Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de inauguração do Complexo Acrílico da BASF - Camaçari/BA

Discurso da presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de inauguração do Complexo Acrílico da BASF - Camaçari/BA

por Portal Planalto publicado 19/06/2015 15h00, última modificação 19/06/2015 15h08

Camaçari – BA, 19 de junho de 2015

 

Cumprimento os funcionários e os trabalhadores da Basf e saúdo a cada uma das mulheres que, como disse o governador hoje, integram essa equipe de trabalho e participam da área operacional. Então, eu queria iniciar cumprimentando a cada um dos funcionários e também daqueles que construíram a Basf.

Queria cumprimentar o nosso governador da Bahia, Rui Costa,

Cumprimentar o presidente a Basf América do Sul, Ralph Schweens,

Cumprimentar o membro da Junta Diretiva da Basf, Michael Heinz,

Cumprimentar o senhor embaixador da Alemanha no Brasil, Dirk Brengelmann,

Cumprimentar os ministros de Estado que aqui me acompanham: ministro Jaques Wagner, da Defesa e ex-governador da Bahia; o ministro da Fazenda, Joaquim Levy,

Queria cumprimentar também o deputado Marcelo Nilo, presidente da Assembleia Legislativa da Bahia,

O senhor Ademar Delgado, prefeito de Camaçari, e dizer a ele que eu volto, sim, para fazer a entrega das casas.

Cumprimentar a nossa senadora Lídice da Mata,

Os deputados federais aqui presentes: Luiz Caetano, Daniel Almeida, Davidson Magalhães,

Queria cumprimentar o seu Anestor e dizer para o seu Anestor que o poeta número 10 ganha todos os nossos aplausos.

Cumprimentar o violeiro Júlio Caldas,

Os jovens Marcos Ataíde e a Larissa Carvalho. Por meio deles, eu cumprimento todos os trabalhadores e colaboradores do Complexo Acrílico da Basf.

Queria cumprimentar o maestro Fred Dantas e os componentes da Orquestra de São Salvador,

Cumprimentar os senhores e as senhoras jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas,

Um cumprimento a todos os presentes.

 

 

Há 37 anos atrás, no dia 29 de junho, Camaçari passou a figurar no mapa do Brasil como sede do primeiro complexo petroquímico planejado do País. 37 anos atrás. Eu vim de helicóptero e sobrevoei aqui a região, e de fato, eu já tinha vindo a Camaçari de carro, mas desta vez eu tive uma visão, que foi uma visão assim global do conjunto da obra e é fantástico a quantidade empresas, que estão aqui presente neste polo. Portanto, de 37 anos para cá, dezenas de empresas, de diferentes setores, de áreas as mais diversas se instalaram aqui nesse polo, e aqui criaram oportunidades de emprego, de renda e desenvolvimento para Bahia e para o Brasil, industrializando uma região do país que nós temos a obrigação, o empenho em industrializar. Primeiro, um dos maiores estados do País que é a Bahia, depois uma das grandes regiões do nosso País que é o Nordeste. Isso significa mais desenvolvimento e mais qualidade no desenvolvimento do País. Porque o desenvolvimento não pode ser concentrado, ele para, de fato, beneficiar toda população ele tem de ser descentralizado. É por isso, que nós instalamos universidades aqui na Bahia. É por isso, que nós instalamos escolas técnicas na Bahia. Porque desenvolvimento de qualidade é feito também com a qualidade do emprego, com a qualidade do trabalho que se emprega nessas empresas.

O complexo acrílico da Basf engrandece ainda mais essa história de sucesso aqui de Camaçari. Hoje me deram de presente um pequeno arbusto que vai virar uma grande árvore que se chama Camaçari e eu assumi aqui o compromisso de plantá-la lá no Parque do Alvorada e convidar depois o governador para fazer o primeiro rego oficial. Porque antes dele chegar eu vou fazer vários regos, mas o primeiro rego oficial. Portanto, são muitas razões para a gente celebrar a entrada em operação deste complexo.

O tamanho do investimento feito, sem sombra de dúvida, mais de 500 milhões de euros, é uma quantia bastante significativa e, é certamente uma das razões para gente comemorar. Mas a relevância desse projeto, ele vai além dos números. Primeiro, porque aqui vai se produzir insumos básicos, ácido acrílico e polímeros para absorventes. Para absorventes e para dar qualidade de vida aos nossos bebês, para que fraldas não vazem, para que as mães possam ter certeza que seus bebês estão bem cuidados. Entre outros usos, utiliza-se para pintar, para as indústrias de tinta, para as cores colorirem ainda mais o nosso País. E, sobretudo, é uma indústria que se incorpora a essa região do mundo sendo a primeira do hemisfério, inédita em toda América Latina, e agora presente no Brasil e dando consistência à cadeia de petróleo, à cadeia de petroquímicos, à cadeia de polímeros do País. Isso vai permitir também que nós tenhamos uma vantagem em relação às questões relativas à balança comercial do País.

Sem sombra de dúvida, uma planta como essa da Basf tem um outro poder, ela atrai novas plantas industriais. E aqui eu queria aproveitar este momento e cumprimentar todos os clientes Basf que compareceram a esse evento. Porque trata-se de uma cadeia produtiva em que a Basf é o ponto de partida. Mas tem um conjunto de empresas, que estão aqui presentes hoje, que merecem os nossos cumprimentos, e que integram essa cadeia gerando oportunidades de investimento, gerando oportunidades de emprego e gerando, também, esse grande desafio que foi colocado pelo nosso governador Rui Costa. Qual seja, nós também queremos unidades de pesquisa, desenvolvimento e inovação.

Por isso, o Brasil vai passar da condição de importador para a condição de produtor e exportador para a indústria química. Tudo isso pode ser traduzido no resultado que mais interessa à cada um de nós, que é - não custa repetir, não custa insistir - que é o benefício da população gerando emprego e renda. Emprego e renda para quem? Emprego e renda aqui na Bahia, para essa população jovem com tanta qualidade profissional, que teve desempenho fantástico quando enviados para treinar na Antuérpia foram colocados para despachar, para dar operação a fábrica lá existente. Por isso, é muito gratificante para mim estar inaugurando uma das maiores e mais modernas, plantas de produção acrílicas do mundo.

Eu saúdo a confiança da Basf no Brasil. Agradeço por essa confiança da Basf na Bahia e nos trabalhadores na Bahia reafirmada com esse investimento.

A Basf é uma das mais antigas empresas que investem no Brasil, está aqui há 105 anos. O que mostra que é uma parceria feita com nosso País, não de curto prazo, não uma parceria que tem puro e simplesmente o objetivo imediato, mas que está comprometida com futuro do País. E isso, tem... Faz todo sentido dentro do quadro, das relações que se desenham entre o Brasil e a Alemanha. Eu de fato, terei a honra de receber em agosto a chanceler Angela Merkel, e tenho certeza que essa será uma reunião que vai dar base para parcerias e para significar um aprofundamento ainda maior do que significa uma parceria com a Alemanha. Uma parceria com a Alemanha, para nós, sempre vai significar uma parceira na área de investimento, e de comércio e uma parceria, sobretudo, com qualidade industrial que caracteriza a manufatura alemã. Fico muito feliz, portanto, com essa inauguração.

Queria fazer algumas observações para os senhores. Em qualquer conjuntura, nós aqui teríamos muitos motivos para celebrar a inauguração deste complexo acrílico. No momento atual, em que o País está fazendo ajustes na economia, ajustes que tem que ter um prazo, o mais rápido possível para ocorrer. E aí, eu digo para vocês, que todo empenho do governo federal, é que nós consigamos aprovar no Congresso ainda nesse mês de junho, com,  obviamente, a grande parceria com os deputados federais e os senhores senadores, conseguimos aprovar os três projetos que nós enviamos para o Congresso, dois já aprovados e um ainda em aprovação. Esses ajustes são para quê? São para equilibrar as contas públicas, e quanto mais rápido eles ocorrerem melhor. Porque nós não queremos que nada interrompa o processo de desenvolvimento do País.

Nenhum ajuste, ele tem um fim em si mesmo, ele é feito para fornecer os elementos para que a gente possa expandir e voltar a crescer aceleradamente, fortalecendo todas as bases do crescimento do Brasil, corrigindo o que tem de ser corrigido, mudando o que tem que ser mudado, e sobretudo, simultaneamente olhando para crescimento econômico. Por isso, eu acredito que, aprovar os ajustes é também um estímulo para tudo que nós estamos fazendo, já fizemos e o que nós estaremos fazendo nas próximas semanas, quando se trata de ampliar investimentos. Primeiro, eu quero me referir o governo  já o fez para o Programa de Investimento em Logística, e dizer para o senhor governador que nós estamos abertos a acrescentar. Difícil seria a gente tirar, mas ampliar o programa sempre será do nosso interesse, inclusive, um tratamento todo especial ao porto de Aratu, que é um dos portos de água profunda mais importantes do País. Todo esforço do programa de concessão para se ampliar o porto de Aratu, conte conosco. Conte conosco também para assegurar todos os fluxos para as regiões industriais e também para o conforto das pessoas. Nós lançamos esse programa, semana passada, portanto, estamos a  tempo e a hora de fazer os ajustes nele necessários.

Nós, de fato, identificamos um conjunto de investimentos em todo Pais nas áreas de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos. É um programa que monta em 198 bilhões em todo o seu período de realização, e que, no curto prazo, vai permitir e cumprir uma dupla função. Primeiro vai melhorar a infraestrutura do País. Porque, muitas vezes, argumentam muitas vezes que é um dos fatores que inibe o desenvolvimento do País é a ausência de infraestrutura, isso é, em parte, verdade. Em parte verdade, porque o Brasil ficou muito tempo sem investir. Investimento em infraestrutura, ele não se faz em dois, três anos, eles geralmente levam mais tempo e amadurecem de forma mais lenta, mas nós aprendemos e contamos com uma coisa muito importante que é a parceria com o setor privado. Então, é um investimento que, para nós, vai levar, a que possamos também garantir melhoria no escoamento da produção dos diferentes setores produtivos. Além disso, eu quero lembrar que nós lançamos também, ainda nesse mês que passou, nós lançamos o Plano Agrícola e Pecuário 2015 e 16. Também aumentando em 20% os recursos. Isso também vai beneficiar aqui a Bahia, e nós estaremos lançando na segunda-feira agora, o Plano Safra da Agricultura Familiar, que também vai ter um aumento no seu volume de recursos em 20%.

Nós vamos garantir também que, com esses dois planos, nós continuemos não só a fornecer elementos de qualidade para mesa da população brasileira, mas também nós hoje somos os grandes fornecedores de proteínas e alimentos para  o conjunto do mundo.

Outro plano importante que será lançado nos próximos dias, é o  Plano Nacional de Exportação. Ele foi construído em consulta com setor produtivo e vai ajudar a melhorar ainda mais, dar  um arranque nas nossas exportações já hoje bem beneficiadas por efeito do cambio. A maioria das empresas instaladas aqui no Polo de Camaçari, sabe que com uma política de comércio exterior melhor estruturada, nós teremos um espaço ainda maior a conquistar no mercado internacional.

Por fim, aproveitando e saudando aqui a presença do nosso companheiro, agora secretário do Desenvolvimento, que tem uma grande missão pela frente. Tenho certeza que ele vai cumprir com a mesma competência de quando foi presidente da Caixa Econômica Federal, cumpriu os dois planos, o Minha Casa, não é Hereda? Jorge Hereda,  Minha Casa, Minha Vida 1 e o Minha Casa, Minha Vida 2, e agora nós vamos, Hereda, lançar no segundo semestre, logo no inicinho de agosto, o Minha Casa, Minha Vida 3. Então, como você sabe, nós vamos agregar aos 3 milhões e 750 mil, casas e apartamentos que nós construímos, desde o final de 2010, mas principalmente ao longo dos últimos 4 anos, nós vamos agregar mais 3 milhões. Porque nós queremos no final de 2018 termos construído em torno de 6 milhões e 750 mil moradias para as pessoas que no Brasil não tinham acesso à casa própria. Isso é importante para a indústria da construção civil, é importante para a estrutura das famílias brasileiras, para proteção das crianças e dos adolescentes, e é fundamental para a qualidade de vida da população brasileira. Essas são iniciativas dessa nossa agenda de futuro, que eu tenho certeza que esse empreendimento aqui da Basf, ele se integra plenamente na agenda de futuro do nosso País.

E eu acredito, encerrando, que a Bahia pode dizer para Basf, a exemplo do que dizem os jovens quando se enamoram: “rolou uma química entre nós”.


Muito obrigada!

 

Ouça a íntegra do discurso (19min57s) da Presidenta Dilma