Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Discursos > Discursos da Presidenta > Brinde da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante jantar oferecido pelo Presidente da República de Portugal e senhora, Maria Cavaco Silva

Brinde da Presidenta da República, Dilma Rousseff, durante jantar oferecido pelo Presidente da República de Portugal e senhora, Maria Cavaco Silva

por Portal do Planalto publicado 10/06/2013 19h43, última modificação 04/07/2014 20h17

 

Lisboa-Portugal, 10 de junho de 2013

 

Excelentíssimo senhor Aníbal Cavaco Silva, presidente de Portugal, senhora Maria Cavaco Silva,

Excelentíssimo senhor Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro de Portugal, senhora Laura Ferreira,

Doutora Maria da Assunção Esteves, presidente da Assembleia da República,

Senador Renan Calheiros, presidente do Senado Federal, senhora Verônica Calheiros,

Senhoras e senhores ministros de Estado, senadores e integrantes das delegações de Portugal e do Brasil,

Senhoras e senhores empresários,

Senhoras e senhores,

 

Grata, presidente Cavaco Silva, pela acolhida extremamente calorosa e pela possibilidade de celebrar em Lisboa o Dia de Portugal, que é também o dia de Camões nas comunidades portuguesas.

O Brasil acompanha com atenção o esforço do povo português para atravessar uma circunstância econômica estagnante. Conhecemos a história de Portugal, a grandeza de seu povo, a energia de seus filhos empreendedores. Somos um povo herdeiro dessas qualidades. Sabemos que as dificuldades transitórias serão superadas, queremos ser parceiros solidários e fomentar um intercâmbio crescente. Afinal, os verdadeiros amigos são aqueles que se fazem presentes nos momentos de dificuldade.

Em nossas conversações hoje constatamos que nosso comércio bilateral continua importante, ainda que sabemos que ele pode progredir mais. Saudamos a expansão de nossos investimos recíprocos, que se elevam a níveis impressionantes.

A expansão do emprego e a elevação da renda média nacional de milhões de brasileiros, nos últimos dez anos, abrem perspectivas sem precedentes de desenvolvimento sustentável em meu país. Queremos os investimentos, os técnicos portugueses presentes, queremos relações comerciais dinâmicas nessa nova etapa da vida econômica e social do meu país.

Da mesma forma, as empresas brasileiras que aqui estão chegando, sobretudo em setores estratégicos, contribuirão para dar novo dinamismo à economia portuguesa. Esse dinamismo, como sabemos, está diretamente ligado à importância que estamos dando, portugueses e brasileiros, à ciência, à tecnologia e à inovação. Expressão desse entendimento é a presença de milhares de estudantes brasileiros em Portugal, que se beneficiam da excelência das instituições universitárias deste país. Somos gratos a seu governo, presidente Cavaco Silva, pela acolhida dispensada aos nossos jovens brasileiros e brasileiras. Queremos também desenvolver um esforço coletivo em relação ao nosso idioma comum. Por essa razão, participamos, com enorme satisfação, da outorga do Prêmio Camões ao escritor moçambicano, que orgulha todos nós por escrever em língua portuguesa, Mia Couto.

Prezado presidente, senhoras e senhores,

Em ocasiões como esta é difícil, ainda que necessário, fugir aos lugares comuns sobre as relações de Portugal e do Brasil. Um olhar realista sobre o passado de nossos países mostra o quão dependentes fomos uns dos outros nesses mais de cinco séculos de nossa história comum.

Tudo começou quando os navegadores partiram da Torre de Belém para aquela que seria, talvez, a primeira tentativa de globalização de que se tem notícia. Buscando o mar sem fim a que aludia Fernando Pessoa, as caravelas chegaram ao Brasil. Os primeiros séculos da colonização cederam lugar, no início do século XIX, a uma aproximação de nossos países da qual resultou a independência brasileira e a modernização política de Portugal.

Não por acaso Dom Pedro I, no Brasil, e IV, aqui, foi o protagonista desses dois processos. Desde então não cessou nossa aproximação. Nas últimas décadas nos aproximou a democracia, mas também o desenvolvimento econômico e social. Vimos o quanto poderíamos fazer juntos.

Renunciamos aos lugares comuns sobre nossas afinidades e passamos a pensá-las como resultantes de uma amizade que, sem recusar a paixão, está ancorada também na razão.

Senhor presidente,

Para realizar os objetivos a que nos propomos, contamos com afinidade de valores, nossas raízes comuns, mas, acima de tudo, com a energia que provém do sentimento profundo de amizade entre brasileiros e portugueses.

Por isso, convido todos a se unirem a mim em um brinde por essa amizade que hoje se fortalece e se renova.

Em homenagem ao senhor e ao grande povo de Portugal!

 

Ouça a íntegra (05min53s) do brinde da Presidenta Dilma