Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante recepção à Delegação Brasileira de WorldSkills 2015 - Brasília/DF

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante recepção à Delegação Brasileira de WorldSkills 2015 - Brasília/DF

por Portal planalto publicado 02/09/2015 15h35, última modificação 02/09/2015 15h41

Palácio do Planalto-DF, 02 de setembro de 2015

 

Eu queria cumprimentar todos os jovens que ganharam a WorldSkills. E, ao cumprimentar todos os jovens e as jovens, eu queria cumprimentar o Luís Carlos Sanchez Machado Júnior. O Luís Carlos falou uma coisa muito bonita para nós. Ele disse que o tamanho do nosso sucesso é medido, também, pelo tamanho do nosso esforço, que não existe nenhum sucesso que não implique uma grande força de vontade, uma grande determinação, e isso eu acho que é o que nós estamos celebrando aqui, agora: essa determinação de vocês, que conseguiram, com esforço, essas medalhas e esses prêmios.

Então, eu quero saudar os vencedores e também os competidores e todas as equipes técnicas da WorldSkills e dizer que, de fato, vocês são o exemplo para os jovens do nosso país. Portanto, meus parabéns para cada um de vocês.

Queria cumprimentar os ministros aqui presentes, cumprimentando o ministro Renato Janine Ribeiro, o ministro Armando Monteiro e o ministro Aloizio Mercadante. Em nome deles, cumprimento todos os ministros presentes.

Cumprimentar o Robson Braga de Andrade - que agora compete comigo na bicicleta. Uma bicicleta diferente, mas uma bicicleta -, presidente da CNI.

Cumprimentar, também, o nosso diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi, que tem sido, sem dúvida nenhuma, junto com o Robson e também com o Paulo Tigre, que eu cumprimentarei a seguir, um dos grandes defensores da educação e do ensino profissionalizante, o ensino técnico no nosso país.

Então, eu cumprimento, também, o Paulo Tigre, vice-presidente da CNI.

Cumprimento o Jamal Bittar, presidente da Federação das Indústrias do Distrito Federal.

Cumprimento os senhores jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas.

 

Eu acredito que um país como o Brasil, que tem o desafio de entrar no novo ciclo de crescimento, ele precisa -, esse país que é o nosso país, nosso querido país -, ele precisa muito de educação. Ele precisa de educação, da creche ao pós-graduação. Mas ele precisa, sobretudo, de educação técnica, tanto de nível médio, quanto de educação profissionalizante. E, por isso, eu fico muito feliz de estar aqui hoje. Porque essa é a coroação de um trabalho, um trabalho que eu vi o esforço sendo feito. No dia 3 de setembro do ano passado, de 2014, eu me encontrei com vocês em Belo Horizonte, durante a Olimpíada do Conhecimento. Ao visitar a área de competição, eu conversei com vocês e vi uma cena fantástica: o preparo, o trabalho, o esforço, eu presenciei todas as condições que estavam sendo dadas para que vocês chegassem na WorldSkills de 2015 e tivessem essa vitória extraordinária, essa vitória que encanta os nossos corações e que dá, para cada um de nós, um baita orgulho. Orgulho de vocês, orgulho de tudo que vocês ultrapassaram e de tudo que vocês conquistaram. E como vocês sabem, numa disputa, a qualidade do adversário é importante. Vocês disputaram com países que têm uma tradição na área do conhecimento técnico, na área da tecnologia. Vocês não fizeram uma disputa qualquer; vocês disputaram com os melhores. E, ao ganhar esse título de melhores, vocês nos enchem de orgulho e, sobretudo, mostram para o país a força e a capacidade da sua juventude. Um país que precisa tanto da inovação, da tecnologia, e, sobretudo, que precisa tanto do ensino técnico para aumentar a sua produtividade, para cada vez mais ser capaz de competir. Então, tenho certeza que esse primeiro lugar geral de 31 medalhistas e 27 medalhas, é algo que nós devemos comemorar.

E acredito, também, que nós temos que olhar a questão da formação técnico-profissional de um ângulo que é um ângulo estratégico para o país. O país tem que olhar o horizonte, tem que construir o seu presente e o seu futuro agora. Daí porque eu acredito, Robson, que a nossa parceria no Pronatec com a CNI, com também os demais representantes das outras confederações: a Confederação Nacional da Agricultura, a do Transporte, a dos Serviços, a Confederação, também, da Agricultura, todas elas, elas permitiram que nós tivéssemos sido bem sucedidos na implantação de um processo que eu considero um dos melhores processos, programas do Brasil, que  é o Pronatec.

O Pronatec ele só é viável nessa parceria. Uma parceria que envolve, de um lado, os Institutos Federais de Educação, de outro lado, todos os serviços da Indústria, Comércio, Serviços, Agricultura e Transporte. Nessa parceria, eu quero destacar o Senai, quero destacar sim o Senai, pela qualidade - e aí os três representantes em especial, o Lucchesi, aqui, estão de parabéns. O Senai no Pronatec tem sido, eu diria, um dos maiores sustentáculos. Se a gente considerar que 70% do Pronatec faz parte, nessa parceria do setor privado, dentro dos 70%, se eu não me engano, 40% foi Senai. Ou seja, 40% do que nós formamos no Pronatec, nós  formamos via o Senai. E aí, eu fico muito feliz, porque me disseram o seguinte: eu tenho aqui, além de falar da importância de todo o Pronatec nessa questão, eu tenho aqui que, na edição de 2015 do WorldSkills, 84% são ou foram alunos dessa parceria Senai, dessa parceria governo federal, dessa parceria Pronatec. E aí, para mim, isso é algo que só mostra que nós estamos no caminho certo. Caminho certo é o caminho da parceria governo federal e os Serviços da Indústria, do Comércio, da Agricultura e do Transporte.

Além disso, eu quero cumprimentar, de forma muito especial, e dizer para ele que foi, assim, comovente o depoimento dele: o Luís Carlos Sanchez Machado Júnior. Primeiro, pela imensa responsabilidade que ele demonstra com a sua família, consigo mesmo e, ao conseguir alcançar o prêmio que ele alcançou, - o prêmio Albert Vidal -, ele demonstra também que é algo que está nas mãos de todo mundo, ser capaz de aproveitar sua oportunidade com esforço próprio, fazendo todos os sacrifícios necessários, atingir o  seu sonho; atingir e superar seu desafio. Então, Luís Carlos, meus parabéns. Parabéns à sua família, parabéns ao seu pai, que segurou, como você disse, as pontas, enquanto você estudava. Meus parabéns!

Quero, também, falar de algo muito especial: falar do Thiago Costa, outro medalhista de ouro. Por que eu falo do Thiago Costa? Eu falo do Thiago Costa porque ele representa um Brasil que também dá certo. Ele é medalhista de ouro. O Thiago Costa tem uma família que é beneficiária do Bolsa Família. É para isso que o Bolsa Família serve: é para que jovens brasileiros tenham oportunidades. E o Thiago Costa honra todos os jovens brasileiros, todos, Thiago. Honra todos os jovens brasileiros - ele tá lá, tímido… não é você? Thiago, aparece Thiago. É outro exemplo importantíssimo para o país, que mostra que ele teve o respaldo familiar, também, teve o respaldo do Bolsa Família. E isso foi importante para que ele continuasse estudando. Eu tenho certeza que é para isso que o Bolsa Família serve, é para isso que essa renda serve.

Finalmente, eu quero dizer para vocês que cada centavo que o governo federal investiu no programa Pronatec, ele vale a pena e dá um imenso retorno ao nosso país, para todos os brasileiros. E, sobretudo, eles nos orgulham porque nós vemos que o que nós estamos fazendo é, justamente, construindo hoje o futuro do Brasil.

Além disso, eu considero importante destacar nesse momento que os competidores aqui demonstraram algo que é fundamental: organização, capacidade conjunta de trabalho e, sobretudo, dedicação. Acho que além de a gente aqui hoje estar enfatizando a importância da educação profissional,  porque um país como o nosso não pode achar que a coisa mais importante é a educação universitária para os jovens. Ela  é importante, ela é fundamental, mas esse caminho tem várias trilhas, tem várias  passagens. E nenhum país do mundo se transformou em uma grande economia sem a educação técnica profissionalizante. É impossível, impossível nós darmos esse passo.

Então, disso tudo, eu queria aqui reafirmar que esse caminho de oportunidades que o Pronatec abre, que o Senai abre, ele faz parte também de toda uma trajetória que nós queremos que os  jovens  percorram. Muitas vezes eles podem optar por um ensino tecnológico, daí a importância dos Institutos Federais de Formação Tecnológica. E para o Brasil, que é um país que tem necessidade agora que nós estamos mudando, o momento em que o ciclo de commodities foi alterado, enfim, em que o mundo está passando por uma transformação e nós também. Para nós, esse ensino técnico-profissionalizante, ele é uma das maiores alavancas do crescimento futuro.

Daí eu encerro cumprimentando, em nome de todos vocês… Qual é a moça que está aí? Estou te vendo, você podia levantar. Porque tem uma moça ali, tem outra moça ali… Eu quero só mostrar que tem uma porção de moças e quero também aplaudir. Por que eu estou aplaudindo as meninas? Já aplaudi os meninos. Por que estou aplaudindo as meninas? Porque nós mulheres temos que correr atrás também. E correr atrás significa participar do WorldSkills, ter o ganho que vocês tiveram. Então, parabéns para vocês também. Os meus parabéns.

E encerro cumprimentando aqui e agradecendo tanto o presente que vocês me deram... Podem ter certeza que eu vou vestir e vou sair com a minha bicicleta muito orgulhosa. Mas eu cumprimento, então, e agradeço ao Robson pela medalha, à CNI, pela medalha.

Quero dizer que nesse processo, acho que conseguimos muito. E eu queria aqui destacar duas iniciativas que fazem parte dessa visão de formação profissional, de inovação, de tecnologia que são os institutos do Senai. Os institutos tecnológicos e os institutos de inovação que nós temos orgulho de participar do financiamento.

Então, quero dizer que esse é o Brasil que vai para frente.

Muito obrigada.