Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de lançamento do projeto do Centro Paraolímpico Brasileiro

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de lançamento do projeto do Centro Paraolímpico Brasileiro

por Portal do Planalto publicado 25/01/2013 17h14, última modificação 04/07/2014 20h14

 

São Paulo-SP, 25 de janeiro de 2013

 

Boa tarde a todos.

Eu queria, quebrando o protocolo, fazer um cumprimento especial às deputadas Mara Gabrilli e Célia Leão. E em nome delas eu cumprimento todos os atletas paraolímpicos.

Senhor vice-presidente da República, Michel Temer,

Governador de São Paulo, parceiro do governo federal, Geraldo Alckmin, e senhora Lu Alckmin,

Queria cumprimentar os ministros de Estado aqui presentes: Aldo Rebelo, do Esporte, que é o responsável pela política de esportes do governo federal; cumprimentar o ministro Aloizio Mercadante, da Educação; a ministra Marta Suplicy, da Cultura; o ministro Alexandre Padilha, da Saúde; general José Elito Carvalho Siqueira, do Gabinete de Segurança Institucional; e a ministra Helena Chagas, da Secretaria de Comunicação Social.

Dirigir um cumprimento especial e caloroso ao vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos,

Deputado Celso Giglio, presidente interino da Assembleia Legislativa de São Paulo,

Desembargador Ivan Sartori, presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo,

Senhor prefeito de São Paulo, meu querido Fernando Haddad, e minha querida Ana Estela Haddad. Acredito que é uma coincidência feliz que tanto Fernando Haddad quanto São Paulo façam aniversário no mesmo dia.

Senador Aloysio Nunes Ferreira,

Deputados federais Aline Corrêa, Gabriel Chalita, Paulo Maluf, Roberto de Lucena,

Senhor Jorge Hereda, presidente da Caixa Econômica Federal,

Senhor Mizael Conrado, presidente em exercício do Comitê Paraolímpico Brasileiro,

Senhor Ricardo Laser, secretário Nacional de Esportes de Alto Rendimento do Ministério do Esporte,

Senhora Linamara Rizzo Battistella, secretária de estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência,

Senhoras e senhores jornalistas,

Senhores fotógrafos e cinegrafistas,

Senhoras e senhores,

 

Eu estou muito feliz de estar aqui hoje, neste dia 25 de janeiro, em que se comemora os 459 anos da cidade de São Paulo. E eu queria fazer uma reflexão, que eu acredito que é muito importante para nós brasileiros: das grandes cidades brasileiras, a única que foi criada sem a ótica do comércio externo colonial foi São Paulo. São Paulo foi criada com o esforço de padres jesuítas, num local que não era de fácil acesso, que era o Planalto, e onde eram os índios brasileiros a população dominante. São Paulo faz parte da trajetória do Brasil de se erguer sobre seus próprios pés. Não que o comércio colonial tenha algum defeito ou algum pecado originário, mas pelo fato histórico fantástico de que foi através do esforço desta terra, deste povo que nós erguemos a maior cidade da América Latina, a maior cidade do Brasil.

Por isso, eu acho muito importante, sempre que eu venho a São Paulo, reconhecer que aqui é um local de trabalho, de esforço e de empreendedorismo. É uma região onde, sem acesso ao ouro, sem a cana-de-açúcar naquela época – hoje é diferente, eu estou vendo ali a Copersucar, com o Ermelindo, mas na época não tinha nem pau-brasil, nem açúcar –, se ergueu uma cidade através do esforço da nossa gente. Eu diria, através da garra da nossa gente. Por isso, para mim é simbólica São Paulo. São Paulo mostra que quando o Brasil se ergue sobre os seus próprios pés, se volta para si mesmo e também para os outros países do mundo, nós somos um país que faz acontecer.

E aí também é muito importante estar aqui hoje porque aqui nós estamos comemorando, mas, sobretudo, homenageando, e mais que homenageando, apoiando a persistência, a força de vontade e aquele movimento de autossuperação que um grande atleta olímpico ou paraolímpico tem de ter para poder conquistar e superar o desafio e chegar até o pódio.

Os nossos atletas paraolímpicos, eles nos orgulham, eles nos orgulham, e é fato que nós sabemos quanto mais há que ter em esforço e determinação em cada um deles para que eles ultrapassem todas as barreiras e tenham o desempenho que têm.

É para esses atletas que o Brasil devia a implantação de um Centro Paraolímpico, porque a palavra é “dever”. Nós devemos isso. Nós devemos esse apoio porque esse apoio é crucial para os atletas paraolímpicos de alto rendimento conquistarem mais vitórias; mais atletas paraolímpicos se transformarem em atletas de alto rendimento e, além disso, transformar tudo isso em conhecimento.

Eu tenho certeza, e todo mundo sabe que o primeiro objetivo deste Centro é a preparação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em [20]16, e esse objetivo é um objetivo nobre, um objetivo que tem por trás de si esse grande desafio que o Brasil terá em [20]16, em 2016, e, para ele, nós precisamos, sem sombra de dúvida, garantir instalações, equipamentos, treinadores que vão dar sustentação para que nós não só tenhamos, dentro das quadras, mas fora delas também tenhamos aquele desempenho que o Brasil quer ter.

Ele, portanto, é um projeto também de … no sentido de emitir, no sentido de projetar uma imagem do Brasil como um país que quer, sim, se transformar numa das grandes potências paraolímpicas do mundo. Este Centro é um centro de excelência, e ele vai abrigar, como foi dito, 14 modalidades paraolímpicas.

Nós viemos tendo desempenho nas Paraolímpiadas, excelentes desempenhos. Passamos do nono lugar, em Pequim, para o sétimo, em Londres, e um país tem de trabalhar com metas, tem de trabalhar com metas e com ambição. Por isso, querer um ótimo desempenho em 2016 tem de ser a ambição dos atletas paraolímpicos e dessa parceria, que eu considero uma parceria republicana e de alta qualidade, entre a União, o estado que lidera a construção desse equipamento e a prefeitura.

Nós sabemos também que determinados desafios a gente consegue responder melhor quando o fazemos em conjunto, o fazemos juntos. E esse é um desafio que nós, governo federal, o estado de São Paulo e a prefeitura de São Paulo, através do prefeito Fernando Haddad, juntamente com o Comitê Paraolímpico, nós estamos fazendo juntos. E estamos fazendo juntos para além do ano de 2016, nós queremos formar uma geração de atletas de alto rendimento. E isto tem ainda mais um objetivo fundamental, que é demonstrar que o nosso país é um país comprometido com o direito das pessoas com deficiência.

E eu tenho muito orgulho de um programa do governo federal, vi aqui a exposição da Secretária sobre o programa aqui de São Paulo, o programa do governo federal é o programa Viver sem Limites. Eu gosto muito do nome desse programa, porque o que nós queremos e o que eu acho que este centro demonstra também é isso: não só é necessário, mas é possível, é viável que qualquer brasileiro e brasileira viva, sem ter, entravando o seu pleno desenvolvimento, o pleno desenvolvimento do seu potencial, qualquer tipo de limite.

Por isso, eu considero muito importante o que nós estamos fazendo aqui. Além da criação dos centros, eu queria destacar o Plano Brasil Medalhas, que vai nos permitir investir R$ 1 bilhão adicionais ao investimento de R$ 1,5 bilhão que nós estamos prevendo até 2016, para preparar os nossos atletas para os jogos de 2016, sejam Olímpicos, sejam Paraolímpicos.

Com o Plano Brasil Medalhas, os 200 atletas olímpicos e paraolímpicos classificados entre os 20 melhores do mundo em suas modalidades vão receber apoio financeiro por meio da Bolsa-Pódio, uma das modalidades do Bolsa Atleta, e junto com isso é justamente a modernização e a construção de 22 centros de treinamento.

E hoje, com muito orgulho, eu participo aqui com o governador Geraldo Alckmin, deste lançamento do centro nacional e deste projeto que enfatiza os atletas paraolímpicos dentro da nossa agenda. Eu fico muito feliz porque um país como o nosso só terá a sua dimensão, de fato, projetada e reconhecida não apenas com valores econômicos, que são muito importantes também, mas nós temos de ter um valor moral, que é o valor da cidadania plena, das pessoas podendo e realizando plenamente seus potenciais.

E, ao mesmo tempo, a certeza da sociedade brasileira de que nós temos a obrigação – nós, agentes públicos – de sustentar que todos os brasileiros têm de ter acesso a oportunidades. E é isso que nós mostramos aqui e mostramos com grande sucesso, porque o sucesso dos nossos atletas paraolímpicos, do excelente desempenho que eles têm demonstrado nas Olimpíadas é, para nós, a afirmação de uma questão fundamental. Não só é possível, não só é necessário, não só é moralmente correto, mas aconteceu, e os atletas paraolímpicos, ao subirem no pódio, eles mostram que, com muito esforço e com determinação é possível vencer e chegar lá.

Por isso, eu tenho certeza que este é um momento especial. Eu não poderia deixar de vir aqui hoje e acho que foi uma escolha fantástica que isso se dê no dia do aniversário de São Paulo, que também é um estado que chegou lá, uma cidade que chegou lá com o seu esforço, com o esforço que se iniciou aqui com alguns portugueses e muitas famílias indígenas.

Obrigada.

 

Ouça a íntegra do discurso (15min57s) da Presidenta Dilma