Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de inauguração da Embaixada da República Argentina

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de inauguração da Embaixada da República Argentina

por Portal do Planalto publicado 29/07/2011 13h52, última modificação 04/07/2014 20h05
A Presidenta Dilma participou da reinauguração da Embaixada da República Argentina no Brasil acompanhada da presidente do país, Cristina Kirchner

  

Brasília-DF, 29 de julho de 2011

 

Queria desejar boa tarde a todas as senhoras aqui presentes e a todos os senhores, dizer que é um momento muito especial para o Brasil a inauguração da Embaixada argentina aqui, neste momento.

Cumprimento a Cristina, presidenta da República e da Nação Argentina.

Quero também saudar o nosso ex-presidente da República, meu companheiro Luiz Inácio Lula da Silva, no governo de quem tive a honra de participar e servir.

Quero saudar também o ministro das Relações Exteriores da Argentina, o senhor Héctor Timerman, em nome de quem saúdo os demais integrantes da comitiva que acompanha a senhora presidente Cristina Kirchner.

Queria saudar também o senhor Juan Pablo Lohlé, embaixador da República Argentina, por intermédio de quem cumprimento os demais embaixadores aqui presentes.

Cumprimentando as mulheres que integram os governos latino-americanos, gostaria de saudar a Débora Giorgi, ministra da Indústria da República Argentina,

Um cumprimento aos senhores da imprensa, senhores jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas,

Hoje nós tivemos um dia muito importante nas relações entre o Brasil e a Argentina. Eu recebi, aqui no Brasil, a presidenta Cristina Fernández de Kirchner, e tive com ela e sua comitiva uma discussão, uma conversa e o estabelecimento de um diálogo extremamente proveitoso. E essa cerimônia, eu acho que fecha com chave de ouro a visita da Presidenta aqui ao Brasil. A beleza da Embaixada e também o seu porte são compatíveis com a importância que o Brasil atribui às relações com a Argentina.

Hoje nós estamos concluindo uma obra que se iniciou por iniciativa do presidente Néstor Kirchner. Essa obra faz parte do legado que o presidente Kirchner e o presidente Lula deixaram para o Brasil e a Argentina, um legado em que nós mudamos o conceito das relações entre os nossos países, estabelecemos a cooperação, o entendimento, a ação conjunta como a regra, afastando todas as antigas e necessariamente indevidas propostas que afastavam o Brasil da Argentina, deixavam o Brasil e a Argentina sem perspectivas de uma ação comum, transformavam as nossas relações em rusgas e desacertos, ou até em rivalidades.

Isso tem uma história muito longa. Começa quando, olhando para o porte de nossas economias e nações, os países dominantes tiveram o cuidado de nos afastar sistematicamente. Não só criaram bitolas diferentes nos nossos sistemas de transporte ferroviário como também criaram ciclos diferentes entre os nossos sistemas energéticos.

A evolução dos nossos países tem conduzido a que tenhamos clareza da importância estratégica, para os nossos países e para a região, das nossas relações. Foi um marco nessas relações o governo do presidente Lula e o do presidente Néstor Kirchner. Nós iremos aprofundá-la, com a consciência clara de que temos um papel a cumprir, porque optamos por uma nova estratégia de crescimento, em que as populações nos nossos países são as principais protagonistas.

Percebemos claramente que o desenvolvimento só é pleno quando inclui cada homem e cada mulher dos nossos países. E é isso que nos torna fortes e, como disse hoje a ministra Débora, grandes mercados apetecíveis para outros países. De fato, não só o Brasil e a Argentina, mas, se pensarmos América do Sul, somos mais de 400 milhões de homens e mulheres.

Hoje, inclusive, estávamos fazendo uma conta e nos demos, com clareza, outra conta. Presidente Lula, se somarmos as nossas reservas com as reservas argentinas, devemos ser o terceiro ou quarto detentor de reservas internacionais do mundo. Além disso, somos países com uma grande capacidade produtiva, os maiores produtores de alimentos, fomos beneficiados com recursos energéticos e minerais. Temos, se contarmos, toda a água doce da Amazônia e dos nossos rios, além dos aquíferos, uma proporção imensa das águas doces do mundo. Mas, sobretudo, temos a consciência hoje do que somos e do que podemos ser.

Nós demos passos muito importantes nos últimos oito anos. Tanto o Brasil como a Argentina mudaram, e isso significou que milhões e milhões de brasileiros, milhões e milhões de argentinos, milhões e milhões de colombianos, enfim, milhões e milhões de latino-americanos ascenderam à situação de consumidores, de trabalhadores, de produtores ativos e, portanto, por isso, de cidadãos.

Somos países democráticos. Temos a certeza de que a nossa cooperação – entre Brasil e Argentina – não é só decisiva para os nossos países, mas é decisiva também para a América do Sul e a América Latina.

Essa consciência da nossa importância, essa consciência da nossa autoestima, ela é fundamental para que tenhamos uma ação conjunta que não nos divida, só nos una. Hoje nós decidimos ampliar ainda mais a nossa integração, buscando a integração das nossas cadeias produtivas.

Ontem, ao participar da cerimônia de posse do ministro [presidente] Ollanta Humala, nós tivemos uma decisão muito importante, que eu gostaria de compartilhar com vocês. A ação conjunta, no plano internacional – nos moldes do que foi feito, ainda em 2009, pelos governos brasileiro e argentino – de defesa das nossas economias frente a este novo quadro internacional que aumenta, não só a liquidez dos nossos países provocando a desvalorização do dólar e a valorização artificial das nossas moedas, mas também a ampliação de uma forma descontrolada, também, da invasão de produtos, pelo fato de que o mundo não tem consumidores... o mundo desenvolvido não tem consumidores suficientes para dar conta dessa produção. Isso significa algo muito importante, que é a nossa capacidade de articulação.

Por isso, esta Embaixada, ela é um local especial: é o local da integração, é o local da unidade, é o local onde, aqui no Brasil, construiremos essa relação cada vez mais próxima.

Eu queria, finalizando, saudar e lembrar um grande companheiro, um grande companheiro das lutas pelo desenvolvimento e a justiça social aqui na América do Sul: o companheiro Néstor Kirchner. Ao homenageá-lo, tenho certeza de que um grande amigo dele, um amigo do coração, um amigo de comunhão de lutas, que é o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, deve também dizer algumas palavras, porque a luta dos dois desencadeou-se aqui, nesta região, e conduziu à construção de várias obras e também desta Embaixada.

Um abraço a todos. Bem-vindos todos os que integrarão, os funcionários argentinos que integrarão o estafe da Embaixada argentina no Brasil. Tenho certeza de que vocês farão um bom trabalho para brasileiros e argentinos, e para a nossa integração.

Obrigada.

 

Ouça na íntegra o discurso (15min38s) da Presidenta Dilma.