Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de assinatura de contratos de patrocínio de futebol - Brasília/DF

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de assinatura de contratos de patrocínio de futebol - Brasília/DF

por Portal Planalto publicado 19/01/2016 14h15, última modificação 19/01/2016 14h15

 

Palácio do Planalto - DF, 19 de janeiro de 2016

 

Queria primeiro cumprimentar a todos os presentes aqui,

Cumprimentar o ministro Jaques Wagner, da Casa Civil, o George Hilton, dos Esportes, Edinho Silva, da Secretaria de Comunicação Social,

Cumprimentar aqui o deputado Zé Rocha,

Cumprimentar a presidente da Caixa, Miriam Belchior,

Cumprimentar o secretário nacional de Futebol e Defesa dos Direitos dos Torcedores, o Rogério Hamam,

Cumprimentar os senhores dirigentes de clubes de futebol, Daniel Nepomuceno, do Atlético Mineiro, Eduardo Carvalho Bandeira de Mello, do Flamengo, Fernando Cabral, do Coritiba, Gilvan de Pinho Tavares, do Cruzeiro, João Humberto Martorelli, do Sport Recife, Luiz Sallim Emed, do Atlético Paranaense, Raimundo Dias Viana, do Vitória, Sandro Luiz Pallaoro, do Chapecoense, Wilfredo Brillinger, do Figueirense, meus caros Júlio César e Adílio, ex-jogadores do Flamengo,

Senhoras e senhores, jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas.

Nos 155 anos de existência completados no último dia 12, a Caixa tem sido fundamental para o desenvolvimento do Brasil. A cada dia a Caixa aprimora sua atuação e seu compromisso em favor das brasileiras e dos brasileiros, apoiando a execução de politicas sociais como o Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida e também o financiamento de obras decisivas para a melhoria da nossa infraestrutura. O apoio ao esporte nacional é uma das expressões do compromisso da Caixa com o povo brasileiro. A marca da Caixa está presente em várias modalidades esportivas olímpicas e paralímpicas. Neste ano de olimpíada no Brasil, é muito importante essas políticas que levam à garantia da sustentabilidade dos treinamentos. Ajuda a construir histórias de sucesso e viabiliza a conquista de muitas medalhas pelos nossos atletas. Hoje, ao firmar esses contratos de patrocínio, a Caixa reafirma novamente sua parceria com o futebol brasileiro. Os dez clubes que assinam esses novos contratos carregam consigo a paixão de milhões torcedores, de milhões de torcedoras por todo o nosso País. Com recursos obtidos, tenho certeza que vão trabalhar para garantir a qualidade do nosso futebol. Como mineira, vejo com satisfação os dois maiores clubes de futebol de Minas Gerais entrarem nesse grupo. Dou as boas-vindas ao Cruzeiro e ao meu querido Atlético que passam a contar a partir desse ano com patrocínio da Caixa. O apoio da Caixa ao futebol, em 2016, irá além desses contratos. Está prevista ainda a renovação do contrato do Corinthians e as negociações com o Atlético de Goiás e o Vasco.

Está previsto também o patrocínio à Copa do Nordeste, à Copa Verde, às séries B e C do Campeonato Brasileiro, ao Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino e ao Torneio Internacional de Futebol Feminino. Essas competições são importantes para o fortalecimento do futebol em todas as regiões do Brasil e aqui, com destaque especial, ao futebol feminino também. O patrocínio da Caixa aos clubes é uma parceria comercial que tem se mostrado positiva tanto para o futebol quanto para a Caixa. Está alinhado com o compromisso do governo de desenvolvimento do futebol brasileiro em bases sustentáveis dos pontos de vista financeiro, de gestão, da relação profissional com os atletas e da valorização do espetáculo.

Nós todos aqui demos uma passo decisivo em favor dessa sustentabilidade, em 2015, com início de vigência do programa de modernização do futebol brasileiro, o Profut. O Profut foi construído com a participação de todos aqui presentes e de outras pessoas também, e foi construído a partir de intensos debates entre todos os envolvidos. Ele propiciou algo importante, que foi o refinanciamento das dívidas dos clubes, estabelecendo como contrapartida compromisso com regras de governança, de transparência e de responsabilidade fiscal. Foi instituído com o Profut uma verdadeira lei de responsabilidade do futebol para que nossos clubes possam se tornar empresas lucrativas que contratarão nossos atletas e empresas com capacidade de investimento que formam os nossos craques,  em que as relações com os atletas sejam as mais profissionais possíveis. Prova do sucesso do Profut é que 111 clubes inscreveram-se no programa no prazo previsto na legislação. Nós assinaremos hoje o decreto - aliás, já assinamos né?- o decreto que criará a Autoridade Pública de Governança do Futebol. Essa Autoridade Pública de Governança do Futebol, ela contará com a participação paritária de atletas, de dirigentes, de treinadores, de árbitros e será a instância fiscalizadora do Profut, garantindo a efetiva modernização da gestão dos clubes de futebol. Assim, acompanharemos com interesse, rigor e transparência o cumprimento das contrapartidas assumidas pelos clubes. O Profut permitirá que os patrocinadores tenham mais confiança na boa aplicação dos recursos investidos e que continuem apostando no fortalecimento do futebol brasileiro. Marca o início da maior reforma já vivenciada pelo futebol e tenho certeza que nós iremos adiante. Na semana passada, eu determinei ao Ministério da Educação que instituísse uma comissão para conduzir os estudos necessários a criação de cursos de graduação e pós-graduação nas áreas de gestão dos esportes e do futebol. Nós queremos criar as condições para investir na capacitação de gestores, fundamental para que o nosso esporte, inclusive o futebol, possa se desenvolver de forma profissional. Ainda este ano encaminharei ao Congresso Nacional a proposta de revisão da lei Pelé e do Estatuto do Torcedor. Queremos também propor uma legislação trabalhista própria para o futebol que deixe mais claro as responsabilidades dos clubes e proteja os atletas nas especificidades da sua profissão. Todas essas mudanças, elas vão dar velocidade ao processo de modernização da indústria do futebol, fazendo com que essa cadeia produtiva gere ainda mais emprego, mais renda e, sobretudo, mais vitórias para o País. Acima de tudo, nós queremos valorizar a nossa historia e a nossa identidade, pois somos sem dúvidas a Pátria de Chuteiras, como disse Nelson Rodrigues. É exatamente isso que a Caixa está fazendo hoje, marcando um gol de placa para ajudar a fazer com que o Brasil volte a exportar o espetáculo e a arte de seu futebol e não apenas nossos craques.

Muito obrigada.

  

Ouça a íntegra de discurso (08min24s) da presidenta Dilma.