Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de entrega de 967 unidades habitacionais, dos Residenciais Cidade do Povo, Rui Lino, Abunã e Cabreúva, do Programa Minha Casa, Minha Vida - Rio Branco/AC

Discurso da presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de entrega de 967 unidades habitacionais, dos Residenciais Cidade do Povo, Rui Lino, Abunã e Cabreúva, do Programa Minha Casa, Minha Vida - Rio Branco/AC

por Portal Planalto publicado 11/03/2015 22h38, última modificação 11/03/2015 22h39

Rio Branco-AC, 11 de março de 2015

 

 

Eu cumprimento aqui, primeiro, todas as mães e todos os pais que hoje estão aqui recebendo suas chaves. A cada um deles, às crianças e aos adolescentes e aos idosos que nesse momento passam a viver nessa Cidade do Povo, que mostra uma qualidade nas suas casas que só pode trazer, para mim, um orgulho de estar aqui. Então, cumprimento a cada um e a cada uma. Cumprimento a Arlete, a Eliandra, a Maria Taiana, a Maria José, a Maria Conceição, a Aline, que receberam as chaves das suas unidades habitacionais, das suas casas, dos empreendimentos Cidade do Povo, Rui Lino III, Abunã e Cabreúva.

Eu queria também iniciar dirigindo um cumprimento a esse grande governador, companheiro, governador do Acre, Tião Viana.

Ao prefeito, parceiro em todas as circunstâncias, não só para a questão da habitação, mas hoje, tomando junto com o governador a liderança para enfrentar e criar as condições de superar essa enchente, essa cheia, essa força das águas que atingiu esse ano o seu maior nível: mais de 18 metros e meio.

Quero cumprimentar também aos nossos queridos latino-americanos do Haiti aqui presentes e dizer para eles: sejam bem-vindos. O Brasil é um país feito por várias nacionalidades, vocês sejam muito bem-vindos ao país.

Queria falar também para os ministros de estado aqui presentes que me acompanham porque nós estamos aqui permanentemente. O ministro Gilberto Occhi já esteve essa semana três vezes; é o ministro da Integração Nacional, responsável pela Defesa Civil Nacional. O ministro Gilberto Occhi e o ministro Arthur Chioro representam todo o esforço que nós estamos fazendo aqui para atender, apoiar e dar sutentação para as ações das autoridades, aqui, nesse estado da nossa grande nação.

Cumprimento também a vice-governadora, uma mulher, a Nazaré Araújo, vice-governadora do estado. Essa semana é a semana do Dia Internacional da Mulher. Então vice-governadora, a senhora aqui representa a nossa homenagem a todas as mulheres aqui presentes.

Cumprimento o deputado Ney Amorim, que é presidente da Assembléia Legislativa; o senador, o grande companheiro senador, ex-governador Jorge Viana, o incansável defensor de toda a população e do estado do  Acre.

Cumprimento os deputados federais, o César Messias e o Leo Brito.

Cumprimento também a minha querida companheira, ex-deputada, Perpétua Almeida.

Dirijo um cumprimento ao procurador Oswaldo D’Albuquerque, procurador-geral de Justiça aqui no Acre,

Cumprimento a ex-ministra do Planejamento e atual presidente da Caixa Econômica Federal, que é responsável, junto com o ministério das Cidades, por esse programa, que é o Minha Casa, Minha Vida.

O diretor do Banco do Brasil, aqui representando o presidente, Jânio Carlos Endo Macedo,

A presidente do INSS, não é do Inamps, mas é do INSS - é, o Tião é um pouco antigo, de fato - mas o Inamps é o antecessor, não é, Tião? Vamos explicar: é o avô do INSS. A Elisete Berchiol, que é a presidenta do INSS.

Queria cumprimentar os secretários estaduais: a Marcia Regina, da Casa Civil, e o Leonardo Nerder, de Obras Públicas.

Cumprimento aqui o presidente da Câmara Municipal de Rio Branco, o nosso vereador Artemio Costa,

Cumprimento também o empresário que participa da construção aqui, da Cidade do Povo, o José Adriano Ribeiro da Silva,

Cumprimento todos os jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas aqui presentes,

 

Mais uma vez quero dizer que eu sei que o Acre está vivendo dias de tristeza, dias de luta, dias de desafio e dias de muita grandeza, muita solidariedade, muito valor humano que a gente verifica sempre que a nossa população, a população brasileira, é capaz de dar, de mostrar e de realizar.

Então, na reunião que estive, que eu tive agora há pouco com os prefeitos e o governador, eu fiz uma homenagem aos integrantes do Exército Brasileiro, aos integrantes da Polícia Militar, aos integrantes do Corpo de Bombeiros e aos integrantes da Defesa Civil local e nacional. E isso é muito importante porque nesse momento difícil de tristeza, de destruição, o resgate, salvar vidas é o que há de mais importante. É isso que nós temos de primeiro olhar. E por isso eu homenageio essas pessoas, ao homenagear todos aqueles, inclusive, no abrigo que eu visitei, aqueles que de forma absolutamente desinteressada dão o seu trabalho, o seu esforço, o seu apoio gratuito nessa hora de emergência e de dificuldade por que passam famílias aqui no estado.

Quero dizer que infelizmente houve pessoas que perderam entes queridos, mas eu venho aqui hoje com o governador e os prefeitos, juntos com todos das cidades atingidas pelas chuvas, assegurar que o governo federal está em condições, está apto, está presente, está determinado a dar integral apoio a toda a população do Acre, ao governo e aos prefeitos para enfrentar esta enchente, esta cheia.

E eu quero dizer também que a gente já tomou um conjunto de medidas, que eu queria compartilhar essas medidas informando a vocês que nós participamos do esforço humanitário, colocando para as pessoas aqui, kits os mais variados, são chamados os Kits da Defesa Civil, que incluem cobertores, que incluem lençóis, material de limpeza, fraldas geriátricas, enfim, são aqueles kits emergenciais.

Falo também de todos os artigos, todos os medicamentos, todos os materiais que nós colocamos para saúde. Mas eu vou falar, sobretudo aqui, do Minha Casa, Minha Vida. Por que que eu vou falar do Minha Casa, Minha Vida? Eu estava aqui conversando com o governador e dizendo o seguinte: governador eu já fui em muitos, já fui em vários estados, visitei vários municípios que enfrentavam calamidades, mas eu quero constatar e nós temos, governador, de nos orgulhar. Essa é a primeira vez que, ao enfrentar, ao falar: “Olha, nós estamos aqui fazendo um esforço, nós vamos colocar todos os materiais necessários, nós vamos liberar os benefícios previdenciários, nós vamos liberar o Fundo de Garantia para a população das áreas atingidas”, nós podemos fazer uma medida concreta porque ela já estava em andamento, que é entregar essas 967 casas, moradias, casas. Eu visitei as casas, são casas que dão uma grande dignidade. Aliás, governador, eu queria parabenizar, porque eu vi uma qualidade de cerâmica, de piso, eu vi a parede, tanto na cozinha, como no banheiro, a parede adequada, eu fiquei impressionada, agora, com as aberturas em madeira. Porque antes, eu não sei se vocês sabem, não podia, no Minha Casa, Minha Vida, fazer abertura em madeira, porque em outros estados da Federação é mais caro a porta de madeira, só que aqui tem a madeira. Então, está liberada a madeira aqui para o Acre, aqui se terá porta de madeira e abertura de madeira. Com isso, o governador estava me dizendo: “Nós vamos criar também toda uma indústria moveleira, que vai fornecer milhares e milhares de portas e de janelas”.

Quero dizer que várias ações - e eu aqui escutei um balanço, tanto do governador... eu já tinha escutado um balanço do nosso general Adriano, que é o chefe nacional da Defesa Civil, junto com o Gilberto Occhi, que é o ministro da Integração, eles me deram ao longo de todo esse momento em que o Acre teve essas dificuldades, que está sofrendo essa calamidade, eu venho recebendo relatórios, venho recebendo sugestões, liberamos uma série de recursos para cá. Mas eu, além disso, hoje, recebi uma informação muito detalhada, pelo governador e pelo prefeito, a respeito do que acontece aqui e acontece em Rio Branco e nos demais municípios atingidos.

Quero dizer para vocês, que nós vamos continuar liberando. Primeiro, eu cumprimento as famílias que estavam nos abrigos, que sofreram perda dos seus bens e que agora entram numa residência e passam a ter um novo horizonte, um novo caminho, sobretudo, um lugar protegido para criar seus filhos, receber seus amigos, construir sua vida afetiva e viver com dignidade.

 

Primeiro eu quero dizer isso, mas depois eu quero dizer outra coisa. Eu quero dizer que nós aqui estamos entregando 433 moradias aqui no loteamento, aqui no residencial Cidade do Povo que é um dos maiores feitos habitacionais, porque equivale a ter construído com qualidade, planejamento, porque tem escola, tem postos de saúde, tem condições de lazer e de práticas de esporte, enfim, um local adequado para se criar os filhos nesse Brasil que nós queremos que seja o Brasil do futuro, feito agora no presente. Então, eu fico muito feliz de saber que aqui está sendo realizado, mas tenho também de destacar que no residencial Rui Lino 3 são 423 moradias. No Residencial Cabreúva são 100 e 11 moradias no Abunã. Mas não vai parar aí não, gente. Não vai parar aí, não, e eu quero dizer isso lembrando das cenas que eu vi no abrigo. Por que que não vai parar aí? Porque nós vamos dar continuidade a esse programa, primeiro com o que já está contratado, está quase pronto. Então, nós vamos até o dia 25 de março, além dessas 967, entregar mais 257 casas. Até 15 de abril, mais 204. No início, em meados de junho mais 756 moradias.

Com essa fase de hoje e com essas moradias que eu disse, nós vamos chegar a mais de 2 mil casas. Mas eu quero dizer para vocês que eu tenho clareza porque esse programa Minha Casa, Minha Vida é o maior programa habitacional da história do Brasil. E ele tem um objetivo: atender a população mais vulnerável, quem é mais vulnerável do que a população que está correndo risco, risco de vida por desastres naturais? Então, sempre no programa a população mais atingida teve prioridade.

Daí porque eu falo para vocês que o Minha Casa, Minha Vida vai continuar cumprindo esse papel. Nós vamos lançar a 3ª fase do programa. Serão mais… porque até agora nós já construímos e entregamos as chaves para 2 milhões e quase 100 mil famílias; 1.600 e poucas famílias têm as casas sendo construídas para serem entregues, inclusive, essas 967 vem daí. Aliás, eu falei 1.000? É um milhão, gente. Desculpa. Aí eu estou que nem o Tião, eu também estou antiga, viu, Tião. Eu confundi agora 1.000 com 1 milhão. Repetindo, gente, são 2 milhões de casas, um pouco mais: 2,1  milhões e  que nós já entregamos a chave, mais 1,650 milhão de casas estão para serem entregues, essas que eu falei de abril, de março, de junho estão dentro dessas. Além disso, nós vamos construir um programa para o período 2015-2018. Nesse período nós vamos ter uma meta: contratar mais 3 milhões de moradias, 3 milhões. Sem sombra de dúvidas, o Acre e esses municípios atingidos, terão prioridade no atendimento no que se refere às populações de áreas atingidas.

Daí, eu quero dizer para vocês uma coisa. Por que o Minha Casa, Minha Vida é tão importante e é tão estratégico para o país? Porque eu tenho certeza que na hora que vocês entrarem na casa e abrir a porta, o pessoal aqui que está recebendo a casa, ele vai passar por uma experiência de vida. Primeiro, um filme passa na cabeça, e aí a pessoa lembra de onde ela morava, lembra que ela morava em circunstâncias muito piores. E ela percebe que não só ela está morando muito melhor, mas tem uma diferença: ela vai pagar, é menos do que ela paga de aluguel, muitas vezes, muito menos. Mas, além disso, tem uma diferença fundamental nessas casas: ela, a pessoa que entra, o pai de família, a mãe de família, ela passa a ser dona do seu teto, ela está entrando em algo que será dela, propriedade dela. E é riqueza também para as crianças e para os filhos.

Foi emocionante, aquele menininho com um ano de idade, com aquela vivacidade no olho, mostrando a chave para todos nós. É algo que eu acho que é o maior símbolo do Minha Casa, Minha Vida: é aquele menino mostrando, com toda clareza, para quem que essas casas são feitas, em última instância, para quem que essas casas, de fato, são feitas. Lá no fundo, no fundo, são feitas para todas as crianças e jovens deste país terem um futuro melhor. E jovem e criança só tem um futuro melhor quando seus pais, suas mães têm um presente melhor. Para a criança ter futuro, pai e mãe tem que ter um presente melhor. Daí porque, a mim, enche de alegria o meu coração.

Queria dizer que eu queria me referir a uma coisa que aconteceu e que muito me orgulha: foi a indenização dos Soldados da Borracha. Eu muito me orgulho de ter sido a presidenta que pagou os Soldados da Borracha. Por quê? Porque eles foram, junto com todos os brasileiros que lutaram diretamente, lá em terras estrangeiras, lá na Europa, em defesa do país, o Soldado da Borracha lutou aqui dentro, em defesa de todos nós e também de toda a civilização ocidental. Lutou contra o fascismo, aqui dentro. Então, ficamos nós muito felizes de que esse pagamento para aquelas pessoas que lutaram como seringueiros dando a sua contribuição com a borracha, dentro dessa que foi a Segunda Guerra Mundial, eu quero dizer que para mim é um orgulho participar desse momento e saber que agora, há pouco, esse pagamento começou e vai continuar.

Quero falar para vocês, aqui, que eu perguntei para a Caixa, o pessoal aqui, do Residencial, eu perguntei para a Caixa: “Tá bom, esses 967, essas 967 moradias, essas 967 famílias, até que dia está todo mundo dentro da sua casa própria?”. E a resposta da Caixa - e a presidente da Caixa está ali na ponta, escutando -, a resposta da superintendente foi para mim, não sei se vocês viram, mas tem aí uma espécie de caminhão da Caixa - a superintendente me disse: “Até a próxima” - sem ser essa, não é? - “a próxima sexta-feira, sem ser essa sexta-feira, a próxima sexta-feira”.

Eu tenho certeza, eu tenho certeza que vocês podem… Obrigada. Eu quero assegurar a todos vocês que nesse novo mandato que eu recebi das urnas pelo voto de vocês e também por aqueles que não votaram em mim - quando a gente se elege, a gente governa para todos - quero dizer para vocês que o objetivo do meu mandato é continuar trabalhando para melhorar a vida de cada família brasileira. Todas as medidas que o meu governo toma têm um sentido: garantir que o nosso país cresça, gere emprego, garantir que as políticas sociais como essa do Minha Casa, Minha Vida, que nunca existiu nesse país e que, quando chegar 2018, nós vamos atingir 6,750 milhões de moradias. Isso é muito importante. Nunca no Brasil, na história brasileira, ocorreu um programa dessa dimensão.

E aí eu quero dizer para vocês, todo nosso esforço é no sentido de assegurar que esses programas não só continuem, mas melhorem de qualidade, expandam e atendam aqueles que mais precisam. E aí, eu quero deixar aqui uma promessa e um compromisso com essa população atingida: nós seremos inteiramente solidários com vocês. Nós seremos solidário com o governador, com o prefeito aqui de Rio Branco, com o governador Tião Viana, com todos os prefeitos de todos os municípios atingidos pelas enchentes e também com a população do Acre fora da enchente para que a gente assegure que tenhamos um estado que vai ficar no 3º lugar da educação, não, que vai disputar o primeiro lugar também.

Um abraço a todos vocês.

 

 

Ouça a íntegra (25min53s) do discurso da Presidenta Dilma Rousseff