Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da presidenta da República, Dilma Rousseff, durante Cerimônia de Batismo do navio Marcílio Dias - Ipojuca/PE

Discurso da presidenta da República, Dilma Rousseff, durante Cerimônia de Batismo do navio Marcílio Dias - Ipojuca/PE

por Portal Planalto publicado 14/05/2015 15h54, última modificação 14/05/2015 15h53

Ipojuca-PE, 14 de maio de 2015

 

 

Eu, primeiro cumprimento, aqui, a todos os trabalhadores do Estaleiro Atlântico Sul;

A todos os trabalhadores da Petrobras;

A todos os trabalhadores da Transpetro;

E aí queria cumprimentar uma representante das mulheres e da força de trabalho do Estaleiro Atlântico Sul, a Andréia Nascimento, que fez um discurso muito comovente e lúcido aqui hoje. E, ao saudá-la, eu saúdo, sobretudo, a força dos brasileiros e das brasileiras que sempre enfrentam desafios. Nós estamos aqui hoje porque enfrentamos, lá atrás, um grande desafio, que era a reconstruir a indústria naval. Senão nós não estaríamos hoje aqui.

Por isso, eu digo uma coisa para vocês: desafios estão em todos os caminhos, e hoje nós podemos, de fato, como disse a Andréia, comemorar uma festa porque mais um desafio foi superado e uma vitória foi conquistada com os dois navios: o André Rebouças e também o Marcílio Dias, que será, no futuro, mais uma nova vitória.

Queria cumprimentar também o governador Paulo Câmara, governador de Pernambuco;

Cumprimentar o presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, e o presidente da Transpetro, Cláudio Campos;

Cumprimentar o prefeito Pedro Mendes, prefeito em exercício aqui de Ipojuca;

Cumprimentar os ministros de Estado que me acompanham hoje: o Eduardo Braga, de Minas e Energia, e o Armando Monteiro Neto, um pernambucano, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior;

Cumprimentar os senadores Fernando Bezerra e Humberto Costa, e agradecê-los, junto com os deputados federais Luciana Santos e Sílvio Costa pela contribuição e pelo apoio que dão às iniciativas do governo.

Cumprimentar o almirante-de-esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira, comandante da Marinha;

Cumprimentar o senhor presidente do Estaleiro Atlântico Sul, senhor Burmann;

Cumprimentar o prefeito de Recife, Geraldo Júlio;

Cumprimentar a deputada estadual Tereza Leitão, e em nome dela cumprimentar todos os deputados;

Cumprimentar os empresários do Estaleiro Atlântico Sul, aqui representados;

Dirijo um cumprimento especial ao comandante do navio André Rebouças, Fábio Guilherme Lima Torres. Desejo à toda tripulação e também à Cláudia Malvares, madrinha do navio Marcílio Dias, desejo à toda tripulação do André Rebouças muitas felicidades na viagem, muita sorte e que vocês cheguem a um porto seguro;

Cumprimento o presidente do Sinaval, Ariovaldo Rocha, um grande defensor da indústria naval no Brasil;

Cumprimento, também, o diretor jurídico da Federação Única dos Petroleiros, a FUP, Luiz Lorenzon;

O presidente estadual da CUT, Carlos Veras;

O presidente estadual do Sindicato dos Metalúrgicos, Henrique Gomes do Nascimento;

Cumprimento os senhores e as senhoras jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas.

 

Como eu disse, essa é uma história, é uma história de decisões. Nós não chegamos aqui porque há um ano atrás começamos a fazer o navio André Rebouças, ou dois anos atrás continuamos fazendo o navio André Rebouças, ou qualquer outro navio. Nós chegamos aqui porque rompemos com uma realidade. Qual era a realidade? Era uma realidade terrível. O Brasil tinha sido, nos anos 80, o segundo maior produtor na área de indústria naval. E esse foi um processo que foi desmantelado. Foi tão desmantelado que os estaleiros que existiam, quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou ao governo, eram estaleiros que produziam pequenas embarcações, e alguns dos quais eu visitei - porque era então ministra de Minas e Energia -, tinham grama no chão. A grama crescia porque ninguém, nenhum trabalhador, nenhum funcionário, ninguém passava pelos canteiros, pelas áreas dos estaleiros. E mais, muita gente nesse país, muita gente, não, pouca gente, mas que se acha muita, dizia que o Brasil não tinha competência para fazer, não tinha competência para fazer, sequer, casco de navio, casco de plataforma ou casco de qualquer um dos produtos da indústria de petróleo e gás. Foi aí que conheci, inclusive, o Ariovaldo, do Sinaval, porque ele fazia parte do movimento do outro lado, que era o movimento para reconstruir a indústria naval no Brasil. E isso foi no início dos anos 2000, já no governo Lula… 2003 e 2004.

Pois muito bem, nós começamos a construir a indústria naval do nada, porque tinham sucateado o parque que havia. Mas aí, isso permitiu uma coisa muito importante: permitiu que uma decisão estratégica fosse tomada. Primeiro, a indústria naval não ia ser mais concentrada em um só lugar, beneficiando só uma região do país. Não, ela ia se espalhar pelo Brasil. Por espalhar, se entenda: ela iria se localizar no Nordeste, sim, e ia se localizar, óbvio, no Sudeste, onde ela sempre se localizou, mas ia também se localizar no Sul. E aqui nós estamos diante de um estaleiro que foi construído em cima de um lugar onde tinha só areia. Eu estive presente aqui quando as máquinas começaram a fazer terraplanagem. Eu vi esse estaleiro ser construído com os trabalhadores e a força dos trabalhadores pernambucanos. Eu vi e isso é muito importante porque eu tenho perfeita clareza que só superando obstáculos a gente consegue produzir no Brasil esses navios, com essa qualidade, incorporando tecnologia, melhorando a formação dos nossos trabalhadores, e gerando, no Brasil, emprego e renda.

Nós não somos um país que não gosta dos outros países, pelo contrário, a gente gosta. O que nós queremos é produzir, no Brasil, aquilo que pode ser produzido no Brasil. Aliás, produzir no Brasil aquilo que pode ser produzido no Brasil foi o lema inicial que levou à reconstrução da indústria naval. Nós, eu quero dizer com toda clareza para vocês: nós, que adotamos uma política de conteúdo local, que é justamente isso, nas mesmas condições, prazo e qualidade, com tecnologia de excelência que nós, hoje, podemos comprovar, nós estamos produzindo no Brasil o que o Brasil tem condições de produzir. Por isso, a política de conteúdo local, não é algo que pode ser afastado. A política de conteúdo local no meu governo é o centro de uma política de recuperação da capacidade de investimento desse país, faz parte disso.

Nós podemos, hoje, passar por algumas dificuldades. Passamos, sim, por dificuldades macroeconômicas, mas eu quero dizer para vocês porque hoje é diferente de antes: porque hoje tem isso aqui, porque hoje nós temos estaleiros, não só aqui em Pernambuco. Nós temos estaleiro aqui em Pernambuco, no Espírito Santo; nós temos estaleiro na Bahia; nós temos estaleiros no Rio Grande do Sul; nós temos estaleiros, enfim, em vários locais. Esses estaleiros produzem não só navios, produzem aquilo que a Petrobras demanda, aquilo que as outras empresas demandam, mas sobretudo a Petrobras. Produzem plataformas, produzem sondas, produzem navios, produzem navios chamados FPSOs. Navios com grau de valor agregado extremamente elevado,e o que é melhor, diziam que a gente não era capaz, diziam que a gente não teria condições de produzir, diziam que os nossos navios seriam piores. Na curva para aprender - o que se chama de curva de aprendizado - nós tivemos alguns problemas, sim. Que país não teve problemas? Que país, quando resolveu empreender, resolveu ser pioneiro em uma indústria, que país não teve problemas? Todos tiveram. Mas por que mesmo que nós temos de ter uma política de conteúdo local? Além disso, por razões muito importantes.

Nós temos, graças a Deus, a Petrobras. A Petrobras é, talvez, uma das maiores conquistas do povo brasileiro. Porque é uma grande empresa, com tecnologia nacional. Vocês vejam que ironia: no momento que a gente enfrenta, e temos de enfrentar, porque a Petrobras merece e a sociedade brasileira exige, temos de enfrentar e acabar com todos os malfeitos, todas as tentativas de uso indevido da empresa, todos os processos de corrupção. Mas, ao mesmo tempo, essa mesma empresa, ela é forte suficiente para ganhar o Oscar, o Oscar Tecnológico, na OTC, lá nos Estados Unidos, em Houston. E que Oscar é esse? Sabe qual é o Oscar? Ter sido capaz de extrair petróleo de uma profundidade extremamente elevada. Que profundidade é essa? Até entre - pelo menos se a minha memória não falha -, entre três a cinco mil metros de lâminas d’água. Às vezes sete, não é, Bendine? O que significa isso? Aguentar uma temperatura extrema, aguentar uma pressão extrema, e resolver o problema, resolver o obstáculo. Qual é o obstáculo? Extrai petróleo nessa profundidade; o Brasil extrai. Extrai petróleo nessa profundidade a preços competitivos; o Brasil extrai.

E além disso, é por causa disso, que hoje tem demanda para navio. Se essa demanda não for atendida por trabalhadores brasileiros, por empresas aqui instaladas nesse país, e aí nós aceitamos investidores que venham de fora investir aqui, gerar emprego aqui.  Se isso não ocorrer nós estaremos ameaçando o Brasil com uma coisa que no mundo se chamou “a maldição do petróleo” ou a “doença holandesa”. O que é isso? É o fato de que a riqueza gerada pode resultar no empobrecimento do resto do país e no enriquecimento só de um setor. Porque isso acontece em outros países do mundo, a chamada “maldição do petróleo”. Para não ter “maldição do petróleo” nós temos de ter uma cadeia, uma cadeia de petróleo e gás, fornecendo produtos com trabalhadores brasileiros treinados aqui, capazes, ganhando salários adequados e tendo uma renda adequada.

Portanto, por uma razão, também, que leva ao fato de que nesses países onde só tem petróleo, o que acontece? Todas as outras indústrias acabam, e eles passam a viver só de produtos importados. É isso que nós queremos para o nosso país? Não é isso que nós queremos para o nosso país. Por isso vocês podem ter certeza, a política de conteúdo local, ela veio para ficar (falha no áudio) que nós fizemos ainda no governo Lula. Eu tenho a honra de ter sido indicada pelo governo do presidente Lula, naquela época, para implantar a indústria naval. E eu tenho essa honra e sei que ela deu certo. Eu sei porque eu vejo vocês, vejo cada um dos trabalhadores e das trabalhadoras aqui do Estaleiro Atlântico Sul. Vejo cada um dos trabalhadores e trabalhadoras que nesse país inteiro conseguiram empregos nessa área e são empregos que geram valor, que geram riqueza para manter a si e à sua família.

Como mostrou aqui aquela… a companheira Andréia, quando ela mostrou o grupo de administração que a família dela... Esse grupo de administração que a Andréia mostrou, é aquele que nós queremos que seja beneficiado por empreendimentos desse tamanho e desse porte. E quero dizer outra coisa para vocês: eu posso dizer, eu tenho a convicção de que a Petrobras e toda a capacidade de exploração e produção de petróleo e gás no Brasil, vai transformar o Brasil em um grande exportador. Mesmo antes de nós virarmos exportadores, nós vamos continuar precisando de navios, plataformas e sondas, nós vamos continuar precisando disso. Para viabilizar a produção dos estaleiros nós temos, de um lado, a demanda da Petrobras, o financiamento do Fundo da Marinha Mercante e o Promef. Todos eles fazem parte de uma visão de que esse é um segmento que tem de ser desenvolvido: a indústria de petróleo e gás. Além disso, é importante dizer o seguinte: a Petrobras, como nenhuma outra empresa no mundo, conhece a chamada Bacia Continental Brasileira, é ela que conhece. Não só ela conhece como ela produz, com custos bastante competitivos.

Portanto, quero dizer também que os dois modelos que vigem no Brasil, do nosso ponto de vista, do ponto de vista do governo, têm que ser mantidos. Um modelo de concessão para a exploração e produção de petróleo em áreas de alto risco, cuja característica principal é: quem achar petróleo, em uma situação de alto risco, fica com o petróleo. E o modelo de partilha que é o seguinte: nós sabemos que na poligonal do petróleo, que está definida em lei, tem petróleo de alta qualidade, muito petróleo e, nesse caso, a sociedade brasileira, o povo brasileiro, tem direito a ter uma parte relativa à distribuição do petróleo, a parte chamada “do leão”. Então, o modelo de partilha é isso: a parte do leão. Fica com o povo brasileiro e com a sociedade brasileira. Ambos modelos fazem sentido. Um, quando você não sabe onde tem o petróleo; o outro, quando você sabe que tem petróleo, sabe que tem muito e que é de boa qualidade. Ninguém pode achar, em sã consciência, que é um grande peso para uma empresa ter acesso privilegiado onde tem petróleo, tem muito, e de boa qualidade. E é isso que acontece com a Petrobras, no caso do modelo de partilha que, do ponto de vista deste governo, vai ser mantido.

Quero encerrar dizendo o seguinte: hoje, nós estamos aqui, com o André Rebouças. O André Rebouças foi um militante, um lutador, um brasileiro que tinha visão do desenvolvimento do Brasil. E um outro brasileiro, Marcílio Dias, que lutou na Guerra do Paraguai e lutou em uma batalha decisiva, que foi a Batalha do Riachuelo. Os dois mostram a característica e a qualidade da cidadania brasileira, que é uma capacidade imensa de luta. É o fato de que nós somos brasileiros, nós somos humanos, mas nós temos uma imensa capacidade de resistir e de superar obstáculos.

Podem contar com o governo. Conteúdo local e política de partilha no meu governo está mantido.

 

Ouça a íntegra(21min39s) do discurso da Presidenta Dilma Rousseff