Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após cerimônia de assinatura de atos

Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após cerimônia de assinatura de atos

por Portal do Planalto publicado 14/12/2012 12h56, última modificação 04/07/2014 20h13

Moscou-Rússia, 14 de dezembro de 2012

 

Presidente Putin,

Senhores ministros do Brasil e da Rússia,

Senhores jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas,

 

Permitam-me começar registrando meu profundo agradecimento à hospitalidade do povo e do governo russos.

Brasil e Rússia desenvolvem uma parceria estratégica ancorada em visões convergentes sobre o mundo.

No BRICS, no G-20 e nas Nações Unidas, nossos países defendem um mundo multipolar que reflita as profundas transformações pelas quais passa a humanidade.

Tivemos hoje uma conversa muito produtiva, eu e o presidente Putin, sobre os principais temas da agenda internacional, a começar pela situação financeira global.

A Rússia assumiu a presidência do G-20. Esse é um fato auspicioso, pois pela primeira vez o G-20 é presidido por um dos BRICS. Vamos manter estreito contato e avançar numa visão comum, que assegure prioridade à promoção do emprego e à promoção de políticas de incentivo ao crescimento como caminho para superar a crise.

Tencionamos manter estreito diálogo sobre a reforma do Fundo Monetário e das instituições financeiras internacionais, para que seus órgãos decisórios reflitam a configuração do mundo de hoje.

Expus ao presidente Putin a minha preocupação com o receituário de austeridade exclusiva, que vem sendo imposto aos países em crise na Europa.

Discutimos sobre o comércio bilateral entre o Brasil e a Rússia, que ainda não recuperou o seu dinamismo do período pré 2009, mas que já mostra sinais inequívocos de recuperação.

Vamos apoiar os conselhos empresariais de nossos países para elevar nosso intercâmbio, no médio prazo, a US$ 10 bilhões anuais.

A expressiva delegação empresarial – mais de 80 empresários que me acompanham – mostra o nosso empenho em desenvolver nossos vínculos econômicos, tanto comerciais como no que se refere aos investimentos recíprocos.

Manifestei às autoridades russas, em especial ao presidente Putin, minha alegria com a certificação das aeronaves da Embraer para o mercado local.

Expressei a minha expectativa sobre o pleno e pronto restabelecimento do comércio de carnes suínas entre os nossos países e o fim do embargo aos três estados brasileiros.

O presidente Putin e eu avaliamos a agenda de cooperação entre os nossos países. A abrangência e o potencial dessa parceria estão refletidos no plano de ação que acabamos de assinar e no comunicado conjunto que será emitido.

Considero muito significativa nossa determinação que atribui a cooperação em ciência, tecnologia e inovação, papel fundamental para o aprofundamento de nossa parceria estratégica. É muito positivo o fato de a Rússia manifestar disposição de participar do Ciência Sem Fronteiras.

A Rússia tem enormes conhecimentos acumulados em áreas como engenharia aeronáutica, exploração de gás e petróleo, mineração. Queremos que brasileiros possam usufruir desse conhecimento, o que fortalecerá parcerias produtivas em nossos países no futuro.

Determinamos a elaboração de programa de cooperação em ciência e tecnologia para o triênio 2012/2015, com a previsão de ações conjuntas em áreas como nanotecnologia, biologia, medicina, tecnologia de informação e das comunicações.

O Brasil vê com entusiasmo as parcerias que se estabelecem entre instituições brasileiras de promoção da inovação e parques tecnológicos russos. Como centro de inovação destaco o campo da defesa. Hoje, o Brasil e a Rússia assinaram acordo de cooperação no domínio militar, que amplia nossa parceria nesta área. Expressa, por exemplo, nos helicópteros MI-35, usados pelas Forças Armadas do Brasil. Em janeiro, enviaremos missão a Moscou para examinar o aprofundamento da cooperação em sistemas de defesa aérea.

Queremos também, desenvolver projetos concretos com alto conteúdo tecnológico no terreno dos usos pacíficos do espaço exterior e da energia nuclear. Brasil e Rússia são atores de grande porte em energia. E o surgimento de parcerias nessa área são muito bem-vindas e serão incentivadas com forte participação da Petrobras. Devemos lembrar que a Rússia é o primeiro país em produção de petróleo e de gás. Por isso, essa parceria é muito importante para o Brasil.

Com a realização dos mega eventos esportivos no Brasil – a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016 – e na Rússia – dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, da Copa do Mundo de [20]18, - abrem-se oportunidades de cooperação muito significativas na área do esporte. O memorando de entendimento, hoje firmado, sobre governança e legados de mega eventos enfatiza a cooperação bilateral mediante o compartilhamento de experiências.

No terreno cultural, ressalto o relacionamento entre a Rússia e o estado de Santa Catarina, que sedia a única escola aberta pelo Ballet Bolshoi no exterior. Ontem, tive a oportunidade de assistir no Bolshoi, o Lago dos Cisnes, onde, três alunos vindos do estado de Santa Catarina, da escola aberta pelo Bolshoi, em Santa Catarina, tiveram uma participação no espetáculo.

Durante meu encontro com o presidente Putin, tratamos também de temas da paz e segurança internacionais.

Mantivemos diálogo produtivo sobre as questões relativas ao Oriente Médio. Transmiti ao presidente a percepção brasileira sobre a situação da Síria. O Brasil acompanha, com extrema preocupação, a gravíssima escalada do conflito na Síria. Achamos que apenas um processo político, liderado pelos próprios sírios, é o único caminho para a superação do conflito.

Apoiamos os esforços do representante especial Lakhdar Brahimi. Celebramos a concessão, pela ONU, do status de Estado observador não-membro à Palestina.

Quero agradecer de público ao presidente Putin por mais uma manifestação de apoio ao pleito brasileiro de integrar, como membro permanente, o Conselho de Segurança da ONU.

Quero, finalmente, dizer que aguardamos a visita do presidente Putin ao Brasil. Ele poderá observar diretamente os progressos que o nosso país experimentou desde sua visita, em 2004.

O presidente Putin (falha no áudio) ao nosso país.

Aguardamos, igualmente, o primeiro-ministro Medvedev, em 2013, para, juntamente com o vice-presidente Michel Temer, iniciarem - no âmbito da Comissão de Alto Nível de Cooperação – a implementação do programa de trabalho que hoje adotamos. Gostaria de contar uma pequena história que liga os nossos países. Uma história que os brasileiros gostam muito, porque é uma história relacionada a futebol.

Quando nós disputamos a Copa do Mundo aqui, aliás, foi na Suécia, mas disputamos a final com a Rússia... não, não, com a Suécia também... semi-final... você veja que os nossos ministros estão, todos eles, muito atentos aos detalhes futebolísticos que envolvem a Rússia e o Brasil, mas a parte interessante não está no jogo, está antes do jogo.

O treinador do nosso time, o coordenador do nosso time – chamado Vicente Feola – chamou o nosso jogador, o nosso querido e inesquecível Garrincha e disse para o Garrincha: “Você entra pela direita, corta para a esquerda, centra a bola e faz o gol”. E isso contra a Rússia, e isso... ao que o Garrincha respondeu: “Senhor treinador, o senhor combinou com os russos?”

E eu quero dizer aos senhores que eu vim aqui combinar com os russos desta vez.

Ouça a íntegra do discurso (10min20s) da Presidenta Dilma