Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, na cerimônia de emissão da ordem de serviço de início das obras de Urbanização Integrada da Bacia do Rio Camaçari

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, na cerimônia de emissão da ordem de serviço de início das obras de Urbanização Integrada da Bacia do Rio Camaçari

por Portal do Planalto publicado 30/01/2012 12h03, última modificação 04/07/2014 20h09
Presidenta Dilma discursa na cerimônia de emissão da ordem de serviço de início das obras de Urbanização Integrada da Bacia do Rio Camaçari

Camaçari-BA, 30 de janeiro de 2012


Eu queria cumprimentar cada um dos moradores de Camaçari e das moradoras de Camaçari aqui presentes. Eu me sinto muito feliz de estar aqui agora e de ter, antes da minha viagem a Cuba e ao Haiti, parado aqui, porque aqui eu tenho, primeiro, que saudar – antes de mais nada, antes de qualquer autoridade – saudar o povo baiano. Tanto pelo fato de o povo baiano ter sido essencial para a minha eleição a presidenta, como porque eu me sinto responsável por melhorar, por garantir oportunidades para todos os baianos e para todas as baianas. E aqui em Camaçari, aqui em Camaçari está uma parte essencial, não só da Bahia, mas também do futuro do Brasil.
Por isso, eu começo pedindo desculpa ao governador Jaques Wagner por mudar a ordem do protocolo. Agora, eu conheço o Jaques. Eu tenho certeza que também para o governador Jaques Wagner a Bahia e os baianos vêm em primeiro lugar. Tenho certeza que ele vai me desculpar.
E aí eu queria cumprimentar este grande amigo Jaques Wagner, governador da Bahia, com quem nós temos uma trajetória de amizade, mas também de defendermos um projeto comum, um projeto onde, no centro dele estão as pessoas e não as coisas; no centro dele está a garantia de que o meu país, o seu país, o nosso país será um país cada vez mais desenvolvido, onde as pessoas tenham oportunidades e onde todos nós tenhamos orgulho de viver.
Queria também cumprimentar aqui os ministros de Estado que me acompanham. Vou começar cumprimentando o ministro Mário Negromonte, das Cidades que, no meu governo, tem sido responsável pela política de urbanização de favelas, de habitação, saneamento e proteção de encostas.
Queria também cumprimentar o ministro do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence.
Queria cumprimentar a ministra Luiza Bairros, da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.
Em nome desses ministros, eu queria cumprimentar os demais ministros que me acompanham. Eu destaco esses ministros porque esses ministros têm tido um envolvimento com a Bahia. A Luiza, apesar de ser gaúcha, ela, na verdade, é uma baiana, é uma baiana, porque passou a maior parte da vida dela aqui na Bahia.
Queria cumprimentar também a senadora Lídice da Mata, os deputados federais, o Nelson Pellegrino, o Josias Gomes, o Emiliano, o Valmir Assunção.
E agora eu vou dirigir um cumprimento especial ao nosso prefeito aqui de Camaçari, prefeito Luiz Caetano, e à primeira-dama, a nossa companheira Luiza. Eu tenho, aqui, imenso prazer de ter passado pelo teatro aqui de Camaçari. Acho que o Prefeito fez aqui em Camaçari uma obra que mostra a sua consideração pela população de Camaçari. Quando eu cheguei, o Prefeito me disse: “Esta é uma obra de rico para todos os pobres de Camaçari”. E eu acho que essa fala do Prefeito é uma fala especial, porque ela mostra o espírito da coisa. Nós temos de fazer obras de rico para toda a população brasileira e não para uma parte dela, como foi no passado.
Queria cumprimentar o nosso presidente da Caixa Econômica Federal, o baiano Jorge Hereda, facilmente reconhecível pela sua careca. O presidente da empresa Cowan, Saulo Wanderley, os deputados estaduais e as deputadas estaduais aqui presentes, vereadoras, prefeitos e lideranças políticas, o Rui Costa, coordenador do PAC 2 em nível estadual, o Ademar Delgado, coordenador do PAC 2 aqui em Camaçari.
Queria cumprimentar os profissionais de imprensa aqui presentes: os jornalistas, os fotógrafos, e os cinegrafistas.
Meus queridos e minhas queridas, companheiras e companheiros aqui de Camaçari, amigos e amigas.
Para mim, sempre que eu venho entregar ou lançar uma obra do Minha Casa, Minha Vida ou uma obra do Minha Casa, Minha Vida que tem ligação com qualquer obra de retirada da população de área de risco é um extremo orgulho, porque eu acredito que, neste país, uma das coisas mais importantes que nós mudamos – e aí eu tenho certeza que todos nós vamos lembrar do início disso com o presidente Lula –, uma das coisas mais importantes que nós mudamos é justamente a política habitacional.
O Brasil passou mais de 20 anos sem ter uma política real, uma política de habitação, de garantia da casa própria para sua população, e isso mostrava justamente a pouca importância que lideranças políticas e governos deram a uma questão que é essencial. Um país só pode ser, de fato, um país desenvolvido, um país que pretende ser uma das potências do mundo se a sua população tiver condições de vida decentes e dignas. A casa é, talvez, a coisa mais importante para qualquer família. É onde se cria os filhos, é onde se recebe os amigos.
Por isso... sem dúvida. E neste país nós temos hoje oportunidades de emprego como jamais tivemos antes. A senhora tem toda a razão: e o emprego também.
Mas a casa – e aqui eu estou aqui para lançar um projeto que eu acho muito importante para Camaçari – a casa, ela tem um símbolo fundamental, que é a garantia de segurança, a garantia de proteção, a garantia de acolhimento para as nossas crianças, para nossos filhos, que são o futuro deste país.
Sem a garantia de habitação nós não temos uma política de distribuição de renda, e vocês sabem, a coisa que mais orgulha o meu projeto, o projeto do prefeito Caetano, o projeto do governador Jaques Wagner, é o fato de que os brasileiros e as brasileiras estão melhorando de vida. Mas melhorar de vida não é só – e é importante que tenha isso –, não é só melhor salário, não é só melhor distribuição da renda que a gente recebe, mas é também melhor oportunidade. Tem de ter acesso à moradia, tem de ter acesso à educação e tem de ter isto aqui do Prefeito: acesso à cultura.
Daí por que eu dirijo uma saudação especial e a minha homenagem àquela orquestra, que tem de ser um orgulho de Camaçari, que mostra que Camaçari é uma cidade que se preocupa também com a cultura. Ao ter aqui esta qualidade, eu vejo – ninguém me falou, mas eu vi –, tem ali uma piscina. Esta piscina também permite o acesso da população a esportes.
Assim, eu quero dizer para vocês o seguinte. Quando a gente tem de prevenir, através da regularização da ocupação do solo, que as chuvas façam com que as pessoas tenham seus bens ameaçados, porque não houve drenagem suficiente; quando a gente tenta – como aqui em Camaçari o Prefeito está fazendo – resolver o problema de forma global, significa que vai retirar a população da área de risco, mas é obrigado a dar uma moradia digna para esta população. Foram, são e serão milhares, milhões de pessoas no nosso país que vão ser beneficiadas com o Minha Casa, Minha Vida.
Eu quero assegurar a vocês uma outra questão. Vocês têm visto nos jornais, nas televisões, no rádio que o mundo está passando por uma crise. Hoje, no mundo, nós vemos países, até então desenvolvidos, serem países que lideram – que lideram – o campeonato de quem mais desemprega no mundo. O Brasil é diferente.
Nós estamos também aqui em Camaçari, porque aqui é um lugar onde a Bahia está crescendo. O município de Camaçari, que é um dos grandes municípios industriais do nosso país, um dos grandes municípios em que o serviço e o comércio crescem, gerando emprego para a nossa população, aqui também a construção civil está crescendo e empregando pessoas. Nós sabemos que isso é fundamental para o Brasil porque o nosso modelo é diferente dos outros modelos. Para nós, o Brasil vai crescer se as pessoas melhorarem de vida, porque hoje, para nós, quem é a grande força, a maior força que empurra o Brasil para a frente é o seu povo, porque são consumidores, trabalhadores, empresários. São aquelas pessoas que criam aquele ciclo muito bom, que uma coisa puxa a outra. Quem consome, ao mesmo tempo cria oportunidade e, com isso, a roda vai girando e o Brasil vai crescendo.
Mas, na verdade, quem está por trás disso tudo, quem merece a distribuição das riquezas deste país, porque é quem faz este país crescer e que pode e vai, e está transformando este país, são os brasileiros, as brasileiras e aqui, no caso, os baianos e as baianas.
Eu vim aqui hoje antes de ir a uma viagem internacional, também por outro motivo: porque, como presidenta dos brasileiros, eu devo a vocês, primeiro... Eu devo a vocês primeiro todo o meu esforço, toda a minha dedicação e todo o meu empenho. Para mim, é um prazer ter vindo aqui, e eu queria ainda hoje ter oportunidade de visitar o Museu da Ciência e Tecnologia, porque eu acho que este país também vai precisar deste Museu de Ciência e Tecnologia, porque nós vamos fazer duas coisas ao mesmo tempo: nós vamos combater a pobreza e nós vamos melhorar a saúde e a qualidade da educação.
Mas, também, nós queremos cientistas saídos do nosso povo que é capaz, que é criativo. Queremos cientistas para que este país seja também o país do conhecimento. Por isso eu fico muito feliz de estar aqui na Cidade do Saber, lançando este projeto do Minha Casa, Minha Vida.
O Governador, o Prefeito, o ministro Negromonte, os demais ministros, a Caixa Econômica estão de parabéns por este esforço que nos trouxe até aqui.
Um beijo no coração de cada um.

Ouça a íntegra do discurso (15min53s) da Presidenta Dilma