Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, na cerimônia de assinatura de ordens de serviço das obras e aquisição de equipamentos para a Adutora Padre Lira, e do projeto de irrigação no Assentamento de Marrecas/Jenipapo

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, na cerimônia de assinatura de ordens de serviço das obras e aquisição de equipamentos para a Adutora Padre Lira, e do projeto de irrigação no Assentamento de Marrecas/Jenipapo

por Portal do Planalto publicado 18/01/2013 14h02, última modificação 04/07/2014 20h14

 

São Julião-PI, 18 de janeiro de 2013

 

Eu vou começar quebrando o protocolo. Primeiro, eu vou cumprimentar os trabalhadores que participaram, e que participam ainda, da construção do Sistema Adutor de Piaus. Meus cumprimentos a eles, alguns deles estão aí, então meus cumprimentos e os agradecimentos. Nós sabemos que vocês, com a mão de vocês, constroem o Brasil.

Queria cumprimentar o senhor governador. Depois da declaração dele, eu não tenho outra saída a não ser dar um empurrãozinho nas novas obras. O governador Wilson Martins, de fato, tem sido um dos grandes parceiros do meu governo.

Queria cumprimentar os ministros que me acompanham aqui, nesta visita que eu faço, com muito, mas muito mesmo prazer e honra aqui ao Piauí. O ministro que vocês viram com essa voz, mas, sobretudo, com uma imensa capacidade de trabalho, o ministro Fernando Bezerra, da Integração Nacional,

O ministro Pepe Vargas, do Desenvolvimento Agrário, que cuida para que o Brasil tenha, de fato, uma parte da sua população rural cada vez mais desenvolvida que é a pequena propriedade, a pequena agricultura familiar, e também o ministro que cuida de todas as questões relativas à reforma agrária, ministro Pepe Vargas.

O ministro das Cidades, o ministro Aguinaldo Ribeiro. Hoje à tarde, nós iremos dar mais um passo neste programa que eu considero um dos melhores programas do governo, que é o Minha Casa, Minha Vida. Nós vamos lá em Teresina entregar chaves para as famílias que são beneficiárias do Minha Casa, Minha Vida. 

Aqui também me acompanham o general José Elito, que é do Gabinete de Segurança Institucional e que é responsável pela garantia de que este ato seja um ato em que todos vocês se sintam bem.

E a ministra Helena Chagas, da Comunicação, que é quem faz todo o diálogo do governo com a imprensa.

Eu queria também cumprimentar aqui um grande companheiro e um parceiro. Como ministra-chefe da Casa Civil do governo do presidente Lula, eu convivi com o senador Wellington Dias, então governador do estado do Piauí, e tenho um testemunho a dar da capacidade de trabalho do senador Wellington Dias, nesta questão crucial que é fazer o estado do Piauí se desenvolver.

Cumprimento também o deputado Assis Carvalho aqui presente.

Cumprimento o nosso presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Hereda.

O secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Piauí, nosso parceiro Dalton Macambira.

Cumprimento aqui os senhores prefeitos das cidades beneficiárias do Sistema Adutor de Piaus: o José Neci, aqui de São Julião; o Doutor Tico, de Campo Grande; o Eudes Agripino, de Fronteiras; o Arinaldo Leal, de Vila Nova.

Cumprimento também o diretor-geral do Instituto de Desenvolvimento do Piauí, outro grande parceiro nosso, o Elizeu Morais.

Cumprimento o diretor da Codevasf, José Augusto Carvalho Martins,

Cumprimento do diretor da Construtora Cassi, Carlos César Fernandes Diniz,

O Sérgio Roberto Matos Lemos, representante da Moderna Engenharia.

Queria dirigir um cumprimento especial aos senhores jornalistas, aos senhores fotógrafos e aos cinegrafistas aqui presentes.

Eu estava dizendo para vocês, no início, da honra que eu tenho de estar aqui no Piauí. Por que eu tenho honra de estar aqui no Piauí? Porque o Piauí demonstra, e demonstra de uma forma muito forte, que o Brasil mudou. E o Brasil mudou quando a gente olha e a gente vê as pessoas aqui do Piauí.

São pessoas - eu estava comentando com o governador - são pessoas bonitas. É... são pessoas bonitas. Quando as coisas melhoram e mudam, as pessoas ficam mais saudáveis, mais alegres.

O Piauí mudou também porque nós sabemos que, nos últimos dez anos, tem sido feito um grande esforço pelo desenvolvimento do Nordeste e do Piauí. Por isso, quando eu chego aqui, para olhar justamente o Sistema Adutor de Piaus, sabendo que o Sistema Adutor de Piaus vai levar água na torneira da casa das pessoas, eu tenho uma grande alegria, porque, no governo, algumas coisas falam na alma da gente. Uma delas é levar água para as pessoas, porque ninguém vive sem água. Outra foi ter ajudado e ter batalhado para levar luz elétrica na casa das pessoas.

Nós aqui hoje temos de comemorar, com muita força, esse trabalho conjunto que mobiliza o governo federal, o parceiro, o grande parceiro, o nosso governador Wilson, e o prefeito José Neci.

Nós temos certeza de que é uma questão, além de uma questão econômica, é uma questão, sobretudo, de humanidade modificar as condições de vida da população aqui no Nordeste.

Nós, de fato, enfrentamos hoje no Brasil, aqui no Nordeste, nos diferentes estados do Nordeste e, sobretudo, aqui no Piauí também – uma das mais graves secas da história. E duas coisas a gente tem de olhar para saber se enfrentamos bem, porque a seca, o homem e a mulher não controlam, mas o homem e a mulher, no seu esforço conjunto, podem impedir que os efeitos da seca sejam destruidores.

Destruidores do quê? De duas coisas: primeiro, quando se lutou, durante dez anos, para melhorar as condições de vida do povo do interior aqui do Nordeste, aqui do Piauí, quando se lutou para melhorar as condições de desenvolvimento econômico e se conquistou muita coisa. Quando a seca vem, ela vem e destrói. O que nós temos de fazer? Impedir que ela destrua. Dois: e impedir que as pessoas percam, percam alimento, percam condições de sobreviver e percam condições de futuro. 

O que nós, hoje, assinamos aqui é para impedir que as pessoas percam. Por isso que o governo, quando começou esse processo de seca, o governo criou, além do que já tinha, o Bolsa Família, nós criamos o Bolsa Estiagem e o Garantia Safra.

Com o programa Bolsa Estiagem e o Garantia Safra, a gente queria ter certeza de que as pessoas não passariam fome, não reduziram as suas condições de sobreviver, inclusive garantiriam uma sobrevivência a esse período, que nós sabemos que a seca vem, mas ela passa.

Segunda coisa, nós queríamos que também houvesse condições de sobrevivência das criações e por isso fizemos o programa do milho. Também fizemos toda uma linha de financiamento. E o que eu assinei aqui hoje permite mais meses para o recebimento tanto do Bolsa Estiagem quanto do programa Garantia Safra .

E nós vamos ficar de olho, e, enquanto tiver seca, esses programas vão existir. E isso significa também que nós queremos garantir que, depois da seca, melhore as condições e a gente possa voltar a apostar que nós vamos transformar, de fato, o Piauí, o interior do Piauí, em uma das regiões mais desenvolvidas do nosso país.

E eu queria contar uma coisa para vocês. Muita gente vai ao meu gabinete, muitos empresários, muitas associações, e sempre eu tenho ouvido uma fala: “Presidenta, o Brasil tem um novo... uma grande perspectiva. Presidenta, tem uma região do Brasil que vai ser uma das regiões mais ricas do Brasil. Presidenta, vamos cuidar, vamos cuidar, presidenta, do Mapito.”

Mapito, o que é o Mapito? É uma região que agrega o Maranhão, o Piauí e o Tocantins. Sabem onde é o Mapito, o Mapito é aqui.

Por isso, quando o Sistema Adutor de Piaus vai levar água de boa qualidade para os municípios de São Julião, de Fronteiras, de Pio IX, de Vila Nova do Piauí e Campo Grande do Piauí, a gente, de fato, comemora, mas a gente não descansa.

Nós vamos ter de fazer o Piau II. Nós vamos ter de fazer vários sistemas adutores para essa região desenvolver, para o Piauí desenvolver todo o potencial, nós temos de investir muito aqui. Nós temos de colocar, em parceria com o governador, com os prefeitos, nós temos de botar nossa capacidade de trabalho, dinheiro e essa determinação que o povo brasileiro tem de enfrentar as dificuldades, que as mães, que as mulheres e que os homens deste país têm. Essa teimosia de superar e conquistar aquilo que é melhor para todos nós.

Por isso, eu quero dizer para vocês que eu fico também muito feliz com a Adutora Padre Lira e com esse sistema de irrigação de Marrecas e Jenipapo. Mas eu sei que aqui nós estamos investindo muito.

Para vocês terem uma ideia, algo ocorre para além dessa seca e para além de todas essas medidas que nós temos tomado aqui, tanto contratando carros-pipa, com essa parceria que o Exército brasileiro nos ajuda, o governo do estado nos ajuda, e a gente, pegando junto, empurra o carro mais longe.

Eu quero destacar para vocês o tanto que nós hoje já estamos investindo aqui no Piauí. Nós, sem sombra de dúvida, vamos continuar, como eu disse para vocês, construindo cisterna, barreiras e poços, vamos trazer quantos carros-pipa foram necessários e vamos colocar, se for necessário, tanto de recurso para pagar Bolsa Estiagem, Garantia Safra e comprar milho.

E, por isso, eu assinei a medida provisória que faz isso valer a partir de hoje, mas é importantíssimo que aqui nós também saibamos que são investidos em adutoras, barragens, irrigação, prevenção e controle de desastres, só pelo Ministério da Integração, R$ 1,3 bilhão. Mas, no Saneamento do Ministério das Cidades, nós investimos mais R$ 470 milhões. Isso está em andamento, totalizando R$ 1,7 bilhão.

E o Piauí, por isso, para nós, nós sabemos que ele é melhor do que há uma década atrás. Nós sabemos que pelo esforço do ex-governador Wellington, agora pelo esforço do governador, meu parceiro Wilson, pelo meu esforço, pelo esforço do presidente Lula, nós mudamos um pouco toda essa desigualdade acumulada ao longo de anos e anos no nosso país, onde só crescia um pedaço do país, não era o país todo. Mas eu quero dizer para vocês que eu tenho o compromisso com todas essas conquistas que nós alcançamos, mas eu tenho também um compromisso de expandir o crescimento aqui da região.

Eu sei que o Piauí vai atrair investimento de todas as espécies, aqui nós vamos ter de apostar numa infraestrutura pesada de rodovia e ferrovia, nós vamos ter aqui empreendimentos industriais que até então não tinham vindo, porque aqui  é a nova fronteira do país. Essa região é a nova fronteira de crescimento do país, assim como o Centro Oeste foi anos atrás. Eu vou continuar essa parceria. Quero dizer para vocês que eu vou ter todo o empenho para que nós tenhamos projetos aqui que saiam do papel, que virem realidade, que tragam emprego, que tragam renda para o Piauí.

E aí eu quero dizer para o governador, na frente de todos vocês: governador, nós somos parceiros em todos os projetos que nós tirarmos do papel e tornarmos realidade. Eu tenho consciência, governador, e cada um de nós sabe disso, sozinhos nós vamos até um ponto. Agora, quando a gente pega juntos, de fato, nós vamos muito mais longe. E o que eu quero, governador, é ir muito mais longe aqui no Piauí. Pela importância que o Piauí tem para o Brasil, pela importância que o Piauí tem aqui na região do Nordeste e pela importância que o Piauí tem para cada um e para cada uma das mulheres e dos homens aqui presentes, que representam essa grande comunidade do povo do Piauí.

Para finalizar, eu queria dizer para vocês o que será 2013. 2013 vai ser o ano em que nós vamos colher muitas coisas que nós plantamos. Vai ser o ano em que nós vamos plantar ainda mais do que iremos colher, mas eu asseguro para vocês: 2013 será um ano em que nós teremos aquele crescimento sério, sustentável e sistemático. Ou seja, nós queremos crescer, mas queremos crescer garantindo também que não só seja a economia que cresça, sejam as obras, o cimento armado, as obras de estrutura metálica, enfim, sejam os edifícios que cresçam. Nós queremos que o povo brasileiro cresça, que o emprego cresça e, sobretudo, é uma coisa que eu quero dizer para vocês que também é um compromisso muito forte do meu governo, entre vários outros: eu quero que a educação de qualidade cresça no nosso país. Nós só seremos uma grande nação, só seremos uma grande nação se quem carregar o patrimônio de cada um de nós formos nós mesmos. É importante a casa? É importante. É importante o carro? É importante. Mas, sobretudo, é importante aquele patrimônio que você carrega aqui e aqui. E isso quem dá é a educação, dá para o país, dá para a família de cada um de nós e dá para cada uma das brasileiras e dos brasileiros que carregam esse patrimônio.

Por isso, eu quero dizer para vocês: tem um programa que eu tenho especial atenção, esse programa é o programa da Alfabetização na Idade Certa. Eu estou vendo aqui muitas companheiras mulheres, muitas mães, muitas professoras, e aí eu quero dizer uma coisa: nós só iremos pelo caminho certo se nós alfabetizarmos as nossas crianças na idade certa, se nós valorizarmos a professora alfabetizadora. Por isso, eu tenho proposto, todas as vezes que eu posso, que a maior riqueza que nós temos, a maior riqueza do nosso país, que é... a maior riqueza que eu estou dizendo “coisa”, porque a maior riqueza do Brasil é o povo brasileiro. Depois do povo brasileiro, entre as várias riquezas que esse país tem, uma baita agricultura, uma grande indústria e tem petróleo.

Por isso que eu digo, essa riqueza petróleo produz royalties, e ela produz dinheiro, Fundo Social. Para onde tem de ir esse dinheiro? Tem de ir para aquilo que garantirá num horizonte de 2020, de 2030, a nossa riqueza como nação, tem de ir para a educação. Tem de ir para melhorar a qualidade da educação, de garantir educação em tempo integral, de garantir que aqueles que queiram fazer universidade possam fazer, de garantir – como é o caso agora de um programa também que eu encerro dizendo que eu tenho imenso orgulho dele, que é o Ciência Sem Fronteiras. O que é o Ciência Sem Fronteiras? É pegar cem mil jovens brasileiros e colocar para que eles estudem nas melhores universidades do mundo. Depois, para que voltem ao Brasil e dêem a sua contribuição para cada um dos brasileiros, que é trazer conhecimento para nós. Por isso, eu quero dizer para vocês que junto da Adutora de Piaus, com tudo que nós vamos fazer aqui, com o Minha Casa Minha Vida, com o fato que nós temos de fazer prevenção de desastres naturais por causa das enchentes, que nós temos que fazer saneamento básico, nós temos esse grande desafio.

E aí eu falo para vocês, mães e pais de crianças que estão em idade de alfabetização, nós temos de garantir a base, é que nem construir uma casa, a gente tem que construir olhando muito pra o alicerce. Nós temos de dar certeza que uma criança de 8 anos no Brasil saiba ler um trecho simples, interpretar um texto simples, fazer as operações aritméticas simples, porque essa é a base sobre a qual você estrutura todo o resto do conhecimento.

Por isso, eu quero falar para vocês: o nosso país está no rumo certo. Os nosso problemas são os bons problemas. Problema ruim é droga, violência, esse é o problema ruim, mas esse nós também temos de enfrentar. E quero dizer para vocês, para não alongar muito o meu discurso: eu conto com cada um dos brasileiros e das brasileiras para que a gente, de fato, coloque o Brasil no rumo certo. E o rumo certo do Brasil é o rumo de cada um de vocês. Muito obrigada.

 

Ouça a íntegra do discurso (25min37s) da Presidenta Dilma.