Você está aqui: Página Inicial > Acompanhe o Planalto > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante jantar por ocasião da entrega do Prêmio por Serviço Público, oferecido pelo Instituto Woodrow Wilson

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante jantar por ocasião da entrega do Prêmio por Serviço Público, oferecido pelo Instituto Woodrow Wilson

por Portal do Planalto publicado 20/09/2011 09:55, última modificação 04/07/2014 20:07
Presidenta Dilma Rousseff recebe o Prêmio por Serviço Público, oferecido pelo Instituto Woodrow Wilson

Nova Iorque-EUA, 20 de setembro de 2011


Queria dirigir um cumprimento emocionado à senhora Jane Harman, presidenta do Woodrow Wilson Center, e dizer que, de fato, muito me emocionou esse retrospecto sobre a minha vida.

Queria agradecer também ao senhor Josué Gomes da Silva, presidente da Coteminas e ao senhor John Melo, presidente da Amyris.

Queria agradecer também a todos os que aqui prestigiam este encontro, este jantar.

Agradecer às senhoras e aos senhores empresários, acadêmicos, representantes do governo e da sociedade civil, brasileiros e americanos, que aqui se encontram hoje.

Cumprimentar os ministros e as ministras de Estado que me acompanham.

Cumprimentar cada um dos presentes, inclusive aos amigos, alguns dos quais eu tenho, nesta noite, o prazer de rever.

Quero dizer para vocês que eu recebo esta distinção em nome do povo brasileiro, verdadeiro agente dos avanços que meu país vem experimentando nesses últimos anos e responsável por eu estar aqui hoje.

Sem sombra de dúvida, eu tenho muita honra de ser – na cerimônia de amanhã da abertura do Debate Geral da 66ª Assembleia Geral da ONU – a primeira mulher a fazer uso da palavra naquela reunião, e acredito que naquele momento, também, eu represento a luta das mulheres de todo o mundo, tanto aquelas anônimas, como também as mulheres que chegaram a postos de liderança, a situações diferenciadas e que mostram que, sem dúvida nenhuma, este século XXI é o século das mulheres.

Eu queria agradecer a cada um de vocês e dizer que eu tenho muito orgulho do momento que o meu país vive, mas, ao mesmo tempo, muita preocupação com a situação do mundo.

Nós sabemos que o Brasil, nos anos recentes, obteve um incremento de sua renda média e uma forte redução da desigualdade social e, ao mesmo tempo, atingiu, nos últimos meses – para não dizer nos últimos dois anos – uma situação de quase pleno emprego.

Esse fato permite que eu externe, também, aqui a minha imensa preocupação com o que está ocorrendo nos países desenvolvidos no que se refere não só aos efeitos da crise econômica, mas também aos efeitos sobre a sociedade, principalmente aos efeitos que o desemprego produz.

Eu queria dizer que hoje o mundo passa por uma situação muito especial e que cada um de nós, mesmo países que, por características da sua trajetória, não são objetos, não estão inteiramente comprometidos e contagiados com a crise pela qual o mundo atravessa, principalmente o mundo desenvolvido, não podem ficar numa situação confortável e passiva, olhando os fatos acontecerem.

Por isso que a trajetória do meu país me é tão cara e acredito também que pode servir para dar uma contribuição nessa situação por que o mundo passa.

Nós fizemos um vasto programa de inclusão social, que trouxe para a classe média mais de 40 milhões de brasileiros, que trouxe para o poder de consumo, que trouxe para atividades... enquanto trabalhadores, enquanto empreendedores.

Nós sabemos que, mesmo assim, persistem grandes desafios que nós nos determinamos a enfrentar. Um desses desafios é consolidar o nosso mercado interno e assegurar que esse mercado interno se combine com a nossa situação no mundo, garantindo não só oportunidades de investimento para os brasileiros e para os demais países do mundo, mas também permitindo que esse grande mercado interno muitas vezes sirva de âncora para que nós enfrentemos os momentos mais turbulentos dos próximos anos e deste ano.

Quero dizer aos senhores que, além de ser uma questão moral, a luta contra a extrema pobreza tem grande significado econômico no meu país. É ela a responsável pela importância do Brasil como país emergente, porque um país emergente, com 190 milhões de consumidores, trabalhadores e empreendedores, é muito diferente de um país cortado e dividido pela desigualdade social.

Por isso, que quero dizer para vocês que um dos maiores desafios do meu governo é, de fato, reduzir a extrema pobreza, tratando de incorporar os restantes bilhões [milhões] de brasileiros e brasileiras que ainda vivem na extrema miséria para [a] uma situação de civilização, de consumo, de renda e de trabalho.

Nós, de fato, fomos um dos primeiros países a sair da primeira fase da crise, em 2008. Estamos, hoje, ainda mais preparados para enfrentar essa nova fase da crise internacional. Nossos fundamentos são sólidos; reservas internacionais aumentadas em relação ao que tínhamos anteriormente; bancos saudáveis; contas públicas ordenadas; uma relação de dívida sobre o Produto Interno Bruto muito baixa para os padrões internacionais; empresariado confiante; empresariado experiente; e um Estado que assumiu suas responsabilidades estratégicas para com a economia, sobretudo a garantia do controle da inflação e a garantia de um processo de crescimento e um processo de inclusão social no Brasil.

Nossa medida anticíclica mais eficaz foi, sem dúvida, a ampliação no nosso mercado interno por meio da inclusão, como eu já disse, de milhões de brasileiros.

Hoje o Brasil está adotando, também para fazer face à crise, uma ativa política de investimento e expansão da demanda, tanto por meio do investimento público, mas também, e sobretudo pelo que nos interessa, pelo investimento privado.

No que se refere ao investimento público, o Programa de Aceleração do Crescimento, os programas que levam em conta toda a sustentação do investimento privado no Brasil com desonerações, melhoria das condições de crédito, e também o nosso programa habitacional têm sido elementos fundamentais, não só de garantir o emprego, de garantir as nossas políticas sociais inclusivas, mas também de ser fortes elementos anticíclicos.

Considero que as políticas industriais que fortalecem a inovação, as desonerações fiscais a que eu já me referi, as políticas de capacitação profissional impulsionam hoje a transformação produtiva do meu país, contribuindo para enfrentar este mundo mais competitivo e as novas demandas sociais.

Mantemos uma matriz energética limpa, mantemos nossos compromissos, assumidos voluntariamente, em relação à questão da Conferência de Copenhague e da redução da emissão de gases de efeito estufa, e temos muito orgulho da nossa agricultura, produtora de alimentos, eficiente e de elevada competitividade. Temos também muito orgulho dos nossos programas de produção de energia limpa, baseada no etanol.

Senhoras e senhores,

Nós sabemos que a paz universal foi a causa a que o presidente Woodrow Wilson consagrou a sua vida. Em meio ao nacionalismo mais exacerbado da sua época, e que provocou a Primeira Guerra Mundial, ele não hesitou em defender o multilateralismo. Tinha convicção de que não haveria paz enquanto não se abolisse o uso da força entre as nações e se estabelecesse o diálogo.

Hoje, 92 anos após, a comunidade internacional encontra-se em encruzilhada distinta, mas igualmente grave. Não estão superadas as velhas ameaças que preocupavam Woodrow Wilson. Acirra-se hoje a corrida mundial por recursos e mercados sem que as guerras localizadas tenham sido abolidas.

O aquecimento global e a crise financeira, para serem enfrentados, vão exigir soluções mais interdependentes, coletivas, multilaterais. O mundo é, sem dúvida, hoje, muito mais complexo e multipolar. Os países em desenvolvimento emergem como fator positivo na economia global, mas eles também sofrem os efeitos de uma crise nascida da insensatez e da incapacidade política de comandar a economia.

Precisamos de iniciativas para reorientá-la rumo ao crescimento e redefinir o sistema financeiro global, de forma a assegurar maior estabilidade para todos os países do mundo.

No momento em que debatemos o clima, a política internacional e a economia do século XXI, fica patente a importância de dar continuidade às reformas dos organismos econômicos multilaterais, como o Fundo Monetário e o Banco Mundial, e a importância também da reforma da ONU.

Senhoras e senhores,

Sopram ventos de mudança na América Latina, em especial na América do Sul, que consolida sua democracia e sua soberania, que cresce e distribui renda.

Estamos forjando, por meio da Unasul, uma integração que reflete o potencial de uma região com vastos recursos energéticos, minerais, alimentares, de água e de biodiversidade; de uma região sem armas de destruição em massa, sem conflitos étnicos e sem nenhuma forma de violência armada.

Senhoras e senhores,

A eleição do presidente Obama aproximou ainda mais os Estados Unidos e o Brasil, duas democracias multiculturais e pluriétnicas. Concordamos em que o multilateralismo é fiador da paz, em que a justiça social é garantia da democracia. Temos muitos princípios em comum.

O Brasil, como vocês sabem, pratica uma diplomacia universalista. Aproximamo-nos da África, consolidamos a integração latinoamericana e fortalecemos laços de comércio e investimento com uma Ásia que cresce e é pujante. Forjamos coalizões em defesa de causas que projetam as convicções mais profundas do povo brasileiro no Ibas, nos Brics, no G-20, buscando alternativas para resolver uma crise de imprevisíveis consequências.

O Planeta, sem dúvida nenhuma, tem dificuldade de suportar as pressões de uma globalização que é... com efeitos muito fortes sobre o meio ambiente, sob o aspecto social e sob o aspecto econômico. Por isso, é muito importante para o Brasil sediar a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, porque isto significa – naquela conferência que é sobre economia verde, sobre economia sustentável, sobre meio ambiente e energia limpa –, significa colocar em perspectiva o próprio crescimento e a sustentabilidade.

Em todos esses temas, queremos os Estados Unidos como um dos interlocutores mais próximos. Hoje estivemos juntos na abertura de um encontro que eu considero muito importante e que é uma iniciativa conjunta – que começa com a sugestão do presidente Obama na Conferência, do ano passado, das Nações Unidas –, que é o governo aberto. É uma questão que diz respeito não apenas ao combate da corrupção, mas, sobretudo, à maior eficiência, ao melhor uso dos recursos públicos e à utilização da tecnologia em prol de um governo aberto, de um governo que permite aos seus cidadãos terem acesso a todas as informações e a controlarem também a qualidade dos serviços prestados por este governo aos seus cidadãos.

Senhoras e senhores,

A intensificação dos fluxos de comércio e de investimento entre o Brasil e os Estados Unidos mostra o quanto podemos realizar juntos. Os Estados Unidos são o principal investidor estrangeiro direto no Brasil, e o meu país se tornou importante investidor aqui nos Estados Unidos.

Nosso comércio bilateral ultrapassa os US$ 46 bilhões e nosso desafio é torná-lo mais equilibrado e permitir que as partes façam uma estrutura de ganha-ganha. Sem sombra de dúvida, o Brasil e os Estados Unidos, pelos seus princípios democráticos, podem e devem – nesta região e no resto do mundo – assumir parcerias como esta do governo aberto, que vão contribuir muito para o desenvolvimento, para uma melhor utilização dos recursos do Planeta.

Nós, Brasil e Estados Unidos, somos sociedades dinâmicas e empreendedoras, capazes, portanto, de forjar uma aliança em favor de um planeta mais próspero, mais comprometido com a energia limpa e com o desenvolvimento sustentável e democrático.

Woodrow Wilson nos deixou lições. Entre elas, eu queria destacar uma. Ele compreendeu que a ação política só é eficaz quando sustentada pelo idealismo, pelos ideais e pela capacidade dos homens e das mulheres de transformarem suas convicções em realidade, principalmente quando essa política está baseada e sustentada pelo idealismo de querer almejar um mundo melhor.

Construir essa aliança e essa ação é a melhor homenagem que nós, brasileiros e americanos, podemos prestar a Woodrow Wilson.

Muito obrigada.

Eu tenho muita honra, e agradeço o convite feito pela Jane Harman, de integrar o conselho de mulheres líderes do mundo. Muito obrigada pelo convite. Eu estou muito honrada de aceitar e de participar do Conselho.

Obrigada.

 

Ouça a íntegra do discurso (20min08s) da Presidenta Dilma