Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de formatura de alunos do Pronatec - Belo Horizonte/MG

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de formatura de alunos do Pronatec - Belo Horizonte/MG

por Portal do Planalto publicado 23/10/2013 16h20, última modificação 04/07/2014 20h18

Belo Horizonte-MG, 23 de outubro de 2013

 

Boa tarde a todos. Apesar de a gente não ter almoçado, boa tarde.

Eu queria iniciar cumprimentando, aqui, cada uma das moças, das meninas e cada um dos moços e dos meninos que hoje se formam. Muitos são jovens, muitos são adultos. E vejo também que há um equilíbrio de homens e mulheres. Mas eu queria desejar a cada um aqui presente, a cada uma aqui presente, os parabéns meus e do governo. E dizer para vocês que hoje começa um dia novo, mas também, sobretudo, uma jornada nova para cada um de vocês, um caminho novo, uma trajetória que vocês vão construir.

E aí eu vou cumprimentar o Felipe Augusto Melo, que fez aqui o juramento e fez também uma oração, e eu agradeço por essa oração. E também o Brian Batista, orador da turma. E agradeço também a cada um dos empresários que aqui assinaram a carteira de trabalho.

Agora eu também dirijo um cumprimento especial aos professores e às professoras que tornaram esse evento possível. E cumprimento a cada um desses professores e dessas professoras.

Quero também dirigir um cumprimento especial ao prefeito Márcio Lacerda, que nos recebe aqui em Belo Horizonte, e com quem nós inauguramos uma creche e assinamos contratos para outras creches. E, aliás, vou fazer uma pergunta, o Márcio me sugeriu uma pergunta e eu vou fazer essa pergunta, porque me interessa. Quem aqui de vocês hoje, formandos do Pronatec, esteve em uma creche em criança? Levanta o dedo. Da próxima vez, daqui a 15 anos, quando um presidente da República perguntar isso, vocês todos levantarão os dedos, porque é isso que nós queremos no Brasil. Daqui a 15 anos, quando esse pessoal que está lá na creche for fazer curso de formação profissional, nós teremos concluído esse processo que nós estamos vivendo hoje, que faz com que a educação brasileira seja, cada vez mais, o foco das nossas atenções, o foco da nossa dedicação e o foco da atenção de vocês e da dedicação de vocês.

Queria agora cumprimentar os ministros que vieram comigo para essa formatura: o ministro da Educação, Aloizio Mercadante; o ministro, mineiro, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antonio Andrade; o ministro Fernando Pimentel, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; e a ministra Helena Chagas, da Secretaria de Comunicação Social.

Queria cumprimentar os deputados federais que estão nos acompanhando: Miguel Corrêa, Reginaldo Lopes.

E os deputados estaduais aqui presentes: cumprimentar o Durval Ângelo, o Evair Nogueira, o Leonídio Bouças, o Paulo Guedes, o Paulo Lamac, o Rogério Correia e o Ulysses Gomes.

Um cumprimento muito especial eu vou dirigir à secretária municipal de Educação, que esteve conosco lá na inauguração e na assinatura do convênio de creches, a Sueli Maria Baliza Dias.

E agora eu queria saudar e agradecer os parceiros do Pronatec: o Teodomiro Diniz Camargos, presidente em exercício da Fiemg. Muito obrigada, Teodomiro, pela parceria que nós estabelecemos com o sistema da Fiemg e também com o Senai.

Queria agradecer o professor Hélio Campolina Diniz, reitor da Universidade Federal de Minas Gerais e, portanto, responsável junto com o professor Adriano Borges Cunha, que é o diretor-geral do Colégio Técnico, por essa parceria que a Universidade Federal faz com o Pronatec.

Queria também agradecer o diretor-geral, regional, aliás, do Senac, o Luciano de Assis Fagundes. Nossos agradecimentos, Luciano.

Queria também cumprimentar os formandos que tiveram suas carteiras assinadas: a Brenda, a Brenda Sena, o André Abu Abdala e o Brian Roberto de Oliveira Batista. A todos eles eu queria dizer o seguinte: agora nós temos certeza que a bola está com eles, a bola está com cada um dos formandos. E eu acredito que vocês saberão fazer o gol. O jogo começou e vocês saberão fazer o gol.

Queria também cumprimentar os jornalistas, os fotógrafos e os cinegrafistas.

 

Queria também começar pedindo para que se levantem todos os formandos pelo Senai que estão de camisa vermelha, se eu não me engano, e quero que nós todos demos uma salva de palmas para eles. Eu quero agora que o pessoal de azul do Senac se levante, e da mesma forma, vamos aplaudi-los. E, por fim, o pessoal aí de branco do Coltec.

Mais do que eu, vocês sabem o quanto é uma grande conquista a formatura de vocês. Cada passo que vocês deram nessa direção da formação profissional é um passo na construção da vida de vocês, na vida da família de vocês, na vida dos filhos e na vida dos netos daqui a alguns anos. Mas, sobretudo, hoje é um dia de realização para vocês, e um dia de realização também tem que ser um dia de meditação. Muitos de vocês fizeram um curso e agora chegam ao primeiro emprego, como a Brenda. Outros já tinham emprego e estão se aprimorando. E outros vão mudar de profissão e estão se aperfeiçoando novamente. A cada um de vocês eu quero dizer que vocês encontraram um caminho e começaram a percorrer.

Na vida, a gente encontra várias oportunidades e vários caminhos. E eu quero dizer para vocês que a formação técnica, a formação profissional é um grande caminho. Um grande caminho porque um país como o nosso, para crescer, para se desenvolver, para se transformar em uma nação rica, precisa qualificar tecnicamente seus trabalhadores e trabalhadoras. Mais do que isso: precisa dar importância para eles, porque não existe país desenvolvido sem trabalho técnico qualificado. E vocês tiveram uma oportunidade.

E eu quero dizer para vocês uma coisa: nós vamos continuar fazendo cursos técnicos profissionalizantes. Nós vamos continuar oferecendo uma diversidade de cursos, e vocês têm que olhar isso e ver que terão novas oportunidades, e sempre vocês devem buscar se aperfeiçoar. Primeiro, porque isso é uma conquista para vocês, significa sempre salários melhores, sempre o aperfeiçoamento técnico traz salário melhor, mas também porque vocês são brasileiros, e nós, o Brasil, precisa de formação técnica qualificada, para indústria. E aí eu quero dizer para vocês que o Senac, que o Senai, que formam trabalhadores para a indústria, e o Sistema S, dão os melhores cursos profissionalizantes do Brasil, e muito nos orgulha disso, ser oferecido aqui dos melhores cursos do país. O Senac, também do Sistema S, dá os melhores cursos para a área de serviços, para o setor financeiro, para o setor do comércio varejista, para os supermercados, enfim, para uma área importantíssima para o Brasil. Nós somos um grande mercado, nós precisamos de bons técnicos formados nessa área.

A mesma coisa eu digo do Coltec, que é o Colégio Técnico de uma das melhores universidades do nosso país, a UFMG. Então, eu quero dizer que uma das características do Pronatec é a qualidade, e essa qualidade, ela depende, é óbvio, do Sistema S e do Coltec, mas, sobretudo, ela depende de cada um de vocês. É a garra de vocês, é a determinação de vocês, é a vontade de vocês de ter um outro horizonte na vida e de realizar os sonhos que cada um sonhou que faz essa qualidade desse programa do qual eu muito me orgulho, que é o Pronatec.

Eu estive numa formatura... Já estive aqui em Uberlândia, estive no Rio Grande do Sul, estive no Rio Grande do Norte, estive em vários lugares. Num desses lugares, o orador da turma foi fazer um agradecimento e foi falar para a turma... um agradecimento aos seus colegas, aos seus professores, e falou para a turma o seguinte: Nós somos a “geração pronatequiana”. E eu acho que essa fala dele foi uma fala muito precisa, porque nós não tínhamos uma “geração pronatequiana” no Brasil. Não teve Pronatec no Brasil nessa proporção, até agora, nesse tamanho, até agora.

Nós vamos querer formar oito milhões de brasileiros, e vamos continuar formando. O Brasil não pode parar com isso. Esse programa de formação e capacitação técnica é um programa que eu quero dizer para vocês que veio para ficar, é uma conquista. Por isso, esse rapaz que falou, ele tinha razão, aqui tem uma “geração pronatequiana”, como daqui a 15 anos nós vamos ver uma geração das creches, que se formou com creches, se formou com educação em tempo integral, aqueles meninos pequenos que pegam um tablet e com um dedinho vai lá e sabem mais do que eu, por exemplo, que não sou dessa geração. Cada geração avança em relação à outra. E eu quero dizer para vocês que eu espero esse avanço de vocês.

Hoje, hoje é o dia de vocês. Hoje é o dia dos parabéns, é o dia da festa, é o dia da comemoração. Mas, um pedacinho deste dia eu pedia que vocês guardassem para se comprometer com o futuro. Por exemplo, se eu perguntasse aqui: quem é Cruzeiro? Legal para vocês. Quem é Atlético? Agora eu vou perguntar: quem é que torce pelo Brasil? Ah! E é isso que é... cada um de nós tem seu time aqui, tá? Nós... tem o pessoal do Cruzeiro, o pessoal do Atlético. Agora, todos nós torcemos por um time só, um só. Não, pode ser Corinthians, Internacional, do Rio Grande do Sul, pode ser Vasco, no Rio, enfim, pode ser o time que for aqui. Agora, o maior... a maior manifestação foi Brasil, gente, e é isso que nós vamos torcer aqui. Nós torcemos pelo Brasil e essa torcida pelo Brasil é a torcida Pronatec, é a torcida que faz com que nós tenhamos esse compromisso em garantir ensino e capacitação técnicos de qualidade para brasileiros e brasileiras.

Quero dizer para vocês também uma outra coisa. Nesses meses de curso, vocês puderam escolher entre várias profissões, entre várias profissões, e isso significou um avanço para o Brasil. Eu quero dizer por que. Nenhum país do mundo tem um desenvolvimento mais elaborado, oportunidades de trabalho mais bem remuneradas se a gente não forma ou não dá oportunidade. Por isso nós temos de formar e dar oportunidade. Agora, é bom dizer o seguinte. Por exemplo, na Alemanha, onde está localizada uma das melhores e mais sofisticadas indústrias de equipamento, indústrias de equipamentos de precisão, um país que tem uma enorme capacidade de inovação, como é a relação entre ensino técnico e ensino universitário? A relação é a seguinte: o país precisa de mais ensino técnico do que universitário, é um para dez. Isso diminui o ensino universitário? De jeito nenhum. Isso qualifica também o ensino universitário. Mas mostra a relevância que uma formação técnica de qualidade tem em um país. Onde que se faz a diferença? Em todos os processos de trabalho, em todas as áreas de atividade que nós podemos imaginar, o técnico tem um papel muito importante.

Por isso, eu queria dizer para vocês: valorizem o que vocês conquistaram, busquem melhorar cada vez mais. O futuro... e existe futuro na formação técnica profissional. Muitos de vocês vão poder querer ir para a universidade, nada contra, mas para aqueles que optarem para se desenvolver, ou por se desenvolver, numa profissão técnica, eu gostaria de dizer, para cada um de vocês: insistam, teimem, vão lá, busquem nova formação, sempre se preocupem em melhorar. Todos nós, eu, presidenta da República, sou uma pessoa que tenho todos os dias que estudar. Não pensem que é mole, não. Todos os dias eu sou obrigada a aprender, todos os dias eu tenho que estar aberta para aprender. Isso acontece, tem que acontecer com vocês. Não deixem e nunca permitam que vocês acreditem que não haja o que aprender na profissão de vocês.

E, finalmente, eu queria dizer uma coisa para vocês: o Brasil vai dar, cada vez mais, grandes passos no sentido da construção de uma nação desenvolvida, de uma nação onde a Educação seja a grande riqueza que cada um de nós carrega consigo para onde for. Isso vai significar que os governos terão que investir muito em Educação, aprimorando cada vez mais. Por isso aquele menino tinha razão com “geração pronatequiana”. Nós teremos que fazer grandes investimentos na Educação.

A boa notícia que eu vou terminar dando para vocês é que esse dinheiro existe, e eu digo para vocês onde esse dinheiro está,  porque vocês vão ter que ficar de olho nesse dinheiro. Esse dinheiro é o dinheiro do petróleo. A lei que foi passada no Congresso atribui à educação os royalties do petróleo e os pagamentos que as empresas terão que fazer ao governo brasileiro, ao Estado brasileiro, por conta do petróleo. O nosso cálculo é que nesse campo de Libra seja, em uma estimativa nos próximos 35 anos, R$ 1 trilhão. Portanto, o Brasil deu passos firmes em direção ao acesso a uma educação de qualidade.

Quando tem dinheiro... vocês podem falar para mim assim: “basta ter dinheiro?” Eu vou falar para vocês: não. Tem, além de ter dinheiro, tem que ter vontade política de realizar e de melhorar a educação do país, compromisso com a educação deste país e, sobretudo, compromisso com um grande aplaudido hoje, que é o professor. Por que é que tem que ter compromisso com o professor? Porque educação de qualidade é igual a professor de qualidade. Então, o professor no Brasil terá de ser bem remunerado e terá que ser, além de bem remunerado, bem formado. Para as duas coisas, eu tenho certeza que chegou a hora do Brasil.

Ontem eu disse, lá no Palácio do Planalto, que a gente tinha descoberto uma alquimia. A alquimia, que era transformar qualquer metal em ouro, a nossa não é em ouro que nós queremos transformar. Nós queremos transformar petróleo em conhecimento, petróleo em mais educação, petróleo em professor mais remunerado, e, sobretudo, aqui, neste dia de hoje, petróleo em mais formação profissional, mais formação profissional para os brasileiros e brasileiras deste país.

Assim – e eu, aí, termino –, quando daqui a 15 anos aquele presidente que vai perguntar “quem fez creche?”, perguntar “quem está fazendo um curso de capacitação profissional?” num estádio de futebol, a grande maioria vai levantar a mão.

Muito obrigada.

 

Ouça a íntegra (23min46s) do discurso da Presidenta Dilma