Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia nacional de premiação da 6ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP)

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia nacional de premiação da 6ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP)

por Portal do Planalto publicado 21/06/2011 09h56, última modificação 04/07/2014 20h06
Na ocasião estiveram presentes os 504 medalhistas de ouro da competição. A Olimpíada visa a estimular o estudo de Matemática para alunos e professores, contribuir para a melhoria da educação no país e identificar potenciais talentos entre os participantes

 

Rio de Janeiro-RJ, 21 de junho de 2011 

 

Eu queria, primeiro, cumprimentar cada aluna e cada aluno presentes aqui, nesta cerimônia, cada pai e cada mãe, e cumprimentar também os professores e as professoras. Porque esta Olimpíada de Matemática, ela traz muitos ensinamentos, um dos quais é a perseverança, o estudo, o esforço e, sobretudo, esse imenso e esse fantástico desafio humano, que é querer sempre conhecer, e conhecer mais. Então, eu saúdo cada um. E saúdo também, com muita emoção, todas as pessoas humanas que eu cumprimentei cada um aqui, e cada uma.

Queria, também, dirigir um cumprimento especial para o Pezão, Luiz Fernando Pezão, governador do Rio de Janeiro, meu caro amigo, que representa hoje o governador Sérgio Cabral.

Queria cumprimentar os ministros de Estado aqui presentes: o ministro Fernando Haddad, que é da Educação; o ministro Aloizio Mercadante, que é da Ciência e Tecnologia; o ministro Luiz Sérgio, da Pesca; e a ministra Helena Chagas, da Comunicação Social.

Dirigir um cumprimento muito especial para o nosso prefeito do Rio de Janeiro, e agradecer pela recepção, Eduardo Paes,

Ao professor César Camacho, diretor da Olimpíada de Matemática das Escolas Públicas e Diretor Geral do Instituto de Matemática Pura e Aplicada, eu dirijo um cumprimento todo especial, pelo fato de que nós tenhamos chegado até aqui. E, ao agradecer a ele, agradeço a todos os professores de Matemática envolvidos nesta fantástica cerimônia,

Queria também cumprimentar e agradecer ao professor Jacob Palis, presidente da Academia Brasileira de Ciências,

A professora Helena Nader, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência,

Queria cumprimentar também a professora Suely Druck, diretora da OBMEP 2010 e, ao cumprimentá-la, quero dirigir também a todos aqueles brasileiros e brasileiras que percebem a importância que a oportunidade tem na vida de cada um. Professora Suely Druck, nossos cumprimentos, agradecimentos e nosso orgulho,

Queria agradecer também aos senhores e senhoras jornalistas aqui presentes, aos cinegrafistas, aos fotógrafos, a todos que se encontram aqui nesta reunião.

Queria também dizer para vocês que hoje para mim é um dia de muito orgulho e alegria. Nós estamos aqui para celebrar o valor da Educação no processo de construção do nosso país. Estamos aqui também para prosseguir em uma jornada que começou muito tempo atrás e que agora está na sua sexta etapa, porque esta é a sexta Olimpíada. E, portanto, eu me sinto muito orgulhosa de, como Presidente da República, estar aqui pela primeira vez.

E acredito que nós estamos em um momento muito especial no Brasil, em que esta cerimônia, ela evidencia todo o potencial do nosso país no sentido de criar uma sociedade que tenha oportunidades muito fortes para os nossos jovens, homens e mulheres.

Eu acredito que o acesso à Educação produz uma revolução pacífica, produz uma revolução onde as armas são o compromisso dos educadores, dos diretores de escola, daqueles professores que aceitam o desafio de transmitir conhecimento para uma geração diferente da sua e, ao mesmo tempo, a arma também é a sede de conhecimento que, principalmente, a juventude tem diante do mundo.

Eu queria dizer para vocês que essa transformação ocorre por todas as comunidades do Brasil e aqui eu vi isso. Eu vi cidades, como evidenciou o professor, como Cocais [Cocal] dos Alves, mas também escolas e colégios que têm um desempenho extraordinário, como são os colégios militares, o Colégio Pedro II, escolas municipais, escolas estaduais, em pequenos e grandes centros.

Se o nosso objetivo é enfrentar e vencer a desigualdade social e econômica que resulta do fato de não haver oportunidades na vida, um dos principais caminhos se encontra aqui, e se encontra vindo de várias direções. Eu reafirmo aqui, nesta cerimônia, que o combate à miséria, a geração de empregos, o desenvolvimento tecnológico, a inovação são prioridades do meu governo, e que a condição para a realização dessas prioridades está em uma educação de qualidade.

Para essa educação de qualidade, nós temos também de reconhecer que a questão essencial é que todo jovem e toda jovem brasileira tem de ter domínio da linguagem, e tem de ter um imenso compromisso também com a Matemática. Nenhum de nós aqui pode desconhecer que a linguagem, o domínio do Português, e o domínio da Matemática são cruciais, são precondições para todos os outros conhecimentos. E por isso, eu queria, neste momento, destacar que o domínio da Matemática é essencial para o nosso país, para que o nosso país seja capaz de gerar conhecimento, inovar produzindo novas tecnologias, tornar-se apto para adentrar a economia do conhecimento. E por isso, nós temos de ter este compromisso, com a formação de estudantes na área de Ciências Exatas, na área da Matemática, da Engenharia, da Física, da Biologia e das Ciências Médicas, por exemplo. Isso significa que o Brasil, para trilhar um caminho que vai nos levar à superação da extrema pobreza, o Brasil precisa trilhar esse caminho simultaneamente com um grande objetivo que é fazer ciência, produzir tecnologia, e levar a inovação a todos e a todas as esferas e setores produtivos, as esferas de atividade humana.

Portanto, eu queria dizer o seguinte para vocês: vocês são o orgulho do nosso país – vocês que receberam medalhas de ouro, de prata, de bronze, vocês que foram classificados nesse processo de seleção duríssimo, que envolveu 20 milhões de brasileiros, o que também é um sinal extraordinário do nosso país, porque demonstra um interesse por essa disciplina que é essencial para o desenvolvimento, o que o Brasil não via nas décadas passadas. E que também é um sinal dos tempos o fato de que nós temos esse imenso orgulho de vocês. É fato que suas famílias, os seus professores, cada um de vocês também têm esse orgulho, mas é importante que vocês saibam que o Brasil se orgulha de vocês. Por que o Brasil se orgulha? Porque é precondição para o nosso país avançar em direção a ser um dos grandes países desenvolvidos dos próximos anos e das próximas décadas essa capacidade dos brasileiros e das brasileiras agregarem valor ao que produzirem. E agregar valor, no mundo de hoje, é agregar conhecimento, é agregar saber.

A Matemática talvez seja a ciência mais imprescindível para qualquer esfera do pensamento e da atividade humana, quando se trata de produzir inovações, quando se trata de criar e de produzir conhecimento na área de Ciências Básicas e também quando se trata de produzir tecnologia.

Eu perguntei para vários de vocês o que vocês vão fazer. Muitos me falaram Engenharia; outros me falaram: “vou ensinar Matemática”. Eu acredito que todos, tanto os que me falaram que iam fazer Engenharia quanto os que me disseram que iam fazer Matemática, eles são o futuro do nosso país, e também a construção do presente do nosso país.

E eu queria dizer que merecem nossos parabéns tanto aos 20 milhões que concorreram, como aos que são tetra ou penta medalhistas. Merecem o nosso cumprimento e a nossa imensa homenagem aqueles que foram selecionados neste certame, nesta 6ª Olimpíada, [assim] como os que foram selecionados nas anteriores, nas Olimpíadas passadas.

E eu tenho muito orgulho de ser Presidente de uma nação que conta com meninos e meninas, jovens, brasileiros e brasileiras tão determinados, tão aguerridos e com tanta força pessoal, principalmente, quando nós vemos histórias de superação tão grandes como as que aqui a gente presencia, superação de situações pessoais que são um exemplo para o Brasil.

Acredito que o nosso país precisa muito de bons exemplos porque sem eles as pessoas podem achar que a gente não tem de lutar, pode desistir, não precisa se empenhar. O que eu vi aqui hoje é uma manifestação, que não é de um indivíduo, mas é de um grupo imenso de jovens, no sentido de que é importantíssimo ousar, que é importantíssimo persistir e que nós vamos conseguir transformar o nosso país, se nós tivermos tanto empenho, tanta garra e tanta determinação.

Eu sei que é preciso esforço para que alguém consiga medalha de ouro na 6ª Olimpíada da Matemática e é muito importante que isso se espalhe por todos os rincões do país: Tocantins, Ceará, Acre, Amapá, todos os estados do Nordeste que aqui receberam medalha, as minhas Minas Gerais, o Rio Grande do Sul, o Paraná, o Rio de Janeiro, São Paulo, todas, Roraima, todos os estados, o Piauí. Todos os estados aqui presentes, eles mostram e demonstram a importância para o Brasil, que é que o nosso desenvolvimento seja feito sem concentração no que se refere às diferentes regiões do país, sem concentração no que se refere ao fato de que muitas pessoas aqui compartilham condições sociais as mais diferenciadas. E isso significa que este país só vai crescer se nós todos nos unirmos em direção a uma mesma ideia, a uma mesma concepção e a um sentimento comum.

Hoje, aqui, nós tivemos uma demonstração de valores que têm de ser importantes para o nosso país, porque um país não é feito só de realizações concretas, de pontes, de estradas, de ferrovias, de obras de energia elétrica e petróleo, não é feito pura e simplesmente disso. É feito disso, mas ele é feito também de valores. E, aqui, um dos valores mais importantes é o valor sagrado do conhecimento, da capacidade do ser humano de, a cada geração, ir além um pouco mais, assim como se faz no esporte. E quem é que pode ir além? Aqui estão meninos e meninas jovens, brasileiros e brasileiras, que podem ir além e que serão os instrumentos para que o Brasil vá além. E nós temos de ter clareza que o tamanho do nosso país tem toda a proporção a ver com o tamanho dos nossos sonhos, com o tamanho da nossa determinação.

E hoje eu tenho certeza de que, na área da Educação, nós assumimos um compromisso fundamental de governo, da pré-escola até a pós-graduação. Nós tivemos e temos projetos como o ProUni, e ele chegou a levar para a universidade, para as universidades privadas, pessoas que não tinham acesso às universidades privadas, como o financiamento do ensino superior e agora, também, do ensino técnico, para possibilitar que, com juros negativos, quem quiser estudar possa estudar, no Brasil. Mas, também, a ampliação das universidades, levando essas universidades, desde o governo do presidente Lula, e agora continuando no meu governo, para todo o interior do país.

E eu queria aproveitar esta oportunidade e dizer para vocês que nós lançaremos também um programa de bolsas de estudo. E, aqui, os selecionados para medalhas da Olimpíada de Matemática são os candidatos a essas bolsas, para além das bolsas já mencionadas pela OBMEP. O governo federal vai lançar um programa de 75 mil bolsas, selecionando as melhores universidades do mundo e garantindo, na área de Ciências Exatas e de Ciências Médicas, o acesso a estudantes, tanto na área de graduação, através das chamadas “bolsas-sanduíche”, como na área de pós-graduação, doutorado e pós-doutorado.

E nós estamos fazendo isso porque nós temos uma riqueza enorme. Essa riqueza se consubstancia aqui em vocês: é a nossa juventude, que nós queremos que tenha acesso, como vários países do mundo fazem, ao que há de melhor no conhecimento humano hoje. Daí porque essa seleção, ela é feita por mérito, por mérito. Nós selecionaremos pessoas como vocês, que chegaram aqui por mérito, para fazer esse programa.

E o ministro Haddad, e o ministro... O ministro Haddad, da Educação, e o ministro Mercadante, da Ciência e Tecnologia, têm o compromisso de começar essa seleção ainda para este semestre que vai se iniciar. Obviamente que nós começamos um pouco mais lento, mas trata-se não de qualquer universidade internacional. O que nós queremos – porque a gente, como eu disse, tem sempre de querer um pouco mais – é que as nossas bolsas estejam nos Estados Unidos, na Alemanha, na França, e porque não em países emergentes como a China, nas melhores e mais classificadas universidades do mundo.

Isso é um programa que tem a ver com o desenvolvimento do país. Ao mesmo tempo, nós somos um país que temos de ter consciência e cada um de vocês tem de ter esta consciência: de que ainda tem uma pobreza extrema neste país e que nós não podemos aceitar viver com ela.

O meu governo é um governo que olha toda essa complexidade do Brasil, faz um programa como o Brasil sem Miséria, cujo objetivo é tirar 16 milhões de brasileiros da pobreza, ou seja, aqueles que ganham até R$ 70,00 per capita, por pessoa, em uma família. E, ao mesmo tempo, tem de fazer um programa que visa selecionar o que há de melhor na sua juventude e utilizar a força do governo para financiar, pagando a estadia e a Bolsa Moradia, a entrada na universidade, para esses jovens nas melhores universidades do mundo.

Uma coisa não é contraditória à outra. O Brasil precisa que nós atuemos em todas as áreas, para aqueles que mais precisam e, ao mesmo tempo, para aqueles que serão, sem dúvida nenhuma, o nosso exemplo de oportunidades, porque o que nós queremos é uma sociedade que tenha oportunidades para todos e é isso que nós estamos construindo já.

Eu aproveito este momento para homenagear profundamente os professores e os diretores das escolas públicas brasileiras. Eu reitero o meu compromisso com a valorização do professor. Eu sei a importância do professor e de um diretor para que uma escola mude a sua atitude e construa a possibilidade de um aluno sair do rincão mais remoto do Brasil e chegar a ganhar a 6ª Olimpíada da Matemática.

Nós todos sabemos que os professores e os diretores das escolas públicas são pessoas que não estão sendo premiadas ostensivamente, mas, por trás de cada aluno, tem um professor, um diretor, uma professora ou uma diretora.

E eu queria também dizer que eu desejo toda a sorte para o André, para a Maria Clara e para o Henrique, os três pentacampeões que vão nos representar na Holanda. Desejo a eles toda a sorte possível, mas também toda a garra, o esforço e a dedicação necessários.

Nós aqui juntos temos, como eu disse, de pensar o Brasil de maneira muito ambiciosa. E uma parte da minha ambição e do meu orgulho como Presidenta está aqui.

Eu agradeço aos pais pelo seu apoio e pelo orgulho que a gente vê quando um dos meninos ou uma das meninas chega ali na fila e há aquela manifestação ali da plateia de cima, aquele calor. Eu fiquei imaginando o orgulho que eu teria de ter visto a minha filha aqui. De fato, eu compartilho com vocês essa sensação.

E também queria agradecer, aqui, os que trabalharam pelo sucesso dessa Olimpíada. Primeiro, o governador em exercício Luiz Fernando Pezão, que é responsável por essa maravilha de ter nos cedido... As escolas públicas de todo o país; as secretarias de Educação municipais e estaduais; o Ministério da Educação; da Ciência e Tecnologia. Quero dar as minhas felicitações, mais uma vez, aos realizadores da Olimpíada de Matemática: o Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada, o Impa, que sempre contou com o apoio da Sociedade Brasileira de Matemática.

Agradeço também aos medalhistas, porque os medalhistas são, de fato, os grandes merecedores dos nossos cumprimentos esta noite – pela garra, pelo esforço e pela energia!

 

Ouça na íntegra o discurso (25min59s) da Presidenta Dilma.