Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Declaração à imprensa da presidenta da República, Dilma Rousseff, após cerimônia de assinatura de atos entre Brasil e Coreia - Brasília/DF

Declaração à imprensa da presidenta da República, Dilma Rousseff, após cerimônia de assinatura de atos entre Brasil e Coreia - Brasília/DF

por Portal Planalto publicado 24/04/2015 15h43, última modificação 24/04/2015 15h43

Palácio do Planalto, 24 de abril de 2015

 

 

Excelentíssima senhora Park Geun-hye, Presidenta da República da Coreia,

Senhoras e senhores ministros de Estado e demais integrantes das delegações da Coreia e do Brasil,

Senhoras e senhores empresários,

Senhoras e senhores jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas,

 

Senhoras e senhores,

Temos hoje a honra de receber a Presidenta da República da Coreia, Park Geun-hye em sua primeira visita ao Brasil.

Celebramos o fortalecimento dos vínculos entre nossos países, favorecidos pelos progressos da última década. Sua presença entre nós, acompanhada de numerosa delegação empresarial, reflete a amizade e o entendimento que animam as relações entre a Coreia e o Brasil. Expressa, ainda, a vontade recíproca de aprofundar a cooperação bilateral nos mais diversos campos.

Na reunião desta manhã, transmiti à presidente Park a admiração dos brasileiros pelos extraordinários avanços alcançados pela Coreia no campo da educação, hoje, referência mundial na produção de conhecimento, graças também à excelência de seus centros de estudo e de pesquisa.

A educação no Brasil, cada vez mais, tem o papel estratégico de assegurar a sustentabilidade do esforço de inclusão social e de combate à pobreza ocorrido em nosso país nos últimos anos.

É por meio da educação também que estamos formando cientistas, pesquisadores e técnicos, para que o Brasil consolide sua entrada na economia do conhecimento e trate a inovação como tema central no nosso desenvolvimento.

A Coreia foi o primeiro país asiático a engajar-se no Programa Ciência Sem Fronteiras, já tendo recebido 525 bolsistas brasileiros em suas universidades.  As oportunidades de estágio oferecidas por empresas coreanas – a maioria delas com importantes investimentos no Brasil – são fundamentais para a qualificação da formação acadêmica e

para a futura interação entre os setores privados dos dois países.

Na reunião da manhã, a presidente Park me contou que um estudante brasileiro fez uma invenção muito interessante: produziu um filtro portátil, um filtro que pode assegurar que as pessoas tenham acesso à água e agradeceu por termos mandado para Coreia um estudante tão criativo. Por isso, esse momento do Ciência Sem Fronteiras é algo muito importante para o Brasil.

Queria também destacar que o comércio entre Brasil e Coreia é próspero e, apesar dos efeitos negativos da crise, vem crescendo de forma sustentada, com um aumento de mais de 65% desde 2009. Em 2014, a Coreia foi o sétimo parceiro comercial do Brasil no mundo e o terceiro na Ásia, com um intercâmbio total que atingiu 12 bilhões de dólares. Somos, na América Latina, o maior parceiro comercial da Coreia e o principal destino de seus investimentos.

Há espaços para novos esforços com vistas à diversificação do comércio bilateral, por meio de exportações com maior valor agregado para a Coreia e a incorporação na nossa pauta de novos itens. Essa tendência será fortalecida com os dois acordos que nós assinamos hoje, na área de facilitação de comércio e de promoção de negócios entre micro, pequenas e médias empresas.

Reiterei também o interesse do Brasil na abertura do mercado coreano para a carne de Santa Catarina, que já é uma referência de qualidade para mercados exigentes como os dos Estados Unidos, do Japão e da China.

A Coreia é um tradicional parceiro econômico do Brasil em vários setores de ponta, e com os quais compartilhamos experiências muito bem-sucedidas. Por exemplo, a fábrica de condutores e semicondutores HT Micron, joint venture coreana com o Brasil  em São Leopoldo – na qual eu tive a oportunidade de participar da inauguração – é um dos exemplos dessa parceria.

Outros investimentos coreanos são a fábrica de automóveis da Hyundai em Piracicaba e a participação das empresas Dongkuk e Posco, em associação com a Vale, na Siderúrgica do Pecém, no Ceará. Aliás, há uma boa notícia quanto a isso: esperamos que, até o início do ano que vem seja possível a inauguração dessa siderúrgica. No caso de Pecém, a previsão é de uma geração de 19 mil empregos diretos e indiretos com a construção da siderúrgica. Em Piracicaba, são 5 mil postos de trabalho.

Os acordos no campo das Tecnologias da Informação e da Comunicação assinados hoje criam um programa de cooperação que vai unir empresas, universidades, centros de pesquisas. Essas iniciativas conjuntas gerarão oportunidades de negócios e o desenvolvimento de alto conteúdo tecnológico que atendam os mercados nacionais e internacionais.

A Presidente Park e eu concordamos com o caráter estratégico de nossa parceria no setor energético, em especial para assegurar a ampliação do uso de energias renováveis, principalmente diante do nosso compromisso com todas as questões relativas à redução dos gases de efeito estufa e, em especial, diante da próxima reunião, em Paris, da Conferência do Clima.

A associação entre a Eletrobras, a Eletronuclear e a empresa coreana Kepco, formalizada hoje, permitirá o intercâmbio de tecnologias e experiências no campo da energia termonuclear, com ganhos para ambos os lados.

Além dos aspectos bilaterais, tratei com a Presidente Park temas relevantes no âmbito global.

Coincidimos na ênfase atribuída por nossos governos ao multilateralismo, como via essencial de exercício da governança internacional. Nesse sentido, concordamos com a importância do conselho dos direitos humanos, com a reforma do Conselho das Nações Unidas, e felicitei a presidente Park por seus esforços em favor da paz e da estabilidade na península coreana. Bem como transmiti os nossos votos de que as Conversações Hexapartite sejam retomadas o quanto antes. O Brasil tem uma posição clara quanto a não remilitarização nuclear da província coreana. E nós, que mantemos embaixadas residentes em Seul e Pyongyang, estaremos sempre dispostos a colaborar não só com os processos de paz na região, mas também em defesa dos direitos humanos.

Concordamos, por fim, sobre a urgência de atuar de maneira conjunta na mudança do clima. Estamos cientes de que a COP 21, em Paris, em dezembro próximo, representa ocasião fundamental para avançar nas negociações de novo instrumento legal, que estabelecerá as bases adequadas à necessária redução das emissões.

Consideramos também no tema das nossas relações bilaterais a extrema importância de cooperar no que se refere a todo desenvolvimento das tecnologias de informação, em especial na economia criativa.

O Brasil tem um extremo compromisso com a questão da desburocratização do governo digital. Nesse sentido, saudamos essa cooperação na medida em que a Coreia tem uma expertise bastante reconhecida nessa área.

Quero mais uma vez agradecer a presidente Park por sua visita. E certamente vai contribuir para reforçar ainda mais os vínculos fraternos e produtivos que nós temos com o governo e o povo coreano. Agradeço também sua comitiva e a todos aqueles que a acompanharam nesta viagem, empresários e cidadãos coreanos.

Muito obrigada, presidente Park, seja muito bem vinda ao Brasil e receba os nossos votos fraternos.

 

 

Ouça a íntegra (11min15s) da declaração da Presidenta Dilma