Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante visita às obras e abertura ao tráfego da Pista Oeste do Corredor Via Mangue - Recife/PE

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante visita às obras e abertura ao tráfego da Pista Oeste do Corredor Via Mangue - Recife/PE

por Portal Planalto publicado 13/06/2014 17h11, última modificação 13/06/2014 17h13

Recife-PE, 13 de junho de 2014

 

 

Eu estava pensando que era o senhor, governador.

Primeiro eu quero cumprimentar... Eu vou olhar isso, tá? Pode deixar que eu vou olhar. Quero, primeiro, cumprimentar aqui os trabalhadores. Eu cheguei aqui e vi todos os trabalhadores que ainda estão aqui na obra, ali, e quero dizer que é um momento muito especial falar com vocês, porque os verdadeiros heróis dessa obra são os trabalhadores deste país, que constroem com as suas mãos.

E queria saudar também o governador de Pernambuco, João Lira Neto,

Cumprimentar o prefeito do Recife e senhora, Geraldo Júlio e Cristina Melo,

Cumprimentar os nossos ministros de estado: Gilberto Ochi, das Cidades; Henrique Paim, da Educação, Thomas Traumann, da Secretaria de Comunicação Social.

Cumprimentar os senadores Armando Monteiro e Humberto Costa.

Cumprimentar os deputados federais Fernando Ferro, João Paulo, Pedro Eugênio, Pastor Vilalba de Jesus, Luciana Santos.

Cumprimentar o senhor Fernando Queiroz Galvão, membro do Conselho de Administração da Queiroz Galvão e, em nome dele, eu cumprimento os empresários responsáveis pela obra.

Cumprimentar a imprensa: os senhores e senhoras jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas.

 

Hoje é um dia especial. De manhã eu estive, em Brasília, inaugurando um BRT de 42 km e hoje estou aqui, inaugurando a Via Mangue e essa maravilhosa ponte estaiada. Ambos, tanto o Corredor BRT, de Brasília, como a Via Mangue aqui, em Pernambuco, e essa ponte estaiada que, de fato, é uma obra de arte, elas fazem parte de um esforço do governo federal. Nunca antes o governo federal tinha investido em mobilidade urbana, vocês sabem por quê? Porque consideravam que mobilidade urbana não era função do governo federal. E daí, o que aconteceu nesse tempo todo? Aconteceu que não tinha obra de metrô, não tinha obra de mobilidade urbana, BRT, que é uma espécie de metrô sobre rodas, quando um caminho é exclusivo e o VLT, que é aquele Veículo Leve sobre Trilho. Isso não existia no Brasil na proporção que o país merece. Aí, houve uma decisão do final do governo do presidente Lula, no sentido de que a gente tinha, sim, de voltar a investir nas cidades brasileiras e no transporte urbano de massa. E aí, a partir daí começou toda essa questão da mobilidade urbana.

Quando eu fui eleita, continuando esse processo, nós destinamos 143 bilhões de reais, montamos uma carteira de 143 bilhões de reais. Uma parte era Orçamento-Geral da União, a outra parte era financiamento dos bancos públicos federais. E por que dos bancos públicos federais? Porque os bancos públicos, eles oferecem o dinheiro a 30 anos e a uma taxa de juros mínima em relação à taxa de mercado e com uma carência de cinco anos para pagar. Caso contrário, a conta não fecha. A conta não fecha porque os estados e as prefeituras sozinhos não têm recursos suficientes, em todo o Brasil, em todo, em qualquer estado do Brasil, incluindo São Paulo, que é o estado mais rico da Federação, a conta não fecha se o governo federal não entrar no jogo, e aí nós entramos no jogo. Porque em tempos de Copa a gente sabe que só um time ganha a partida. Ninguém individualmente ganha a partida, ninguém. Agora, o governo federal é o atacante porque entra com muito dinheiro, eu quero falar para vocês, não é pouco, não, e, no passado, não tinha isso, não. Ninguém, ninguém do governo federal colocou dinheiro em nove metrôs. Nós estamos colocando dinheiro em nove metrôs, uma quantidade grande de BRTs, quilômetros e quilômetros, e quilômetros e quilômetros de VLTs.

Então, eu chego aqui no Recife muito feliz porque o Corredor Via Mangue é um corredor que melhora o cotidiano da vida aqui na cidade do Recife, moderniza todo o transporte urbano de massa. Vocês olham que uma obra dessas, ela vai ter três características. A primeira e talvez a mais importante, é ganhar tempo. Ganhar tempo para quem? Para os trabalhadores, para as trabalhadoras, para as donas de casa, para as mães de família, para os pais de família, para os pequenos empresários, para os médios empresários, enfim, para todos os habitantes de uma cidade que preferem usar o transporte de massa ao invés de usar o transporte individual. Não tenho nada contra o transporte individual. Sei que, para muita gente, ter seu carro é um sonho e acho que se a gente melhorar o transporte público de massa, o que vai acontecer? As pessoas, nos dias de semana, vão preferir o transporte coletivo. E quando ela for passear e não tiver aquele sufoco para chegar no trabalho, na faculdade, na escola, enfim, na sua atividade pública, ela pode usar seu transporte privado. Agora, o transporte público, quem vive em grande cidade tem de compreender a importância do transporte público de massa. E é isso que nós estamos fazendo no Brasil. Aqui, eu acredito que a inauguração da Via Mangue, ela tem quase cinco quilômetros, é uma solução, eu sei, para o trânsito da zona sul, vai desengarrafar e vai também melhorar outras vias que eram congestionadas.

O ministro me disse que aqui nós vamos ter uma grande melhoria para as pessoas que moram em alguns bairros da cidade e utilizam a Via Mangue. Por quê? Porque é a segunda questão: vai levar, vai reduzir muito o tempo de viagem. Leva mais de uma hora para sair do centro para chegar no final da Boa Viagem ou em Piedade. Então, quando você reduz o tempo, você está ganhando vida, você reduz tempo para ganhar vida, vida com quem? Com a família, com os amigos, com os parentes, usufruir dessa relação afetiva que é aquilo que constitui a nossa vida.

Uma coisa muito importante, muito importante, é que nos garantimos, nós financiamos famílias e moradias através do Orçamento Geral da União, para as comunidades de Beira Rio, Jardim Beira Rio, Pantanal, Deus nos Acuda, também conhecido como Paraíso e Xuxa. Então, uma outra coisa foi que as pessoas que saíram daqui para a gente construir essa Via Mangue, elas tiveram um benefício, um benefício de ter a sua casa própria. Então, veja bem, você não prejudicou essas pessoas que moravam aqui, em habitações precárias, muitas vezes correndo riscos. É, querida, eu olho para você, pode deixar. Eu tenho certeza que o prefeito é uma pessoa sensível e vai atender a senhora, mas, de qualquer jeito, eu vou pedir para alguém da minha equipe, por favor, aqui, olha, vocês podiam, o pessoal, aí, da Secretaria Geral podia atendê-la. Vai lá.

Bom, outra coisa que eu acho importantíssima é que as famílias, essas famílias moravam em palafitas, gente, em palafitas. Então a melhoria vai ser significativa, tenho certeza que já foi. E a proteção dos mananciais porque essa é uma obra plenamente e ambientalmente correta. Então, por três razões eu fico muito feliz de estar aqui, de estar participando dessa inauguração e eu sei que nós temos uma quantidade imensa de obras em parceria, ora com o estado, ora com a prefeitura, espalhadas por todo o Recife e pelo estado de Pernambuco.

E aí eu queria dizer uma outra coisa para vocês. Eu vou sair daqui e vou lá no terminal Cosme e Damião. Esse terminal Cosme e Damião também foi feito em parceria com a prefeitura e o governo federal, o terminal do BRT, não o terminal do metrô. Nós vamos inaugurar, não é, prefeito, o terminal do BRT e é uma obra também que - eu vi as fotos - mostra uma qualidade que é muito importante, porque tem de ter um princípio nas obras que a gente faz para a população. Elas têm de ser de qualidade, elas têm de respeitar a nossa população e garantir que tudo que nós fazemos para ela seja da melhor qualidade possível.

Logo depois de eu ir lá no Cosme e Damião, eu vou fazer uma formatura do Pronatec, o Programa Nacional de Ensino Técnico, que é, eu acredito, um dos programas mais importantes do meu governo, porque é garantir para as pessoas, para qualquer brasileiro e qualquer brasileira, acesso à educação técnica, à educação profissionalizante, e a gente sabe que educação técnica e educação profissionalizante significa qualidade do emprego, significa mais renda, mais dinheiro no bolso, mais comida na mesa, mais oportunidade.

Então, nós vamos participar da formatura, gente, da formatura de 1.300 jovens - homens, mulheres adultos - que têm, que têm, com isso, uma grande oportunidade. Nós colocamos 14 bilhões de reais, fazemos uma boa parceria com o sistema S e os Institutos Federais de educação Tecnológica que são as nossas escolas técnicas. Eu não sei se vocês sabem, mas nós já estivemos proibidos de fazer escolas técnicas até 2005 quando o Lula mandou uma Lei, uma Lei acabando com a proibição porque era proibido que... Vejam bem vocês: era proibido que o governo federal construísse escola técnica. Então hoje não só nós expandimos as escolas técnicas por todo o Brasil, inclusive aqui em Pernambuco, Pernambuco foi muito beneficiado, mas também garantimos uma parceria com o que há de melhor em escola, em ensino técnico: Sistema S - Senai, Senac, Senat e Senar e os Institutos Federais de Educação.

Finalmente eu quero dizer que mais tarde eu estarei, junto com o presidente Lula, numa reunião e quero dizer que o presidente Lula é dos nordestinos-pernambucanos um dos mais ilustres, junto com tantos outros que nasceram aqui, poetas como João Cabral de Melo Neto, Gilberto Freire, Josué de Castro que é motivo de orgulho para todos vocês – motivo de muito orgulho. Então eu vou encerrar para poder cumprir essa agenda e estar certinha no meu compromisso lá com o Lula que é às 19 horas.

Agora antes disso, antes de beijar todo mundo e agradecer, vou dizer que vou passar ali, ó, vou passar. Mas vocês vão entender, você vão entender que é rapidinho. A gente tira um retrato, dá um beijo bem gostoso e, como vocês dizem, um cheiro - eu vou dar um cheiro.

 

Ouça a íntegra (13min59s) do discurso da Presidenta Dilma Rousseff