Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de inauguração da Via Expressa Baía de Todos os Santos - Salvador/BA

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de inauguração da Via Expressa Baía de Todos os Santos - Salvador/BA

por Rose Mary Rosendo publicado 01/11/2013 16h50, última modificação 04/07/2014 20h20

Salvador-BA, 1º de novembro de 2013


Eu queria iniciar quebrando o protocolo e dirigindo um cumprimento especial a todos os trabalhadores que fizeram essa obra, e homenageando o nosso Feliciano dos Santos. Eu acabei de falar para o governador que se você olha ali na lista dos nomes, não está o nome de um trabalhador. Então, eu sugiro que na placa botem, também, além do meu nome, do nome do governador, do nome das pessoas que vão ficar registradas para sempre que contribuíram com a obra, o nome do Feliciano, em uma homenagem a todos vocês. E o governador, quando eu estava abrindo ali a placa, o governador prometeu que ia mandar botar. Então, nós podemos ter certeza que vai constar, não é, governador? Opa. Levei um bom choque.

Queria cumprimentar o nosso governador da Bahia, Jaques Wagner, e a senhora Fátima Mendonça,

Queria cumprimentar o prefeito de Salvador, Antônio Carlos Magalhães,

Cumprimentar os ministros de Estado aqui presentes: ministro César Borges, dos Transportes; ministra Luiza Bairros, da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial; ministro Antônio Henrique Pinheiro Silveira, ministro da Secretaria dos Portos. Os três ministros, são ministros... podem não ter nascido na Bahia... Um deles nasceu, que é o César, mas os dois outros são ministros adotados, eles adotaram a Bahia e espero que a Bahia tenha adotado eles.

E aí eu queria cumprimentar a secretária-executiva do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, ex-secretária da Casa Civil aqui da Bahia, a nossa querida Evinha Chiavon. Levanta aí, Evinha. A Evinha veio conosco de avião e a Evinha estava nos relatando toda a luta dela para viabilizar essa obra, principalmente porque envolveu muita desapropriação, porque aqui era um local urbano, então, para construir a obra tinha que desapropriar e pagar, indenizar as pessoas que iam sair daqui. E ela estava dizendo do esforço imenso dela e de vários funcionários para que isso ocorresse. Por isso, eu queria, em nome da Evinha, cumprimentar todos aqueles que aqui trabalharam, todos os funcionários públicos, que às vezes são mal falados. Mas isso é uma injustiça, porque eles cumprem um papel fundamental. Cumprimentar, então, a Evinha, e saudar a todos aqueles que trabalharam nessa obra.

Cumprimentar o vice-governador da Bahia, Otto Alencar,

Cumprimentar o presidente da Assembleia Legislativa, e aí eu cumprimento todos os deputados estaduais aqui presentes, ao cumprimentar o deputado Marcelo Nilo.

Cumprimentar nosso querido Waldir Pires, ex-governador do estado da Bahia, ex-ministro da Defesa, um grande brasileiro.

Cumprimentar o senador Walter Pinheiro,

Os deputados federais Acelino Popó, Alice Portugal, Amaury Teixeira, Félix Mendonça, Luiz Argolo, João Bacelar, José Rocha, Josias Gomes e Paulo Magalhães.

Cumprimentar o secretário estadual da Casa Civil, Rui Costa, que assumiu depois da Evinha e é um dos grandes responsáveis também pela conclusão dessa obra e pela qualidade que ela tem. E, por intermédio do Rui Costa, eu cumprimento todos os demais secretários.

Cumprimentar o general Jorge Fraxe, diretor-geral do Dnit,

Cumprimentar, também, uma outra pessoa essencial para a conclusão dessa obra, o empresário Léo Pinheiro, presidente da construtora OAS, que é a responsável por essa obra de engenharia, que merece nossa admiração. Obrigada, Léo.

Cumprimentar, aqui, as senhoras jornalistas, os senhores jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas. E aqui eu estou vendo que tem fotógrafas. Cumprimentar as fotógrafas.

 

Olha, gente, é, de fato, um sinal de muitos bons augúrios, de muitos bons ventos, que nós estejamos aqui hoje, nesse Dia de Todos os Santos, para inaugurar a Via Expressa da Baía de Todos os Santos. E aí, duas coisas a gente queria destacar aqui: Primeiro, o César já falou: há 512 anos, chegou aqui aquele chamado Américo Vespúcio, que aportou aqui e, de uma certa forma, a gente pode dizer que descobriu a Bahia de Todos os Santos. Mas, além disso, hoje também é o aniversário de 40 anos do Ilê Ayê. Então, por esses dois motivos eu tenho certeza que os santos vão abençoar essa obra viária, que todo mundo está dizendo que é uma das maiores obras feita nos últimos 30 anos.

Então, eu estou muito feliz de estar aqui. Eu vim aqui há uns cinco anos, quando ela era só um projeto, vim junto com o governador Jaques Wagner. Naquele dia, eu estava querendo saber, porque a Rótula – nós fomos lá na Rótula – eu queria saber porque a Rótula era do Abacaxi. O que eu pensei? Que lá tinha uma feirinha que vendia abacaxi, ou tinha alguém vendendo suco de abacaxi. Aí o governador Jaques Wagner me contou o seguinte: não, chama “Rótula do Abacaxi” porque esse trânsito aqui é um abacaxi, e o povo, com seu espírito irônico, apelidou a Rótula de Rótula do abacaxi. Hoje o governador me disse que ele vai mudar o nome da Rótula do Abacaxi e propor que passe a chamar a “Rótula do Quiabo”, porque aí só vai.

Mas eu acompanhei essa obra, eu tenho vindo aqui, eu vim depois, quando ela já estava mais crescida, que se via os viadutos, via-se o tamanho da obra. Mas, de fato, quando hoje eu sobrevoei de helicóptero toda a extensão desses 4,3 quilômetros, a gente percebe a grandiosidade disso e a dificuldade de ter feito isso no meio da vida normal e cotidiana de uma cidade do tamanho de Salvador. E mais, veja que tem dez faixas. Dez faixas! Na verdade, foram construídos quase 40 quilômetros, 43 quilômetros. Foram construídos também – uma coisa que eu achei muito importante, porque isso é algo que se dá para cidade em termos de qualidade de vida – que é a faixa para bicicletas. Eu acredito que vai ser uma obra que vai fazer aquilo que as obras têm que fazer. São obras de concreto, são obras difíceis sem obra de engenharia, mas o objetivo último de uma obra dessas é garantir qualidade de vida, é garantir que vida das pessoas melhore, é só esse o objetivo. Na verdade, quando você tira do centro a carga, você está garantindo que o tráfego de pessoas e de veículos, de transporte público, flua de forma mais rápida, e aí o que você está ganhando? Você está ganhando tempo de vida para as pessoas, porque no transporte você fica um tempo que você perde para estar com a sua família, para estar jogando futebol, para estar descansando depois do trabalho, enfim, um tempo que você pode ter outro uso. Daí porque é muito importante uma via dessas. E também porque ela viabiliza um transporte de carga rápido, e isso significa melhoria da produtividade, melhor emprego, significa ganhos para toda a população aqui de Salvador.

Eu, de fato, tenho vindo muito aqui, não é, Jaques? Tenho, eu tenho vindo muito aqui e tenho muito orgulho de vir aqui. Eu estou continuando, e não pretendo deixar de vir. Recentemente eu estive aqui anunciando o metrô, a linha dois do metrô, e essa linha dois, ela faz justamente da Rótula do Abacaxi, passa por... vai até Lauro de Freitas e passa pelo aeroporto. Mas eu queria falar também da complementação da linha um, que estão agradecendo a mim e ao Jaques naquela faixa, que o metrô vai até Cajazeiras, que é um bairro que equivale a uma cidade. Fico muito feliz que o metrô, a complementação da linha um do metrô, chegue a Cajazeiras. É algo importante, vai beneficiar uma população muito significativa desta cidade.

Mas, então, como eu estava dizendo, é um prazer vir aqui, é um prazer fazer parceria também com o prefeito, vamos fazer uma parceria com o prefeito fazendo o trecho... aliás, fazendo o BRT Lapa-Iguatemi, de 12,7 quilômetros. Temos várias outras parcerias com o Jaques, e eu estava dizendo para o Jaques que eu pretendo vir aqui na Bahia – aí não é aqui em Salvador, mas é na Bahia –, que eu quero olhar justamente a chamada Fiol, que é Ferrovia [de Integração] Oeste-Leste, que está, agora, a pleno vapor. Eu, ministro César Borges... sabe aquela história “o olho do dono engorda o boi”? Então nós vamos ver o nosso boi nos trilhos, e isso é muito importante porque essa é uma obra... e aí também, não é, Jaques, é uma obra pela qual você lutou muito. Você lutou, nós conseguimos viabilizá-la e ela fará diferença, aqui como uma das questões essenciais para ligar, estruturalmente, a Bahia de oeste a leste.

Eu queria também dizer para vocês duas outras coisas. Essa não tem nada a ver com a questão relativa a essa inauguração. Mas ela é importante, aconteceu nessa semana e beneficia o estado da Bahia, que é a chegada dos médicos do Mais Médicos. Quatrocentos e seis médicos já chegaram aqui, na Bahia. A Bahia é o estado, hoje, que vai receber o maior número de médicos, porque nós levamos em conta alguns critérios, e esses critérios beneficiam a Bahia.

Por que beneficiam a Bahia? A Bahia é o maior estado do Nordeste. No Nordeste do nosso país, nós temos que fazer um grande esforço e investir muito na questão social, porque aqui é uma região que concentra os maiores índices de pobreza. Daí porque o governo federal, na distribuição dos médicos, dará prioridade ao estado mais populoso do Nordeste, que é a Bahia, é o estado mais populoso, é o maior e é o que terá que ser, obviamente, um dos estados mais ricos do Brasil, e terá que ser, portanto, também, muito bem atendido.

Nós, então, com esses 406 médicos iniciamos aquilo que vai significar, até maio, que nós teremos aqui cobertura para cinco milhões de baianos e de pessoas que moram nas diferentes cidades, principalmente naquelas do semiárido, onde é mais necessária a presença de médicos. Nós queremos um atendimento de qualidade para todos os brasileiros e brasileiras. E, por isso, eu queria falar sobre isso, porque sábado e domingo, portanto, há praticamente uma semana, eles chegaram, a segunda leva. Nós vamos ter, sistematicamente, a chegada de médicos, e eu tenho certeza que eles serão muito bem recebidos. Nós somos um povo generoso, um povo que sabe quando ser um povo agradecido, e médico é uma questão crucial para a vida das pessoas.

Outra coisa que nós celebramos essa semana, e a Bahia também, é uma das maiores beneficiárias, é o Bolsa Família. Nós sabemos que o Bolsa Família, junto com todos os programas do Brasil sem Miséria... e aí eu queria falar de um, porque estou aqui na frente dos trabalhadores, que é a capacitação profissional. Se capacitar profissionalmente, sempre, é algo crucial para nós, e um dos programas que deságuam no Bolsa Família é o chamado Pronatec - Programa técnico de qualificação profissional e emprego [Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego]. É parceria com o Senai. O governo federal bota o dinheiro e o curso é gratuito, inteiramente gratuito. Nós pagamos o curso, fazendo uma parceria com o Senai, com o Senac, com o Senar e com o Senat. Ele tem 600 cursos, tem 600 diferentes espécies de cursos. Eu estou aqui com trabalhadores da construção civil. Na área de construção civil tem cursos de especialização os mais variados. Então, eu queria saudar isso também porque eu acho que é uma questão fundamental.

Cinco milhões de brasileiros já fizeram esses cursos, e eu queria sempre lembrar para vocês que tem um brasileiro que fala sempre isso: “eu tive só dois diplomas, um foi do Senai e o outro foi de presidente da República”, que é o Lula. Vejam vocês, o diploma que leva ele a presidente da República é o Senai... é o diploma dele como torneiro mecânico do Senai, do qual ele teve muito orgulho sempre. Daí porque nós devemos sempre criar as condições para melhorar a formação dos nossos trabalhadores.

E hoje eu não poderia deixar de dizer para vocês, vocês, trabalhadores, muito obrigada, porque é uma obra... eu andei lá pelo túnel, eu olhei ela por cima, eu vi e também percorri um trecho grande. É uma obra extraordinária. A Bahia merecia, Salvador merecia, e tenho certeza, sobretudo a população desta cidade vai ficar extremamente orgulhosa, mas, sobretudo extremamente aliviada porque o trânsito – o Jaques tem razão – vai correr que nem quiabo.

Um beijo para vocês, um beijo no coração.

 

Ouça a íntegra (19min28s) do discurso da Presidenta Dilma