Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de inauguração do Estádio Nacional Mané Garrincha

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de inauguração do Estádio Nacional Mané Garrincha

por Portal do Planalto publicado 18/05/2013 13h52, última modificação 04/07/2014 20h17

 

Brasília-DF, 18 de maio de 2013

 

Eu queria cumprimentar o nosso governador, Agnelo Queiroz, e a nossa primeira-dama, Ilza Queiroz. Hoje a festa é aqui da cidade e do Distrito Federal, da cidade de Brasília e do Distrito Federal. A festa é também dos trabalhadores e das trabalhadoras que construíram este estádio, a festa é da Marluce, engenheira, que representa o esforço do governo e o esforço de todos os governos na construção desse estádio e a festa é de todos nós, de cada um de nós.

Eu queria cumprimentar, então, as autoridades aqui presentes, cumprimentando o presidente do Senado Federal, Renan Calheiros; os embaixadores acreditados junto ao meu governo e aproveito para cumprimentar também o Roberto Azevêdo, que é o brasileiro eleito para a Organização Mundial do Comércio.

Cumprimento também os ministros de Estado que aqui me acompanham: Em especial, o nosso ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, que tem sido um lutador e que tem demonstrado a capacidade do Brasil de fazer todo o possível e Aldo também faz o impossível para que nós tenhamos uma Copa das Confederações, uma Copa do Mundo e uma Olimpíada absolutamente inesquecíveis no que se refere ao desempenho e também, sobretudo para nós, a nossa capacidade de receber, a nossa capacidade de acolher e de mostrar que somos capazes, mas eu vou voltar a isso depois.

Queria cumprimentar também o ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota; a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello; a ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior; o ministro interino da Aquicultura e Pesca, Átila Maia da Rocha; e a Helena Chagas, da Secretaria de Comunicação Social.

Dirigir um cumprimento especial ao nosso outro governador, responsável pela entrega do primeiro estádio, vamos lembrar bem, primeiro estádio em Fortaleza, o nosso governador Cid Gomes, governador do Ceará.

Cumprimentar o vice-governador do Distrito Federal, Tadeu Filippelli; cumprimentar o deputado Wasny de Roure, presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal; o senador pelo Distrito Federal Gim Argello; os deputados federais Domingos Dutra, Magela, Policarpo e Vitor Paulo; o coordenador do grupo executivo do governo federal para a Copa do Mundo da Fifa Brasil 2014, Luis Fernandes; o chefe executivo do Comitê Organizador local da Copa, Ricardo Tradi; o embaixador – eu já cumprimentei – Roberto Azevêdo, mais uma vez.

Eu queria dirigir um cumprimento especial, em nome de quem eu vou cumprimentar todos os secretários, ao nosso Berg, Berg Barbosa, não vou falar Swedenberger, em nome de quem eu vou cumprimentar todos os demais secretários e secretárias do Distrito Federal.

Cumprimentar os senhores empresários, que contribuíram e que também são os homenageados dessa festa: o consórcio integrado pela Via e pela Andrade Gutierrez. Queria também cumprimentar os trabalhadores que construíram a capacidade que o Brasil tem nas últimas, nos últimos eventos que eu participei: de Fortaleza, cumprimentar aqueles trabalhadores e em nome deles eu cumprimento todos os trabalhadores lá do Ceará; os de Minas Gerais, do governador Anastasia, que entregaram... Os trabalhadores também que na Bahia entregaram a Fonte Nova; os trabalhadores que fizeram o Maracanã; os trabalhadores que estão fazendo agora o Mané Garrincha. São os trabalhadores desse país que participam nesse imenso esforço que vai ser receber agora em junho a Copa das Confederações.

Cumprimentar também os jornalistas, os fotógrafos e os cinegrafistas.

 

Eu primeiro começo voltando a um tema, ao tema que vocês estão lembrados que há um ano e meio atrás, mais ou menos, ou até um ano atrás, diziam que nós não iríamos construir os estádios, que eles não ficariam prontos. Pois o que nós estamos vendo são estádios construídos e sendo entregues. E não são quaisquer estádios. Ao dizer da beleza desse Estádio Mané Garrincha, eu queria dizer para vocês que em todos eles me deu extremo orgulho de notar primeiro a qualidade das instalações, a modernidade das instalações, o critério de fazer construções sólidas, mas simples, e ao mesmo tempo belas. Isto é algo que é uma demonstração da capacidade de nós brasileiros, juntos, realizarmos aquilo que muitos pessimistas de plantão dizem sempre que nós não somos capazes.

Por isso, a gente vai acumulando, a gente vai acumulando vitórias. Começamos lá em Fortaleza e agora já estamos em Brasília e segunda-feira iremos para Pernambuco, fechando o ciclo dos seis estádios da Copa das Confederações.

E ao mesmo tempo, eu acho que nós aqui estamos fazendo uma homenagem histórica a um grande, mas um grande atleta brasileiro que é Mané Garrincha. Essa homenagem é muito precisa e merecida, feita na capital federal do nosso país, Brasília. É a homenagem a um atleta brasileiro que era um gênio na arte do futebol, um grande improvisador, um grande improvisador que tinha na imensa capacidade de jogar futebol sua arma para demonstrar para o mundo e para o Brasil aquilo que o nosso grande cronista esportivo, Nelson Rodrigues, disse que era algo que o Brasil tinha que superar que era o complexo de vira-lata.

O Garrincha, na sua simplicidade, era um jogador que demonstrou que o Brasil não era de maneira alguma, nem tinha por que, era um vencedor, e não tinha porque ter esse arraigado complexo de vira-lata que o nosso cronista esportivo Nelson Rodrigues, um dos maiores teatrólogos do nosso país, nas vésperas da Copa do Mundo, da Copa da Suécia, denunciou a existência pela quantidade de gente que previa um fracasso.

Pois muito bem, nós temos superado, de forma bastante radical, essa atitude diante da vida nacional, da vida política, da vida econômica e da vida social do nosso país. Os milhares de trabalhadores que colocaram de pé esses seis estádios que concluem essa etapa, eles demonstram a capacidade dos nossos trabalhadores no que se refere a desafios a eles colocados, os nossos empresários também. O Brasil demonstrou que tem capacidade de financiar estádios, eles foram financiados com recursos nacionais. Portanto, quando o governador informa a todos nós que além disso, esse estádio terá uma certificação leed platinum, ele está informando algo também importantíssimo: nós fazemos o que fazemos com qualidade, com qualidade que nos coloca no protagonismo e na liderança de padrões de sustentabilidade. Então não é um improviso, é a busca de padrões de qualidade cada vez de mais alto nível.

Eu queria também dizer que esse quinto estádio concluído ele demonstra que nós, como sempre informa, sistemática e guerreiramente o nosso ministro dos Esportes, esses seis estádios demonstram a nossa capacidade, a nossa competência e a nossa determinação em construir mais seis estádios. Nós teremos uma Copa do Mundo, vejam bem, em um país continental, que receberá tanto os contendores como os que são convidados para essa festa, tanto nacionais como turistas internacionais, nós receberemos com um padrão de qualidade, eu asseguro a vocês, de alto nível, nas doze cidades da Copa. E acredito que faremos a melhor Copa de todos os tempos.

Eu queria aproveitar e dizer que esse fato ele integra um conjunto de fatos que têm acontecido no nosso país e que demonstra que nós somos capazes, que nós temos todas as condições e mais, que nós estamos realizando. Essa nossa capacidade é demonstrada pelo fato de que nos últimos dois anos e quatro meses, nós criamos, segundo o último Caged, 4 milhões de empregos, alguns deles aqui nos estádios. Demonstra-se pelo fato que o Brasil está progressivamente mantendo todas as condições para ter um desenvolvimento não só do ponto de vista econômico, mas do ponto de vista social, construindo um dos maiores mercados internos. Por que? Este é um valor inestimável em um mundo em crise. É um valor inestimável. Nós temos hoje só na classe C mais de 100 milhões de pessoas. Se somarmos a classe C, a A e a B, dá em torno de uns 128 milhões de pessoas e temos progressivamente retirado da miséria extrema e elevado à condição – ainda não é a que nós queremos, porque queremos um país de classe média – os restantes brasileiros que viviam na extrema pobreza.

Eu queria dizer para vocês uma coisa. Tudo isso, tudo isso vem junto com todos os desafios desse país. Um desafio que é a educação, é garantir que o nosso povo tenha de fato uma trajetória de crescimento e de desenvolvimento pela educação. O outro desafio é de termos cada vez mais um país democrático, em que as instituições sejam respeitadas, em que nós tenhamos todas as condições, não só de participação, mas de respeito aos direitos humanos, a representatividade política, enfim, que nós sejamos esse país que estamos sendo, capazes de conviver com a divergência, porque a democracia não é a paz dos cemitérios, a paz dos cemitérios é a ditadura. A democracia é o convívio com posições diferentes, é ser capazes de conviver com posições diferentes. E, além disso, eu aproveito o dia de hoje para agradecer ao Congresso Nacional a aprovação da Medida Provisória dos Portos, agora projeto, aliás, agora Lei em definitivo.

Queria também, mais uma vez, cumprimentar e dizer que nós esperamos que a mesma competência ocorra dentro do campo. Todos nós, eu diria que é o sonho de cada um de nós, que é que nós tenhamos essa... aliado à competência, a sorte de ter um excelente desempenho na Copa das Confederações. Até lá, vamos torcer, ou pelo Brasiliense ou pelo Brasília, ou por Santos ou pelo Flamengo, cada um que torça para o seu. Cada um que torça para o seu.

Um dado que me chamou bastante atenção e me disseram o seguinte: que para o jogo Santos x Flamengo, ou Flamengo x Santos, todos os 60 mil ingressos, aliás, já estariam vendidos 60 mil ingressos, o que é de fato algo muito significativo porque ele é daqui a duas semanas.

E eu desejo então que esse espaço não só seja usado para jogo de futebol, mas como o governador disse, é uma arena multiuso, e uma arena multiuso é um espaço para várias atividades: atividades culturais, atividades esportivas, educacionais e isso significa também a possibilidade aqui de uso comercial desta arena. Eu considero, portanto, um avanço no Brasil nós termos sido capazes de nesse período em que ganhamos a Copa do Mundo e que tivemos obviamente, como pré-estreia da Copa do Mundo a Copa das Confederações, a capacidade de construir de forma a dar um legado para a população, a deixar uma herança para a população, espaços de convívio social, cultural, educacional, que mostram necessariamente que o Brasil também está evoluindo, com uma sociedade de classe média, está evoluindo de desejos, anseios e pleitos.

Cada vez mais esse país quererá, cada vez mais teremos que nos mobilizar para oferecer atividades que são aquelas que não são só o pão, mas que são a capacidade de entreter a alma. Parabéns para você, governador. Hoje é a sua festa.

 

Ouça a íntegra (18min36s) do discurso da Presidenta Dilma