Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Conversa com a Presidenta > Conversa com a Presidenta > Presidenta Dilma fala em sua coluna semanal sobre o Pronatec – Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego

Presidenta Dilma fala em sua coluna semanal sobre o Pronatec – Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego

por Portal do Planalto publicado 08/10/2013 00h00, última modificação 04/07/2014 20h28

Coluna semanal da Presidenta Dilma Rousseff

Presidenta, ouvi falar que o Pronatec está completando dois anos neste mês. As pessoas estão demonstrando interesse em fazer esses cursos técnicos? E as escolas técnicas receberam algum investimento pra aumentar suas vagas? (*)

Sim, o Pronatec – Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego tem atraído um enorme interesse e é um marco na história do ensino técnico e da qualificação profissional do nosso país. Até 2014, os investimentos federais no programa somarão R$ 14 bilhões, e já temos 4,6 milhões de pessoas que fizeram ou estão fazendo um dos cursos oferecidos pelo Pronatec em mais de 3.200 municípios de todo o Brasil. Um terço das matrículas foram feitas no Nordeste. E estamos trabalhando firme para cumprir nossa meta de matricular 8 milhões de alunos até o final de 2014.  Um aspecto fundamental é que no Pronatec o aluno não paga nada, pois todos os custos são cobertos pelo governo federal – matrícula, livros, uniforme, material para usar nas aulas práticas e até um auxílio para alimentação e transporte. Pagamos os professores, construímos novos laboratórios, modernizamos e ampliamos os existentes, fazemos apostilas e criamos todos aqueles instrumentos necessários para tornar o curso, de fato, muito mais dinâmico.

Nós firmamos parcerias estratégicas com o Sistema S, colocando cerca de R$ 4 bilhões, para a oferta de cursos no Senai, na área da indústria; no Senac, na área do comércio; no Senar, na área da agricultura; e no Senat, na área do transporte. Os cursos também são dados por universidades federais, por exemplo, nas escolas de enfermagem; pelos institutos tecnológicos federais; e pelas escolas técnicas estaduais, que receberam do governo federal quase R$ 1 bilhão para se modernizar e ampliar a oferta de vagas. Só na expansão da rede federal de ensino técnico, já investimos R$ 2,7 bilhões. A meta do meu governo é criar 208 novas escolas técnicas, das quais 92 já estão em funcionamento. Estamos interiorizando os cursos, para atendermos às demandas regionais. No Amazonas, por exemplo, o curso mais procurado é o de técnico em informática, por conta da Zona Franca; nas áreas rurais, mais de 65 mil pessoas tiveram acesso a cursos como os de operador de grandes máquinas agrícolas e de sistemas de irrigação, de viveirista de plantas e flores e de agricultura orgânica. Está surgindo uma nova geração de profissionais, que foi chamada de “Geração Pronatequiana” por um aluno do Rio Grande do Norte. Quase 70% desses alunos são jovens com até 29 anos, e 60% deles são mulheres.

Com o Pronatec, trabalhamos em três eixos: primeiro, oferecendo ensino técnico para quem está cursando o Ensino Médio. Segundo, oferecendo mais e melhores oportunidades de qualificação profissional para o jovem ou o adulto que deseja uma melhor formação profissional. E, terceiro, oferecendo cursos para as pessoas que estão no programa Brasil sem Miséria, para que elas tenham melhores chances de conseguir um trabalho com melhor remuneração. Os cursos se dividem em dois tipos. O primeiro, são os cursos técnicos de maior duração, de um ano e meio a dois anos, que já tiveram mais de 1,5 milhão de matrículas. São os cursos complementares ao Ensino Médio, feitos durante o curso regular  ou depois do seu encerramento. O segundo tipo são os cursos de qualificação profissional de curta duração, que vão de dois a seis meses, e nos quais já se matricularam mais de 3,1 milhões alunos. Dentre esses cursos de qualificação, os mais procurados são os de operador de computador, eletricista, instalador predial, costureiro, pintor, pedreiro, mecânico, desenhista, soldador, torneiro mecânico, ferramentista, auxiliar administrativo, recepcionista, funcionário de hotelaria, balconista, modelista, operador de caixa, costureira industrial. Para a parceria do Pronatec com o programa Brasil sem Miséria temos um milhão de vagas reservadas, e mais de 750 mil matrículas já foram realizadas. São pessoas que já aprenderam ou estão aprendendo uma profissão, e com ela passam a ter melhores chances de conquistar sua autonomia financeira. Os resultados mostram que o brasileiro tem uma enorme vontade de aprender, de conquistar o seu próprio futuro. O Pronatec está dando para as pessoas essa oportunidade. Quem estiver interessado em mais informações ou quiser se inscrever em algum curso, basta acessar o site http://pronatec.mec.gov.br.

(*) Esta pergunta, que precede a Mensagem, foi formulada pela Secretaria de Imprensa para melhor entendimento do conteúdo.

Mais Informações

Secretaria de Imprensa da Presidência da República

Departamento de Relacionamento com a Mídia Regional

(61) 3411-1370/1601