Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de formatura do Pronatec

Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de formatura do Pronatec

por Portal Planalto publicado 24/04/2014 18h13, última modificação 04/07/2014 20h21

Cuiabá-MT, 24 de abril de 2014

 

Boa tarde. Boa tarde, formandas e formandos. Eu cumprimento a Grazielle Jorge de Queiroz, oradora da turma, e o José Daniel dos Santos que fez o juramento. Em nome deles eu cumprimento cada um de vocês.

Mas, antes, eu vou chamar pelas camisetas para cumprimentar cada um dos cursos em que os formandos estudaram. Primeiro eu chamo o pessoal do Senar, camiseta verde e branca, atrás à direita. Agora, os formandos do Secitec, camiseta branca, na frente e no meio. O pessoal agora do Senai, camiseta azul e branca. Agora o pessoal do Senac, camiseta branca, aí na lateral. O pessoal do Instituto Federal do Mato Grosso, camiseta branca, lá no fundo. E o pessoal do Senat, camiseta branca, ao fundo, à direita. Agora, todos juntos, gente, vamos fazer, aí, uma grande manifestação: Secitec, Senar, Senai, Senac e FNT e Senat. É parabéns para vocês, que se esforçaram e que chegaram aqui. Parabéns.

Agora eu vou cumprimentar o governador do Mato Grosso, o nosso parceiro Silval Barbosa. Dirigir um cumprimento todo especial à primeira-dama Roseli Barbosa.

Cumprimentar o prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes, e agradecer pela recepção fraterna e amiga,

Cumprimentar os ministros de Estado que vieram aqui, hoje, nessa nossa visita ao Mato Grosso: o ministro da Educação, Henrique Paim; o ministro das Cidades, Gilberto Occhi; o ministro do Esporte, Aldo Rebelo.

Queria cumprimentar o vice-governador Chico Daltro,

Cumprimentar os deputados federais: Eliene Lima, Ságuas Moraes, Valtenir Pereira, Wellington Fagundes.

Os deputados estaduais: Airton Português, Neldo Weirich, Tetê Bezerra, Ezequiel Fonseca, Alexandre Cesar, Nininho.

Secretários estaduais: a Rosa Neide, de Educação; o Rafael Bastos, de Ciência e Tecnologia; o Jean Campos Oliveira, do Trabalho e Assistência Social.

Cumprimentar aqui os nossos parceiros do Pronatec: o Jandir José Milan, presidente do Sistema Fiemt/Senai; a diretora regional do Senac, a Gilsane Tomaz; o presidente do Conselho do Sest/Senat da região centro-oeste, João Rezende Filho; o presidente da Famato e do Senar de Mato Grosso, Rui Prado.

Queria cumprimentar os nossos queridos reitores: José Bispo Barbosa, do Instituto Federal de Mato Grosso.

Cumprimentar a reitora Maria Lúcia Cavalli Neder, da Universidade Federal de Mato Grosso.

Cumprimentar o presidente da Caixa Econômica, Jorge Hereda.

Queria cumprimentar o José Rodrigues Rocha Júnior, secretário municipal de Assistência e Desenvolvimento Humano.

Quero cumprimentar também os senhores jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas.

Eu sempre tenho feito questão, quero dizer para vocês, de participar das formaturas do Pronatec. E faço questão de participar da formatura do Pronatec porque considero o Pronatec uma prioridade para as pessoas – os homens, as mulheres, os jovens, os adultos – de todas as idades. O Pronatec é uma prioridade para se construir um Brasil melhor para cada um de nós. Por isso, eu venho aqui para mostrar a importância que esse curso tem para o país.

E aí eu queria cumprimentar os professores, os professores de vocês, e dirigir a eles os nossos aplausos, porque esses professores tornaram esse aprendizado possível. Queria também reconhecer, agradecer e cumprimentar os pais de vocês, os filhos, os avós, os irmãos, os namorados, as namoradas, além dos amigos presentes aqui e também os ausentes, porque eu sei a importância que todos eles tiveram no esforço de vocês.

Eu viajo o Brasil inteiro para participar e assistir cerimônias como esta aqui, hoje. É um momento que eu chamo “momento de vitória” e, nessa vitória, o grande vitorioso, ou a grande vitoriosa são cada um de vocês e cada uma de vocês, vocês são os vitoriosos. Os professores ajudaram, a família, os amigos apoiaram, mas os vitoriosos são vocês.

E aí, eu quero dizer para vocês que nós do governo federal participamos disso oferecendo as oportunidades. Mas de nada adianta oferecer as oportunidades se vocês não seguram as oportunidades com as duas mãos, seguem em frente, desafiam uma série obstáculos, se esforçam, ultrapassam barreiras para se formar e se capacitar profissionalmente. É por isso que é como se fosse um arco de forças que leva vocês à frente. Primeira parte desse arco de forças é o esforço de vocês, que aqui, hoje, essa cerimônia é para reconhecer isso: o enorme esforço de vocês, e mostrar para todos os mato-grossenses, as mato-grossenses, que esse esforço é recompensado, que vocês vão se formar, conseguir um emprego melhor, melhorar a vida para as suas famílias.

Em segundo lugar, estão os professores e a família, que deram apoio, que deram a necessária assistência para que isso fosse possível, em especial os professores, de um lado, dando a formação, transmitindo o conhecimento e, de outro, a família dando suporte, o carinho, o apoio. E hoje eu tenho certeza:  o imenso orgulho de ver vocês se formando.

Além disso, eu sei que tenho hoje aqui 1.200 formandos. Nessa formatura participam alunos de 18 municípios do estado. E isso é importante, porque mostra que não está só na capital, mas também em vários dos municípios do interior. E aí eu vou pedir para vocês, eu vou ler o nome dos municípios e vocês se identifiquem.

Vou começar citando o nome da cidade de vocês, eu faço questão de fazer isso: Cáceres, Chapada dos Guimarães, Confresa, Cuiabá, Diamantina, Jaciara, Juscimeira, Lucas do Rio Verde, Nova Bandeirantes, Nova Mutum, Nossa Senhora do Livramento, Pontes e Lacerda, Rondonópolis, Santo Antônio do Leverger, Sinop, Sorriso, Tangará da Serra, Várzea Grande. Qual? Barra do Garças. Qual mais? Qual mais? Nova Ubiratã. Qual mais? Nova Xavantina. Qual mais? Alto Araguaia. Ah, Pontal, Pontal do Araguaia. General Carneiro. Ribeirão Vermelho. É Ribeirão Cascalheira, meu filho, não é Vermelho. Está bom, gente, então agora concluímos. O que... Está faltando uma ali, ó. Sapezal. Pronto! São Tomé. Poconé! Viu o que que é? Eu entendi São Tomé e é Poconé.

Bom, vocês todos tiveram oportunidade, isso é fato, de escolher entre uma variedade de cursos, cursos como, nos diplomas técnicos de nível médio, cursos de técnicos em logística, por exemplo, em recursos humanos, em segurança do trabalho e vários outros. E, no caso da qualificação profissional, mais de 69 cursos, como agente de informações turísticas, eletricista, instalador predial de baixa tensão, auxiliar administrativo, aplicador de revestimento cerâmico, pedreiro de alvenaria, padeiro, salgadeiro, operador de computador, operador de escavadeira hidráulica. Nós vimos aqui... cabeleireiro. Agora nós não vamos conseguir citar os 69, viu, gente? Vamos parar por aqui também.

Essa variedade de cursos, ela é muito importante. É a primeira característica do Pronatec, é a variedade de cursos. A segunda característica do Pronatec é a qualidade do Pronatec, e aí os parceiros são muito importantes. São parceiros desse modelo o Sistema S, que tem cursos de alta qualificação técnica. Todo mundo reconhece a qualidade dos cursos do Sistema S. Quem mais? Os institutos federais de educação, os institutos são institutos federais de educação tecnológica e que têm essa vocação para o curso técnico. Aqui em Mato Grosso, por exemplo, nós, do Instituto Federal do Mato Grosso, temos 13 campi funcionando, 5 campi que vão entrar em funcionamento, totalizando 18 campi.

Além disso, o que também caracteriza o Pronatec e o sucesso dele? É a terceira coisa. Antes, as pessoas, no país, para fazer um curso de qualificação ou um curso técnico, muitas vezes encontravam uma barreira. Qual era a barreira? O preço do curso. O curso custava caro, e muitas pessoas não podiam se dar as condições para pagar o curso. Por isso, esse curso do Pronatec instituiu um fator importantíssimo, que é o fato do curso ser gratuito. Com isso, a gente não discrimina ninguém. Todos os brasileiros, as brasileiras, de todas as idades, têm acesso ao curso. Para isso, o governo federal colocou R$ 14 bilhões. Por que nós colocamos R$ 14 bilhões do orçamento do governo federal? Porque esse dinheiro é um dinheiro que vem dos impostos que todo mundo paga, e é fundamental para o país que o dinheiro seja gasto naquilo que beneficia as pessoas deste país.

Daí por que essa parceria é uma parceria de sucesso. São cursos diversificados, que têm a ver com a demanda de cada região, de cada cidade e o interesse dos alunos, primeiro. Segundo, qualidade, ninguém pode questionar que, em termos de qualidade e de formação e capacitação técnica, nós colocamos o que havia de melhor. E aí estou olhando aqui para o nosso governador Silval, e quero dizer que aqui nós temos uma parceria forte com o Secitec, que é do governo do estado, porque nos outros lugares... sabe por que é que eu não falei nele antes? Eu vou explicar por que. Porque nem sempre em todos os estados tem a participação do governo estadual, e aqui nós temos, por isso a gente tem de reconhecer. Obrigado, governador, pelo fato do senhor ter colocado o Secitec nessa parceria.

Então, continuando, são esses três fatores. Aí vocês podiam perguntar por que é que nós tivemos essa iniciativa? Porque o Brasil agora, ele está na fase de dar um outro salto, de seguir mais longe, ir mais em frente, e isso é uma questão de futuro, de construir o futuro. Como qualquer coisa na vida, a gente, quando conquista uma parte, quer outra. Também um governo tem de olhar para o futuro e querer mais. E aí eu digo para vocês o seguinte: não há país desenvolvido que possa crescer, ficar cada vez mais rico, se ele não tiver cidadãos bem formados na área técnica. O técnico, nós temos de começar a valorizar o técnico, e é por isso que eu, presidenta da República, venho na formatura do Pronatec. É fundamental para o Brasil formar técnicos para que a gente seja capaz, primeiro, de melhorar a capacitação dos brasileiros. Segundo, agregar valor à nossa produção. Cada vez mais vai ser importante colocar os recursos da inovação, recolocar o conhecimento nos produtos que a gente faz. Na área da agricultura e da pecuária, na indústria, no setor de serviços, em toda as áreas. Formar técnicos é condição para este país crescer, aumentar a produtividade.

Hoje nós estamos aqui, eu podia dizer o seguinte: nós estamos aqui na festa da produtividade, na mudança do Brasil de um patamar para outro. Isso vai beneficiar todos os brasileiros. A outra questão importante é que não podemos fazer isso em pequena escala. Eu não sei se vocês sabem, até 2005, o governo federal não podia, estava proibido por lei, não podia investir em educação técnica e profissional. Só os estados e só os municípios, nós não podíamos, nós, do governo federal. Daí, naquela época, eu era ministra do presidente Lula, foi mandado para o Congresso uma lei modificando isso, e de lá para cá nós desandamos a investir em educação técnica e profissional. Até que quando virei presidente, nós criamos o Pronatec para garantir que os brasileiros tivessem acesso, sem discriminação, a cursos técnicos de boa qualidade.

E aí, gente, nos criamos uma meta para a gente mesmo. É que nem vocês: um aí coloca a meta “eu quero ser um técnico de tal nível”, eu começo e vou indo, porque ninguém consegue cumprir meta de cara, tem de ter o tempo. Mas nós criamos para nós uma meta importante: vamos fazer 8 milhões de matrículas até o final de 2014. Esses 8 milhões de matrículas jamais foram feitas no Brasil, e vocês sabem como as coisas são. Quando nós lançamos o programa, olharam para a gente com todo o descrédito do mundo: “É impossível, eles não vão fazer de jeito nenhum”. Aí eu quero contar uma coisa para vocês, compartilhar isso com vocês, porque vocês são parte disso: hoje, o Brasil chegou, hoje, a 6,8 milhões de matrículas. Hoje! Nós temos certeza que antes do fim do ano a gente vai ter cumprido os 8 milhões. E aí, o que nós vamos fazer? Criar o Pronatec 2. O Pronatec 2 vai ser cada vez melhor, porque nós aprendemos com o Pronatec 1, vamos cada vez melhorando e fazendo mais cursos, melhores cursos, e garantindo que os brasileiros e as brasileiras tenham sistematicamente acesso a cursos técnicos de qualidade.

E eu queria dizer uma coisa para vocês: Mato Grosso – viu, governador? – nos orgulha muito. Porque aqui, como já disse o Paim, 260 mil jovens. Proporcionalmente jovens, adultos, homens e mulheres, porque é bom dizer uma coisa: as mulheres têm uma grande participação nos cursos, uma grande participação. É um orgulho, eu falo isso com orgulho, porque as mulheres estão correndo atrás, estão indo atrás, e a gente sabe que na vida a gente tem de correr atrás, não é? Olha ela ali correndo atrás para tirar uma fotografia minha. Não fica com vergonha, não, pode tirar.

Bom, e eu quero falar, finalmente, que é muito importante isso para nós todos. Eu sei perfeitamente o quanto é importante que nós sejamos um país com técnicos, universitários, cientistas, enfim, pessoas das mais variadas capacitações. A gente não tem de ter uma capacitação só. Temos de entender que a educação no Brasil, cada vez mais, vai cumprir dois papeis. Primeiro papel: é fato que nós tiramos da extrema pobreza 36 milhões de pessoas. É fato que passou para a classe média uma Argentina inteira, 42 milhões de pessoas. Para que a gente torne todos esses ganhos permanentes, essas pessoas terão de ter acesso a educação. Sejam, como disse o Paim, os brasileirinhos e as brasileirinhas, a gente garantindo creche, alfabetização na idade certa, e, sobretudo, dois turnos de educação, para que, no segundo turno, tenha reforço de matemática, de português, de ciências e uma língua. Isso é importantíssimo para o país.

Mas, nós temos de ter o caminho... o chamado caminho da oportunidade para os jovens e os adultos. O que é esse caminho da oportunidade? O ensino técnico é um ponto desse caminho de oportunidade. No resto do mundo, muitas vezes um técnico ultracapacitado ganha mais que um pós-graduado em qualquer curso porque o técnico é essencial na atividade produtiva.

Além disso, nós temos de criar oportunidades também para as pessoas que são, e eu acho que uma conquista imensa do Brasil foi o sistema de cotas. O sistema de cotas é uma afirmação, um direito dos que fazem ensino público, que cursam uma escola pública estadual, daqueles que são também negros, dos afrodescendentes deste país, de todos aqueles que, por um motivo ou por outro, eles necessitam de uma ação afirmativa. Então, a Lei de Cotas é muito importante.

Além da Lei de Cotas, é o acesso gratuito de jovens, adultos a, não só à rede federal de educação universitária, e aqui está a reitora para nos dar esse incentivo, porque nós fizemos uma imensa expansão – não é, reitora? – no ensino universitário. Nós interiorizamos universidades por esse país afora, o que não faziam antes, valorizamos o professor, o reitor, mas também dar acesso aos jovens, ao ensino privado. Nós, através do ProUni, fizemos bolsas que asseguram que as pessoas podem estudar numa universidade paga. A bolsa pode ser meia ou pode ser inteira. Se for meia, a pessoa pode pagar a bolsa. Como que ela paga a bolsa? Ela paga a bolsa com o financiamento do Fies. O financiamento do Fies é um ótimo financiamento, porque se você fizer um curso universitário de 4 anos, você vai ter 13 anos para pagar. Você multiplica o tempo do curso por 3 e some mais um ano. Vai dar, portanto, num curso de 4 anos, 13 anos; num curso de 5 anos, 16 anos. Com isso, a pessoa paga depois que se formou, e aí ela pode pagar. Se ela for médica, se formar em medicina e for trabalhar no SUS, ela desconta, a cada ano de trabalho, desconta 1 ano de pagamento do seu financiamento. Se ela for fazer um curso de pedagogia, para dar aula, o que é importantíssimo no Brasil, ela também pode descontar, para cada ano de aula que ela fornecer, que ela prestar, ela desconta também um ano.

O que eu quero dizer com isso? Eu quero dizer com isso que no Brasil nós queremos que todos consigam realizar seus sonhos. E aí a gente sabe que o brasileiro e a brasileira é... constituída por pessoas valorosas, trabalhadoras, que correm atrás, que buscam se realizar, e vocês são a prova disso. Aqueles que não percebem a força da população, a força que tem dentro de cada uma das pessoas, ignora este país, ignora a nossa maior riqueza que é o nosso povo. É, nós temos petróleo, nós temos minério, nós temos o agronegócio, mas o que é mais importante neste país são os homens e as mulheres que fazem dele uma grande nação.

É por isso que estou aqui hoje, e hoje é o dia de vocês, hoje é o dia da homenagem a vocês. Quero dizer que nós vamos continuar, nós vamos continuar fazendo o Pronatec. Eu espero que vocês jamais deixem de estudar. Outros Pronatecs virão, se capacitem sempre, tragam os amigos que não vieram, avisem para os parentes que existe essa chance.

Outro dia eu fiz uma cerimônia igualzinha a esta, e uma das meninas disse o seguinte. Ela contando, ela era oradora da turma e ela começou a contar. Ela não era tão menina assim, ela já tinha uma filha quase adulta, mas jovem já dos seus mais de 20 anos, na universidade, ela nunca tinha... ela não tinha uma profissão definida, ela tinha trabalhado de doméstica, ela tinha feito de tudo. E a filha dela, que estava no ProUni, disse para ela: minha mãe, se matricule no Pronatec. E ela era, a partir daquele momento, ela estava se formando num curso bastante especializado. Ela se formou em técnica em eletrificação. Então é algo que engrandece porque é a família junta buscando essa oportunidade de melhorar a vida, melhorar a renda, mas, sobretudo, de realizar seus sonhos.

Hoje é um dia que vocês realizam o sonho de vocês. Por isso, eu termino cantando o velho parabéns para vocês. Parabéns para vocês nesta data querida!

 

Ouça a íntegra (33min41s) do discurso da Presidenta Dilma