Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Declaração da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante a abertura da reunião com Chefes de Estado dos Brics

Declaração da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante a abertura da reunião com Chefes de Estado dos Brics

por Portal Planalto publicado 14/11/2014 22h06, última modificação 15/11/2014 00h18

Brisbane-Austrália, 14 de novembro de 2014

 

 

Prezados Líderes,

Dou por aberto o presente encontro dos líderes dos BRICS.

Incumbe ao Brasil, na qualidade de presidente pro tempore, a honra de conduzir os trabalhos depois de nossa exitosa cúpula de Fortaleza. É uma grande satisfação nos encontramos novamente em Brisbane, para dar continuidade à nossa importante agenda.

Infelizmente o quadro econômico mundial não avançou muito desde julho último. Chegamos ao final de 2014 vendo frustradas nossas expectativas iniciais de recuperação da economia mundial. Em meio às dificuldades da conjuntura internacional, foi fundamental que, em nosso último encontro, em Fortaleza, no Brasil, tivéssemos aprovado a criação de dois importantes instrumentos - o Banco de Desenvolvimento dos Brics e o Acordo Contingente de Reservas -, para potencializar nossa atuação econômica e financeira.

A partir de agora vamos dar mais um passo na consolidação desses mecanismos.

Amigos líderes,

Desde nossa última reunião em Fortaleza, a situação da economia mundial, infelizmente, pouco avançou.  Os países avançados não conseguiram uma recuperação consistente e o comércio internacional não cresce o suficiente para estimular os países emergentes. Pelo contrário, estamos assistindo a uma queda do preço das commodities, que sinaliza o enfraquecimento da economia internacional e vai comprometer a renda e o crescimento de alguns emergentes. Essa queda no preço das commodities reflete, também, uma reacomodação da economia mundial às perspectivas de elevação futura do dólar americano. É preciso que os países avançados recomponham sua demanda interna aos níveis pré-crise, ao invés de tentar resolver seus problemas com o aumento de suas exportações. Essa situação provocou um déficit de transações correntes no Brasil de 3,7% do PIB.

Ouça a íntegra da declaração (2min20s) da Presidenta Dilma Rousseff.