Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de abertura do Festival Internacional de Artes Europalia Brasil 2011

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de abertura do Festival Internacional de Artes Europalia Brasil 2011

por Portal do Planalto publicado 04/10/2011 16h01, última modificação 04/07/2014 20h07
Presidenta Dilma destaca que a cultura é a expressão maior da alma de uma sociedade

Bruxelas-Bélgica, 04 de outubro de 2011

  

Suas Majestades (incompreensível),

Suas Altezas Reais,

Senhor Yves Leterme, primeiro-ministro do Reino da Bélgica,

Conde Jacob (...), presidente da Euduvale,

Senhor Herman Van Rompuy, presidente do Conselho Europeu,

Senhor José Manuel Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia,

Senhoras e senhores profissionais da imprensa,

Senhoras e senhores,

É uma alegria participar da inauguração do Festival Europalia, evento singular por sua riqueza e simplicidade. Para o Brasil é ocasião de apresentar uma ligação ampla e aprofundada, aspectos de nossa cultura e de nossa visão do mundo.

A cultura, expressão maior da alma de uma sociedade, é também importante que a gente (incompreensível). No Brasil, o nosso compromisso de nos desenvolver e erradicarmos a extrema pobreza tem também uma dimensão (incompreensível) o combate à miséria material, implícita na incentivação dos direitos de cidadania e na elevação de mulheres e homens a uma vida digna e plena e o acesso aos bens culturais e à produção da arte.

No momento em que o mundo precisa reaprender a importância do diálogo, o Brasil e a América do Sul têm algo mais a oferecer, além do (incompreensível) econômicos e sociais: nossa (incompreensível) étnica e cultural e nossa capacidade de conviver em paz nessa diversidade.

Senhoras e senhores,

A diversidade cultural do Brasil integra nossas raízes históricas. Somos (incompreensível) povo formado pela influência de etnias, crenças e manifestações artísticas de diferentes tradições. Somos um país mestiço, no qual migrantes de todas as regiões do mundo somam-se às três matrizes onde surgiram o povo brasileiro: a indígena, a europeia e a africana. Eis uma mistura que nos orgulha e define.

Neste ano, o Ano Internacional dos Povos Afrodescendentes, ressalto a contribuição africana para a identidade cultural do Brasil, país com a segunda maior população negra do mundo. Ao prestigiar a cultura do Brasil, o Festival Europalia homenageia também um pouco da grande riqueza cultural da África, que se nacionalizou brasileira.

Senhoras e senhores,

Os brasileiros orgulham-se muito de seu patrimônio cultural e de suas tradições populares, mas também ousam reinventá-los e reinterpretá-los. Mostraremos aqui, na Europalia, um pouco dessa cultura viva em movimento permanente.

Hoje lanço o convite a todos que queiram, sem preconceitos, conhecer um pouco da reflexão do Brasil sobre si mesmo e sobre o mundo. Venham encontrar o Brasil que a Europa conhece, mas também o Brasil que ela ainda não vê. Terra da arte popular erudita, tradicional e inovadora, sucessão e (incompreensível) urbano, de uma grande indústria criativa.

O Europalia Brasil abrange exposições desde o Brasil pré-colonização até a vanguarda mais experimental, em mais de 400 atividades envolvendo as mais variadas linguagens artísticas e manifestações regionais do país.

Aproveito esta oportunidade para agradecer os profissionais de diversos países que se dedicaram à organização do Festival e às empresas que compreenderam a importância do investimento na cultura e colaboraram com o seu financiamento.

Estendo agradecimento especial aos artistas, que, ao exporem seus trabalhos, (incompreensível) todos os brasileiros e brasileiras.

Senhoras e senhores,

Queremos que o Brasil seja melhor pensado a partir da Europa, como queremos que a Europa seja melhor pensada a partir do Brasil. Foi mais que oportuna a escolha da Bélgica e de Bruxelas, para esse esforço inédito e estruturado de apresentação da cultura brasileira, de nossa visão de mundo, de nossa memória do passado e de nossa compreensão da experiência do presente.

Muitos já falaram que a Europa (incompreensível) como um grande espaço de encontros de cultura. Em suas ruas, monumentos tantos (incompreensível), a Europa é também um lugar de memória, onde o passado está sempre presente.

Este continente que já enfrentou e superou tantas dificuldades em sua história, encontrará, nessa confluência de culturas e nessa memória, a força para superar os percalços do momento, afinal (incompreensível) nossos passados e nossos presentes nos habilitamos a desenhar um futuro melhor.

O diálogo que estabelecemos hoje, inaugurando o Festival Europalia é mais um passo no aprofundamento do conhecimento mútuo, fundamental para a construção do mundo mais democrático, aberto e plural que todos queremos.

Agradeço as palavras amigas de todos os que me antecederam e queria dizer que fiquei muito comovida com a síntese do ministro Barroso... do presidente Barroso, que sintetizou o Brasil como sendo um vulcão artístico, do qual, sem dúvida, Portugal (incompreensível) mais.

Ouça a íntegra do discurso (07min09s) da Presidenta Dilma