gente mostra: “olha, é possível fazer isso, é possível utilizar os nossos rios para produzir, transportar e criar empregos em uma cadeia produtiva complexa, que vai da agricultura até o estaleiro”. E é isso que nós estamos fazendo aqui hoje.

E, hoje também, além do estaleiro e das cem embarcações, eu também comemoro uma nova parceria estratégica com o governo do estado de São Paulo, que tem um potencial imenso, que é o de revolucionar a matriz de transporte brasileiro.

Por décadas, a logística de transporte, ela esteve ancorada nas rodovias. As rodovias são importantes. Mas em um país continental elas não podem, não devem e não serão a única alternativa. Nós apostamos hoje em ferrovias. Mas este momento agora é de comemorar a entrada do país em uma atividade fundamental, que é a de construção de um transporte hidroviário – na verdade, multimodal: aqui vão se juntar ferrovias, rodovias e a hidrovia – para tornar o nosso país mais competitivo, para garantir que a gente possa competir internacionalmente, e também garantir que os nossos produtos escoem dentro do país; sejam produzidos aqui em Araçatuba e cheguem ao Brasil inteiro por um preço menor.

A Hidrovia Tietê, ela se insere na nossa estratégia de reconstruir a matriz de transporte brasileira. E ela é uma hidrovia menos poluente e mais barata. Além disso, ela é o empreendimento que, pelo porte dele, deve ser feito em parceria. E aqui nós mostramos a vantagem da adoção de um princípio republicano nas relações entre o governo federal e o governo do estado de São Paulo.

Eu cumprimento o governador Alckmin porque nós hoje, aqui, estamos ancorando a nossa parceria, que se expressou alguns dias atrás num cartão muito especial, que é o cartão do Bolsa Família, o cartão que garante a uma parte da nossa população a saída das condições de pobreza extrema, que nós fizemos em São Paulo, com o governo de São Paulo contribuindo para que se possa ampliar o Bolsa Família para as famílias que mais precisam aqui do estado.

Pois bem, nós completamos essa ação com uma outra parceria, que é esta construção de uma hidrovia navegável por 2 mil e 400 quilômetros. Hoje nós mostramos ao país que através dessa parceria, em que a União entra com [R$] 900 milhões e o estado entra com [R$] 600 [milhões], nós somos capazes de fazer um investimento que, nos próximos anos, vai resultar na expansão do trecho navegável, na melhoria de eclusas, na retificação de canais, enfim, na possibilidade de se utilizar o rio como forma de escoamento da nossa produção.

Além disso, esta Hidrovia permite que investimentos como este – investimentos privados como este do Estaleiro Rio Tietê – sejam feitos, e seja produzido aqui com conteúdo local, ou seja, diminuindo a parcela do componente importado e, portanto, produzindo aqui, com empregos brasileiros, embarcações que vão garantir que o rio possa ser utilizado.

Nós estamos aqui, então, num momento muito especial porque, de um lado, nós estamos fazendo uma nova política de valorização do rio e, portanto, da Hidrovia. De outro lado, nós estamos operando uma política industrial bem-sucedida que garante à indústria naval conteúdo local brasileiro e, portanto, empregos brasileiros. Mas também interiorizando a indústria naval, porque a indústria naval brasileira, é interessante que ela só vivia nas regiões banhadas pelo mar; e o que nós fazemos hoje também aqui é revolucionário: estamos localizando no interior do Brasil, à beira de um rio, uma indústria naval para fornecer para este rio.

Eu queria dizer para vocês que esta é uma estratégia muito bem-sucedida para aumentar e ampliar a força do nosso mercado interno. Queria lembrar que é esse mercado interno, deste país continental com 190 milhões de habitantes, que é a grande diferença do nosso país em relação a tantos outros.

Mas é, sobretudo, porque esse mercado interno está sendo cada dia mais valorizado, porque nós criamos um círculo virtuoso em que há crescimento econômico porque nós conseguimos que milhões e milhões de brasileiros saiam da pobreza e cheguem à classe média. É esse mercado interno que, nos últimos anos, a partir do governo do presidente Lula, elevou à classe média uma “Argentina”, no Brasil, porque nós elevamos à classe média 40 milhões de brasileiros e a população da Argentina deve estar em torno de uns 41, 42 milhões.

Acredito que a força disso está ancorada em obras como esta que nós estamos realizando aqui, porque aqui nós estamos criando empregos, aqui nós estamos criando oportunidades, não só os empregos diretamente aqui no Estaleiro, mas também imaginem tudo o que será escoado por esta Hidrovia, imaginem os benefícios para São Paulo, imaginem os benefícios para os outros estados da nossa Federação. Percebam como isso será importante para a indústria do etanol, e nós temos um quadro de uma ação que faz todo sentido.

Por isso, eu queria dizer a vocês que aqui, às margens do rio Tietê, nesta cidade de Araçatuba, nós também estamos dando um passo para tornar o nosso país, o nosso Brasil mais forte para enfrentar essa crise internacional pela qual nós não somos responsáveis, a qual nós temos todas as condições de enfrentar porque fazemos; enquanto eles discutem como é que fica a crise da dívida dos seus bancos, nós estamos aqui gastando o nosso dinheiro em parcerias público-privadas, em parcerias entre o governo federal e o governo estadual para criar desenvolvimento, emprego e renda para o nosso país.

E é isso que nos torna fortes, porque nós sabemos que a melhor forma de resistir à crise no Brasil é não ficar de braços cruzados, não nos atemorizarmos, mas continuar consumindo, produzindo, investindo em infraestrutura, assegurando... plantando e colhendo, e assegurando às nossas indústrias o seu componente nacional.

Eu queria dizer para vocês que eu fico muito feliz nesta viagem que eu estou fazendo a São Paulo. E fico muito feliz porque hoje nós estamos aqui no início da viagem, participando [do lançamento da pedra fundamental] de um estaleiro e do lançamento deste projeto de 1,5 bilhão aqui na Hidrovia do rio Tietê. Mas à tarde nós estaremos em São Paulo, fazendo uma nova parceria em uma área muito importante e, ao mesmo tempo, uma área para beneficiar o transporte urbano na cidade de São Paulo e o transporte de cargas do estado de São Paulo, que é o Rodoanel no trecho Norte, também uma parceria entre o governo federal e o governo do governador Alckmin.

Trabalhar aqui é um passo importante para Araçatuba, para toda a região, para São Paulo e para o Brasil. Eu agradeço a vocês, e desejo a todos nós muitos investimentos, muita geração de trabalho, muito desenvolvimento.

Queria dar uma palavra para o nosso querido Cido: Cido, de fato, uma das coisas mais bonitas que eu vi aqui hoje foram as crianças cantando essa música, sobretudo a linda voz da menininha que fazia, sozinha, o contraponto ao coro, com lindas vozes infantis que comoveram os nossos corações.

Então, parabéns para vocês!

 

Ouça a íntegra do discurso (20min19s) da Presidenta Dilma