Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após Reunião ampliada com o presidente de Estado Plurinacional da Bolívia, Evo Morales - Brasília/DF

Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após Reunião ampliada com o presidente de Estado Plurinacional da Bolívia, Evo Morales - Brasília/DF

por Portal Planalto publicado 02/02/2016 14h50, última modificação 02/02/2016 15h15

 

Excelentíssimo senhor Evo Morales, presidente do Estado Plurinacional da Bolívia,

Senhoras e senhores ministros de Estado e integrantes das delegações da Bolívia e do Brasil,

Senhoras e senhores jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas.

Senhoras e senhores,

Tenho hoje a especial satisfação de receber o presidente Evo Morales. Quero agradecer-lhe, e a sua delegação, por esta visita.

A Bolívia é para o Brasil um parceiro fundamental e estratégico. É um país que possui nossa maior fronteira, com uma grande extensão em milhares de quilômetros e com o qual mantemos forte processo de integração.  

Compartilhamos também, cada vez mais, vínculos humanos com brasileiros radicados ou estudando na Bolívia e bolivianos estudando e trabalhando no Brasil, para  o desenvolvimento de nosso País e contribuindo com seu trabalho.

Nossos governos estão unidos na prioridade que damos à eliminação da fome e à redução da pobreza e da desigualdade.

Gostaria, nesse sentido, de reconhecer e ressaltar os imensos avanços sociais e os grandes avanços econômicos pelos quais a Bolívia tem passado nos últimos anos. Isso graças ao governo do presidente Evo Morales. Saudamos, portanto,  os resultados muito positivos no combate à pobreza, o aumento da renda da população e o excelente desempenho da economia que permitirão que o país desempenhe papel cada vez importante em nossa região: Celac, Unasul e Mercosul onde a Bolívia tem tido cada vez maior presença.

Hoje, o presidente Evo Morales e eu repassamos os principais temas da agenda bilateral, como a importantíssima integração energética, que existe entre nossos paises na área de gás e certamente de outros hidrocarburos. A cooperação é fronteiriça, necessária entre países que compartilham fronteira tão imensa. Infraestrutura, defesa, comércio e investimentos, combate aos ilícitos internacionais, comércio, cooperação técnica e gestão de recursos hídricos, além da agricultura e segurança alimentar, entre outros.

Quero destacar aqui a importância da integração energética. O Brasil estimula e apoia o objetivo, anunciado pelo presidente Evo Morales, de transformar a Bolívia em centro energético regional. Atualmente, a Bolívia contribui para a estabilidade energética do Brasil, com cerca de 30% da oferta de gás natural sendo coberta pela Bolívia no mercado brasileiro. Mediante novos investimentos em hidroeletricidade e hidrocarbonetos, nosso vizinho boliviano, nosso vizinho da Bolívia, ampliará seu potencial de produção e exportação de energia elétrica. Vamos trabalhar, também, em iniciativas conjuntas relativas a GNL, GLP e fertilizantes, aproveitando sinergias e complementariedades entre nossos países.

Nesse contexto, estabelecemos, em 2015, o comitê binacional sobre energia, para trabalharmos na identificação e desenvolvimento de novas oportunidades, como, por exemplo, o aproveitamento hidrelétrico conjunto do Rio Madeira.

Temos todo o interesse em avançar em projetos de infraestrutura, que facilitem os fluxos entre nossos países na América do Sul e nos mercados extra-regionais. Abordamos e definimos o estudo e a avaliação econômico-financeira do projeto do corredor ferroviário bioceânico central, projeto complementar à Ferrovia Transcontinental e o acesso ao Depósito Franco, no porto de Paranaguá, pela Bolívia.

Ressaltei ao presidente Evo Morales o interesse que o Brasil tem em ampliar o comércio entre nossos países. Somos o primeiro destino das exportações bolivianas e o segundo maior fornecedor de produtos para o país. É necessário, porém, diversificar e aumentar nossas trocas, para voltar a superar o patamar dos US$ 5 bilhões de intercâmbio comercial.

Também concordamos em priorizar a cooperação fronteiriça, em benefício das comunidades de brasileiros e bolivianos que vivem ao longo de nossa extensa fronteira, assim como daqueles residentes nos dois países, estimulando as reuniões dos Comitês de Integração Fronteiriça.

No plano regional, a adesão da Bolívia ao Mercosul conta com o firme e determinado apoio do Brasil. Ela confirma a atratividade do bloco, ela aumenta atratividade do bloco, ela fortalece o propósito energético de eliminar barreiras comerciais e aprofundar a integração sul-americana.

Temos, com a Bolívia, permanente diálogo no âmbito da Celac e da Unasul, em amplíssima gama de temas.

Abordamos também o desafio do vírus zika e a necessidade de trabalharmos juntos para combater o mosquito, evitando sua proliferação e desenvolvendo vacinas. É uma tarefa necessariamente coletiva de todos os países, aqui da América do Sul e da América Latina.

Analisamos, ademais, a conjuntura econômica internacional e seu impacto sobre países como os nossos, com importante pauta exportadora de commodities.

Quero, por fim, agradecer o nosso querido amigo Evo Morales. Brasil e Bolívia vão continuar sendo parceiros prioritários na consolidação de um espaço de crescimento, de paz, de democracia, justiça social e inclusão na América Latina, na América do Sul.  

Muito obrigada.