Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de inauguração da Escola Estadual de Educação Profissional Jaime de Oliveira e de entrega de 14 ônibus escolares no âmbito do Programa Caminho da Escola

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de inauguração da Escola Estadual de Educação Profissional Jaime de Oliveira e de entrega de 14 ônibus escolares no âmbito do Programa Caminho da Escola

por Portal do Planalto publicado 02/04/2013 20h41, última modificação 04/07/2014 20h15

 

Fortaleza-CE, 02 de abril de 2013


Boa noite. Muito boa noite aqui, a todos os estudantes presentes neste ato.

Eu queria cumprimentar o governador Cid Gomes pela parceria, pela parceria que nós temos construído desde o governo Lula até agora.

Eu queria também cumprimentar o prefeito Roberto Cláudio, de Fortaleza. E ao cumprimentar o Roberto Cláudio, eu cumprimento todos os prefeitos e prefeitas aqui presentes.

Queria cumprimentar também a Maria da Penha Matos Alencar, viúva do professor Jaime Alencar de Oliveira, que recebe esta homenagem.

Queria saudar os ministros de Estado que me acompanham nessa presença minha hoje, aqui, neste valoroso estado do Ceará. Vou cumprimentar o ministro da Educação, Aloizio Mercadante; o ministro cearense, ministro dos Portos, Leônidas Cristino; o ministro da Agricultura, Antônio Andrade; o ministro Fernando Bezerra, da Integração; ministro Pepe Vargas, do Desenvolvimento Agrário.

Queria cumprimentar também o vice-governador do Ceará, Domingos Filho.

Cumprimentar os deputados federais aqui presentes: Artur Bruno, Chico Lopes, Edson Silva, Eudes Xavier, João Ananias, José Airton Cirilo.

Queria cumprimentar também o reitor da Universidade Federal do Ceará, Henry Campos; cumprimentar o secretário de educação em exercício, Maurício Holanda; queria cumprimentar a Mônica Silva, diretora da Escola Estadual de Educação Profissional Jaime de Oliveira; quando eu cumprimento a Mônica Silva eu quero cumprimentar, de forma muito especial, todas as professoras e professores, e os trabalhadores na área de educação e os orientadores dessa instituição.

Queria cumprimentar também as senhoras e os senhores jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas aqui presentes.

Meus queridos amigos e amigas, eu queria dizer para vocês, nesta noite, aqui no Ceará, em Fortaleza e nessa escola, o compromisso forte, o compromisso que é um compromisso que eu diria o maior compromisso do meu governo. Porque é que o compromisso com a educação tem que ser o maior compromisso de um governo, entre todas as ações que um governo faz, e olha que nós fazemos ações: na área de infraestrutura, no combate aos efeitos danosos da seca, na construção de mecanismos de convivência com a seca, na construção da infraestrutura hídrica, em todas as atividades, do Minha Casa Minha Vida, em todo o processo de compromisso nosso de acabar com a pobreza extrema no nosso país, tem um compromisso que surge como sendo o mais importante compromisso de todos. Esse compromisso é com as pessoas. E como nosso compromisso maior é com as pessoas, é por isso que garantir ao conjunto de crianças e jovens desse país acesso à educação de qualidade tem de ser o maior compromisso do meu governo. Nós queremos construir uma nação mais igual, mais igual socialmente e territorialmente. Daí porque me orgulha muito estar aqui no Ceará, aqui é um local que tem um governo comprometido com a educação. É um orgulho para nós saber que prefeitos agiram em conjunto, e [com] o governador são responsáveis por um dos maiores Idebs do país inteiro. E vocês têm de se orgulhar disso, porque isso é a prova que o cidadão e a cidadã, o pai e a mãe, o filho e a filha, a criança aqui do Nordeste, ao ter oportunidade, se iguala ou supera qualquer outra criança em nosso país.

Eu tenho muito orgulho da parceria desenvolvida pelo meu governo e o governo do presidente Lula, do qual participei como ministra, desenvolvida aqui no Ceará. Porque, aqui no Ceará, uma das melhores práticas do Brasil teve lugar, eu me refiro à alfabetização na idade certa. E quando eu falo da alfabetização na idade certa, eu tenho de falar na professora ou no professor alfabetizador, que no nosso país tem que ser valorizado. E valorizado quer dizer ter salário adequado e ter formação adequada.

É por isso, é por esse grande... essa grande iniciativa chamada Alfabetização na Idade Certa, que nós, olhando a experiência do Ceará, adotamos o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. E isso é a condição para o nosso país ser uma nação desenvolvida.

O que nós queremos para o Brasil? É uma coisa que nós temos de nos perguntar. Nós queremos que o Brasil seja uma nação de classe média, uma nação sem pobreza. Aliás, esse é o princípio do meu governo: afirmar uma coisa que pode parecer o óbvio ululante para muitos: “País rico é país sem pobreza”. Mas que não é o óbvio ululante. No Brasil, teve gente que achou que era possível criar um país desenvolvido e deixar à margem deste país milhões de brasileiros e vastas regiões do país. Nós, nos últimos anos, provamos que este país só será grande e forte se as pessoas que o compõem, os 190 milhões de brasileiros e de brasileiras, de brasileirinhos e de brasileirinhas, forem considerados participantes da nossa riqueza. E aí a educação tem um papel fundamental: creche, alfabetização na idade certa.

E eu estou aqui numa escola que eu nunca tinha visto na minha época. Eu sou da época em que o que era bom no Brasil era a escola pública. Mas a escola pública daquela época era uma escola pública para poucos. Eu estudei no Colégio Estadual de Minas Gerais. Apesar de ser o melhor colégio daquela época, não tinha um laboratório como tem aqui.

E eu quero dizer que educação em tempo integral, que combine o ensino médio com ensino profissionalizante é fundamental para o nosso país crescer e se desenvolver. Não há – o Mercadante falou isso aqui, se a gente for olhar a história do mundo, se você olhar os Estados Unidos, Alemanha, a China, nenhum país, nenhum país chegou a se desenvolver enquanto nação, a se tornar um país desenvolvido, enquanto não deu para suas crianças educação em tempo integral. E aqui eu estou falando também não apenas do ensino médio combinando com profissionalizante, eu estou falando de educação que a pessoa estuda português, matemática, ciências em geral e uma língua, de manhã. E replica de tarde, português, matemática, ciências, uma língua. Nós precisamos disso para formar os nossos cientistas. Nós precisamos disso para formar os nossos tecnólogos. Nós precisamos disso para formar os nossos profissionais técnicos. Nós precisamos disso para formar os nossos universitários e os nossos doutores.

E aí eu quero dizer uma coisa para vocês. Nós enviamos ao Congresso uma Medida Provisória que propõe uma medida para garantir recursos para a educação. Que recursos? Recursos para garantir que o ensino em tempo integral se generalize no Brasil, seja a regra e não a exceção. Temos governadores, como o governador Cid Gomes, e por isso eu tenho orgulho de ostentar essa marca aqui das 91 escolas estaduais de educação profissional inauguradas, porque é um esforço imenso que os governadores e o governo federal hoje fazem. Nós precisamos de mais recursos para investir em educação. E aí não é só investir em prédios bonitos, é investir no custeio, é dar salário para professor, é dar laboratório e é pagar o custeio caro necessário para a escola de tempo integral. Por isso, eu propus que os royalties, todos os royalties do petróleo, fossem empregados na educação pelos municípios, pelos estados e pela União. Por que isso? Porque nós sabemos que o petróleo não é uma fonte renovável, o petróleo não é – repito – uma fonte renovável. Então, se nós temos essa riqueza, nós temos de transformar essa riqueza no que há de mais nobre. E o que há de mais nobre para um pai e para uma mãe? O que há de mais nobre para um pai e para uma mãe é querer que seu filho, ou sua filha, tenha uma vida melhor que a sua. É isso que cada um de nós quer para os seus filhos e seus netos.

Além disso, o que o Brasil precisa? O Brasil precisa de trabalho cada vez mais qualificado, porque nós queremos que os nossos trabalhadores tenham salários cada vez mais adequados, elevados, para manter e dar conforto para os seus e para suas famílias. A única forma, a única forma sustentável de melhorar a renda e a qualidade do trabalho num país como o Brasil é apostar em educação. E daí esse conselho de educação mais educação mais educação a gente pode multiplicar por mil, por cinco mil, por um milhão, nunca será suficiente. Educação é oportunidade para todos os brasileiros na veia. Uma coisa que me orgulha muito no Brasil de hoje é que diminuiu a diferença social entre as pessoas. Antes, no Brasil, ninguém via uma família de menor renda viajando de avião. Hoje, as pessoas têm acesso ao avião. Hoje, a mãe que colocou o filho dela lá no ProUni, o que ela quer? Ela quer que ele se forme e que, depois, ele tenha oportunidade de estudar no exterior, nas melhores faculdades do mundo, no Ciência sem Fronteiras. Um pai que contratou um financiamento educacional chamado FIES para seu filho, ele quer que seu filho consiga pagar seu financiamento, e a melhor forma de pagar, se ele for médico ou professor, é trabalhando, ganhando o seu dinheiro para si, e o tempo em que ele trabalhar conta como dinheiro para pagar o empréstimo do FIES.

Eu queria dizer para vocês que hoje, aqui, nós estamos num lugar que é um exemplo para o Brasil. Esta escola é, de fato, a escola que nós queremos que ocorra em todos os rincões deste país. Aqui tem uma das melhores práticas educacionais.

Por isso, eu estou muito feliz de estar aqui, com o governador, com os prefeitos. E queria dizer uma coisa: ônibus escolar. Ônibus escolar é, sobretudo, a demonstração de que este país mudou, de que nós não queremos as nossas crianças sendo carregadas, sendo transportadas por ônibus inadequados. Por isso, o governo federal tem esse imenso empenho de entregar aos prefeitos essa qualidade de ônibus. E a população vai compreender que onde tiver um ônibus amarelinho escrito “escolar”, o motorista vai ter de ter mais cuidado para ultrapassar, o motorista vai ter de ter mais consideração, porque ele está cheio de crianças.

E as crianças do nosso país, além de ser um patrimônio humano de cada um de nós, adultos, são também um patrimônio do futuro deste país. Educação é oportunidade. O que eu quero para os brasileiros e para as brasileiras não é dizer que um é igual ao outro, porque ninguém é igual a ninguém, cada um de nós é um mundo, cada um de nós tem o seu jeito. E isso que faz a imensa alegria de conviver numa sociedade. Mas as oportunidades, essas sim, essas têm de ser iguais.

E aí nós estamos diante disso. O nosso desafio é garantir, cada vez mais, oportunidades iguais para todos, sem exceção, sem exceção de sobrenome, sem exceção de origem social, sem exceção se é homem ou mulher ou mulher, sem exceção se é negro ou branco, sem exceção se é índio ou não. Enfim, nós queremos, sem discriminação, oportunidades para cada um dos brasileiros e das brasileiras. E a palavra síntese de oportunidade é educação.

Por isso, eu quero dizer para vocês que eu desejo aqui, hoje, que esse processo que teve origem aqui, no Ceará, por exemplo, como eu disse, o da alfabetização na idade certa, essa forma de organizar o ensino médio com o profissionalizante, seja estendida a todos os rincões do nosso país. E é isso que o ministro Mercadante está fazendo em todo o território nacional.

Um beijo a cada um de vocês. Meu obrigado. Meu muito obrigada. Aqui, neste estado, eu tive uma das maiores votações para me eleger presidenta da República. Hoje, eu sou presidenta de todos os brasileiros.

Agora, quero falar uma coisa para vocês: eu me sinto muito, mas muito mesmo, presidenta de todos os cearenses, homens e mulheres. Um beijo para vocês.

Ouça a íntegra do discurso (21min15s) da Presidenta Dilma