Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Declaração à imprensa concedida pela Presidenta da República, Dilma Rousseff, em conjunto com o primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper

Declaração à imprensa concedida pela Presidenta da República, Dilma Rousseff, em conjunto com o primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper

por Portal do Planalto publicado 08/08/2011 18h46, última modificação 04/07/2014 20h06
O evento aconteceu na Sala Brasília do Palácio Itamaraty

 

Palácio do Planalto, 08 de agosto de 2011


Queria cumprimentar o excelentíssimo senhor Stephen Harper, primeiro-ministro do Canadá,

Queria cumprimentar também todos os integrantes da delegação do Canadá, senhoras e senhores ministros,

Queria cumprimentar também a delegação aqui presente, dos ministros brasileiros: ministro Patriota, das Relações Exteriores; Fernando Pimentel, do Desenvolvimento, Indústria e Relações... Comércio internacional [Exterior]; o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante; o ministro Orlando Silva, do Esporte; a ministra Helena Chagas, da Comunicação Social; o ministro Garibaldi Alves, da Previdência,

Queria cumprimentar também as senhoras e os senhores jornalistas, cinegrafistas e fotógrafos,

Queria cumprimentar também os empresários brasileiros e canadenses aqui presentes e desejar que nós tenhamos um ótimo fórum de CEOs,

Inicialmente, eu queria dar as boas-vindas ao primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper, e à sua comitiva integrada por membros de seu gabinete e do setor privado.

Esta é uma oportunidade especial, senhor Primeiro-Ministro, para que nós aprofundemos e ampliemos a nossa parceria e a nossa cooperação. Nossos países dispõem de valioso potencial de desenvolvimento, e o Canadá e o Brasil serão capazes de estreitar e efetivar essa relação de cooperação. Nós, Brasil e Canadá, possuímos estrutura produtiva e pauta de exportação diversificada.

A abundância de nossos recursos naturais representa seguro importante para um futuro sustentável de progresso e bem-estar para as nossas sociedades. Possuímos duas das maiores reservas mundiais de água doce e estamos entre os principais produtores de alimentos, minérios e energia renovável.

Por isso, o Canadá e o Brasil oferecem grandes possibilidades para a concretização de projetos bilaterais e para a construção de uma ordem global mais equânime, mais próspera e muito mais sustentável.

Somos, igualmente, duas grandes nações multiétnicas, que compartilham princípios e valores democráticos, essenciais para a construção de um mundo mais justo e mais pacífico.

Nas conversações que mantivemos na manhã de hoje expressei ao Primeiro-Ministro nossas preocupações com a deterioração da situação econômica e financeira internacional. Políticas monetárias unilaterais, insensatez política na condução da economia, ajustes fiscais não completados comprometem o crescimento da economia mundial e golpeiam o equilíbrio social e político de muitos países desenvolvidos. Quem paga a conta é o conjunto da humanidade, inclusive aquela parte que soube implementar alternativas de desenvolvimento com inclusão social e equilíbrio.

Eu expressei ao senhor primeiro-ministro Harper uma análise sobre a situação do Brasil. Hoje nós estamos muito mais fortes para enfrentar a crise, do que estávamos no início de 2009 e final de 2008. Temos quase 60% a mais de reservas. Hoje, chegamos a quase US$ 350 bilhões. Temos muito mais recursos depositados no Banco Central, a título de compulsório. Hoje, um pouco mais que o dobro, 420 bilhões de reservas é o que possuímos no Banco Central.

Temos clareza de que não somos imunes - não vivemos em uma ilha -, mas sabemos que o Brasil tem força suficiente, e eu quero crer que o Canadá também, para fazer face a essa conjuntura.

Nós podemos, em vários órgãos, externar a nossa solidariedade a todos os países, no que se refere a políticas de saída da crise. Nós também podemos deixar claro que não compartilhamos com a avaliação precipitada, e um tanto quanto rápida e, eu diria assim, não correta da agência que diminuiu o grau de valorização de crédito dos Estados Unidos, a Standard & Poor’s.

Mas, além de toda a cooperação que devemos dar mais uma vez a todas as políticas de contenção da crise, acredito que o Brasil e o Canadá têm nas iniciativas concretas de cooperação um dos caminhos mais produtivos para que o Brasil e o Canadá participem, efetivamente, de um processo de retomada do crescimento.

Nós decidimos estabelecer um mecanismo informal de coordenação para permitir o diálogo estratégico, não só sobre a cooperação bilateral, mas também sobre as agendas regional, internacional e global.

Eu saúdo especialmente, aqui, a criação do Fórum de Altos Executivos Brasil-Canadá – o fórum de CEOs –, e o anúncio do co-presidente da sessão brasileira, que é o nosso Murilo Ferreira, presidente da Companhia Vale do Rio Doce. Eu tenho certeza de que essa instância, fórum de CEOs, contribuirá para a identificação de novas oportunidades de comércio e de investimento, atualmente centradas em agricultura, mineração, energia e serviços. Eu tenho a convicção de que a melhor forma de enfrentar essa crise é continuar o processo de desenvolvimento de parcerias como esta entre o Brasil e o Canadá.

Em particular, a minha expectativa é de que o estoque de investimento estrangeiro direto – canadense – no Brasil, que hoje é de US$ 9,7 bilhões, possa, em breve, equiparar-se ao estoque brasileiro de investimento estrangeiro direto no Canadá, que é de US$ 21 bilhões, que é o maior estoque brasileiro de investimento no exterior. A magnitude dessas cifras mostra as possibilidades de crescimento conjunto de nossos países.

Nós instituímos, ainda, um diálogo sobre energia, a fim de melhor explorar a convergência de visões e o desenvolvimento de projetos comuns em fontes renováveis e não renováveis. Vamos ter uma relação mais estruturada nessa área, cada vez mais estratégica no mundo atual e na qual nossos países ocupam uma posição muito vantajosa.

Mas nosso desenvolvimento e nossa parceria têm de beneficiar também outras nações, em especial as mais pobres e as mais vulneráveis, como por exemplo, a nossa parceria no Haiti e na África, especialmente na região do Chifre da África.

O reforço de nossos vínculos bilaterais tem uma série de outros instrumentos de cooperação que adotamos hoje, como vocês viram, nas áreas de organização de megaeventos esportivos, serviços aéreos e previdência social. Estamos, ainda, implementando mecanismos de ciência, tecnologia e inovação, que conjugarão esforços dos governos, da academia e do setor privado em tecnologia da informação, nanotecnologia, biotecnologia, energia e ciências do mar. Também queremos desenvolver novas frentes de cooperação na área espacial, por meio do desenvolvimento de satélites e de sistemas de monitoramento meteorológicos.

Na área educacional, queremos estabelecer maior intercâmbio de pesquisadores e estudantes. Espero que a cooperação com o Canadá possa desenvolver-se no contexto do programa Brasil [Ciência] sem Fronteiras, que lancei no mês passado para a concessão, até 2014, de 100 mil bolsas no exterior a estudantes brasileiros.

Saúdo, ainda, o diálogo exploratório iniciado com o Mercosul e o Canadá, em torno da conclusão de um acordo de comércio, iniciativa que contribuirá para o estreitamento de nossas relações. Convidei o primeiro-ministro Harper a participar da Rio+20, Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, que se realizará em junho do ano que vem, no Rio de Janeiro. O Brasil considera esse evento um evento muito importante, no que se refere à agenda internacional do desenvolvimento sustentável e da cooperação internacional. Lá poderemos traçar as perspectivas de longo prazo, no que se refere ao clima e aos resultados do uso de melhores alternativas para a proteção do meio ambiente.

Diante desse cenário e perspectivas, é certo afirmar que lançamos hoje novas bases para um salto qualitativo nas relações entre o Canadá e o Brasil. Nossa cooperação bilateral, eu estou certa, contribuirá nesse cenário de instabilidade internacional para estimular investimentos, para gerar tecnologias, para gerar oportunidades para nossos países, melhorando o nível educacional, promovendo a criação de empregos, a inclusão social e o crescimento sustentável.

Essas são algumas das razões que fazem com que eu saúde, mais uma vez, a presença do primeiro-ministro Harper entre nós. E agradeço a toda a sua delegação por esta participação, pelo apoio e pela cooperação nessas relações que queremos instituir entre o Brasil e o Canadá.

Muito obrigada.

 

Confira a íntegra do discurso (12min19s) da Presidenta Dilma.