Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após cerimônia de assinatura de atos

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após cerimônia de assinatura de atos

por Portal do Planalto publicado 23/02/2013 12h17, última modificação 04/07/2014 20h14

Abuja-Nigéria, 23 de fevereiro de 2013

 

Cumprimentar as delegações brasileira e nigeriana.

Cumprimentar os nossos jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas.

 

É, sem dúvida, um prazer estar aqui na capital da Nigéria e dar continuidade ao diálogo iniciado com o presidente Goodluck Jonathan na Rio+20.

Eu queria demonstrar meu profundo agradecimento à hospitalidade do governo e do povo nigeriano. O povo brasileiro vai retribuí-la, em junho deste ano, com uma calorosa acolhida à sua talentosa seleção de futebol durante a Copa das Confederações - dentro, portanto, de alguns meses.

O povo brasileiro e o povo nigeriano compartilham muitas coisas. Sem sombra de dúvidas, entre as numerosas etnias africanas, e com a diáspora, foram ao Brasil a etnia iorubá ou yoruba e a etnia haussá integram, hoje - através da sua contribuição cultural, artística - integram a nacionalidade brasileira.

Por isso, além de ser importante porque os nossos dois países são países importantes nas nossas respectivas regiões e nesse mundo multipolar, há o estreitamento das relações entre o Brasil e a Nigéria. Sem sombra de dúvida, vai significar um aumento da nossa posição  internacional.

Por isso, instituímos hoje o mecanismo do diálogo estratégico Brasil-Nigéria, e se destina a incrementar tanto o comércio bilateral quanto estimular parcerias tecnológicas, cientificas, e fortalecer nossos parques industriais e produtivos. Mas eu insisto, sobretudo, significa reafirmar a importância de duas regiões do mundo, África e América Latina, na construção de um mundo multipolar.

O ex-presidente Nigeriano Obasanjo, e o ex-presidente Lula estabeleceram as linhas ao formatar na ASA, África e South America Summit, ao formatar este relacionamento, tiveram a visão estratégica, que cabe a mim e ao presidente Jonathan realizar.

Nosso intercâmbio tem crescido muito. De 2009 à 2012, anos de crise, cresceu e já chegamos no último ano a US$ 9 bilhões. Nós concordamos que é preciso torná-lo mais diversificado e mais equilibrado. Há 14 anos a Petrobras está aqui na Nigéria produzindo petróleo, pretende ampliar essa produção e pretende estabelecer cada vez mais uma presença marcante aqui na Nigéria.

Nós queremos ir além, nós queremos estabelecer uma parceria, também, na área de energia elétrica dada a capacidade do Brasil na área de geração hídrica e na construção de um grande sistema de transmissão. Queremos, portanto, ampliar a nossa parceria nessa área.

Queremos intensificar o apoio aos esforços do governo nigeriano em prol do desenvolvimento agropecuário. Pretendemos compartilhar nossa experiência em máquinas, equipamentos agrícolas, no fato de que novos métodos e técnicas produtivas adaptados ao Cerrado são adequados aqui na Nigéria dado - isso que o presidente Jonathan marcou muito bem - que é o fato de sairmos de um mesmo continente. Vamos aprofundar nossa parceria por meio da Embrapa, que é a Empresa Brasileira de Tecnologia [Pesquisa] Agropecuária. Nós vamos, sobretudo, dedicar uma atenção especial à formação profissional de técnicos e agrônomos, seja em áreas de pós-graduação, de graduação, quanto de formação técnica.

Estamos analisando novos instrumentos de financiamento, de investimentos em infra-estrutura. E vamos ampliar a presença do Brasil em todas as áreas que o governo nigeriano julgar importante tais como: produção de vacinas antirretrovirais, medicamentos genéricos de alto custo, dando apoio ao governo nigeriano nos seus esforços no âmbito de saúde pública.

Nós concordamos em trocar conhecimentos e experiências de combate à pobreza, e segurança alimentar, que os nossos dois países têm de enfrentar.

Estamos muito honrados com o fato, o fato do Brasil ser o tema do Festival de Cultura Negra em Lagos, em outubro de 2013. E deste festival nós participaremos de forma muito ativa.

Vamos cooperar na área de defesa e segurança. E na área internacional, defendemos a necessidade da presença da África e da América Latina no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Conversamos também sobre a importância de participarmos na estabilidade, principalmente, no caso da Guiné Bissau. O Brasil e a Nigéria são países com grandes populações. Somos ricos em recursos naturais. Culturalmente, etnicamente dizendo, temos uma rica cultura.

O Brasil e a Nigéria são países que têm um papel neste século XXI, eu estou certa, e nós temos um papel a cumprir enquanto a crise econômica, que atinge os países desenvolvidos, diminui o comércio naquela direção. Nós devemos estreitar as nossas relações, ampliar o nosso comércio, aumentar os nossos investimentos. Sem dúvida, a Nigéria é parte relevante da história do Brasil, e será, cada vez mais, parte do nosso futuro.

Muito obrigada.

 

ouça a íntegra do discurso (12min22s) da Presidenta Dilma